Bênção de Nahuatl

Ontem foi dia de cuidar da alma. Logo de manhã bem cedo, deixo Belo Horizonte em direção à  Belo Vale, com amigas do grupo de estudos de Pathwork. O dia nublado não comprometeu a beleza da paisagem. O “mar de montanhas” de Minas Gerais mostra-se na estradinha que leva a Moeda, alternando o verde da vegetação com o azulado das montanhas que somem além da linha do horizonte. 

A pequena viagem até o Luz na Montanha já acalma a mente, com casinhas simples ao longo da estrada, cheirinho de terra e gostinho de interior. Lá chegando, fomos recebidas com café com leite, pão de queijo quentinho, broa, bolos, roscas e canjica. Existe algo mais mineiro?

E desse jeitinho, o dia decorreu. Afeto à flor da pele, amorosa preparação em cada detalhe, caminhada na mata, roda de conversa. Dia abençoado, que repõe as energias e acalenta o coração. 

De todos os momentos especiais deste dia especial, um tocou profundamente meu coração. Em meio a natureza ouvi uma antiga bênção, criada no idioma Nahuatl, falado desde o século VII na região central do México. Essa espetacular bênção fala de perdão, carinho, desapego e libertação.

Com muito respeito, transcrevo-a aqui para vocês: 

Bênção de Nahuatl

Liberto meus pais de sentir que eles não puderam me dar tudo em que acreditam terem falhado. Eu os amo e agradeço por terem sido o instrumento da vida para que eu esteja aqui hoje.

Eu liberto meus filhos da necessidade de ampliar meu ego, de querer satisfazer os desejos ou objetivos que eu não cumpri para mim ou de que eles se sintam obrigados a me orgulhar. Peço-lhes que escrevam suas próprias histórias de acordo com suas vontades de experimentar e com o que alegra seus corações.

Eu liberto meu parceiro da obrigação de me completar. Estou completo(a). Nada me falta, tudo está dentro de mim. Minha felicidade depende de mim. Aprendo e evoluo com cada um de meus relacionamentos e, se falhamos, também fui responsável por atrair essa situação.

Eu liberto meus irmãos de qualquer culpa que sentem por mim, ou de fazê -los acreditar que me machucaram, ou que em qualquer momento eu os ofendi, ignorei ou neguei. Em nenhum momento minha intenção foi de viver suas vidas, nem de impedir suas experiências ou fazê-los pensar que não poderiam fazer bem ou que eu pudesse fazer melhor do que eles. Eu os amo. Agora estou ciente de que estão fazendo o melhor que podem fazer e confio plenamente em suas habilidades e pontos fortes para descobrir a vida maravilhosa que sempre sonharam pra eles.

Para meus avós e antepassados ​​que foram se encontrando para que eu, hoje, aqui respire a vida em seus nomes. Liberto-os das falhas do passado e dos desejos que não cumpriram. Consciente de que tudo o que fizeram foi o melhor que puderam fazer para resolver cada uma das situações que enfrentavam, com os recursos que tiveram desde o nível de consciência que tinham naquele momento. Eu os honro com a minha vida, fazendo o melhor que posso para fazê-la feliz, digna e próspera. Eu os amo e reconheço todos e cada um deles. Sob seus olhares expresso minha gratidão e todo meu amor para que saibam que não escondo nem devo nada além de ser fiel a mim mesmo e a minha própria existência, dessa forma eu os honro. O que aprendi com todos me faz ser quem sou e me permite traçar o caminho da minha vida com sabedoria, consciente de que estou cumprindo meu projeto de vida, livre de lealdades familiares invisíveis e visíveis, livre de laços e crenças que possam perturbar minha Saúde e Alegria, Paz e minha Felicidade.

Eu renuncio ao papel de Salvador(a) e Redentor(a), de ser aquele(a) que une ou cumpre expectativas alheias . Aprendendo através e somente através do Amor/aceitação, permitindo a cada um Ser como quer e eu me permito Ser como realmente sou.

Eu abençoo a essência mais expandida do meu Ser que é maravilhosa, esplêndida e notável, que através da minha forma única de me expressar e mesmo que alguém não possa me entender, eu apenas me expresso como sou, porque só eu vivi e experimentei minha própria história, porque eu conheço a mim mesmo, sei quem sou, o que sinto, o que faço e por que faço. Me aceito, me respeito, me aprovo e me responsabilizo apenas por mim, com amor/aceitação e compreensão.

Honro a Divindade em mim e em você. Agora somos livres para nos amarmos. Eu te amo e te aceito em minha vida e experiência de vida.”

 

Júnea Chiari

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *