Como é difícil ser homem nos dias de hoje!

It's only fair to share...Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Esta frase, repetida de variadas formas, por homens de diferentes perfis e personalidades, me chama a atenção para um tema cada vez mais atual, embora ainda pouco discutido: a chamada crise da masculinidade.

Num tempo marcado pela instabilidade, pela impermanência das relações, seja nos contextos de trabalho, afetivos ou sociais, onde tudo se torna efêmero, os papéis sociais e de gênero se embaralham,  e novos questionamentos se apresentam, sobre as diversas formas de ser e estar no mundo.

Se, até a primeira metade do século XX, a identidade masculina era definida per se, de acordo com o modelo patriarcal então vigente, nas décadas seguintes, com o surgimento do movimento feminista, observou-se um processo de desconstrução do masculino, com a rejeição de práticas e atitudes consideradas machistas. Os padrões tradicionais da identidade masculina foram postos em cheque, causando tensões e ansiedade frente às novas demandas, e impondo a necessidade de uma redefinição do que é ser homem na cultura ocidental.

Repensando seus limites, direitos e obrigações, mas principalmente suas fragilidades diante de um mundo que o desafia, o homem contemporâneo se vê obrigado a buscar novas formas de subjetivação; e este processo não se dá sem sofrimento psíquico, como mostra a frase título deste texto.

O psicólogo Sócrates Nolasco, autor de O Mito da Masculinidade e De Tarzan a Homer Simpsom, revela o medo e a perplexidade por trás da máscara de segurança do homem moderno; entretanto, para ele, o desmoronamento do modelo machista é mais uma possibilidade que uma perda, pois proporciona a auto-reflexão, a busca de novas formas de conexão e a potencialização da sensibilidade. Por outro lado, ele diz, é da morte simbólica das insígnias masculinas que nascem, no Ocidente, as reivindicações das minorias ( paridade salarial, de etnia, de gênero, etc). Neste contexto, Tarzan  representaria o arquétipo do herói em decadência, enquanto Homer Simpson seria o protótipo do homem mediano, um anti-herói sem virilidade ou sedução.

Para o psicanalista argentino Gustavo Dessal, os homens são censurados por praticar sua masculinidade, mas ao mesmo tempo recriminados por não exercê-la. Este paradoxo encurrala os homens, mas também as mulheres, que ficam confusas quanto ao que realmente querem ou podem esperar de um relacionamento.

Para além da análise dos especialistas, um olhar feminino pode resumir muito bem a questão: a atriz Emma Watson, discursando na ONU no lançamento da campanha mundial He for She (Ele por Ela) – que incentiva a igualdade de gênero –  encerrou seu discurso dizendo:

“Nós não falamos frequentemente sobre os homens estarem aprisionados em estereótipos de gênero, mas eu posso ver que eles estão. E, quando eles estiverem livres, as coisas irão mudar para as mulheres como consequência natural”.

                                              Ísis de León, psicóloga da Clínica Vida e Mente

Esta entrada foi publicada em saúde emcional. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Como é difícil ser homem nos dias de hoje!

  1. Marisa Freitas disse:

    Minha querida Ísis, muito bom seu estudo.Precisamos saber ainda mais.Marisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *