Skip to main content
 -
Jornalista especialista em Produção em Mídias Digitais e mestre em Comunicação Digital Interativa. Professor e coordenador de Pós-graduação no IEC PUC Minas nas áreas de Marketing, Gestão e Vendas. VISITE MEU SITE: www.etcdigital.etc.br Marque uma consultoria pelo whatsapp: 31 998316905. Email: alysson@etcdigital.etc.br

Hugo Barra deixa a Xiaomi e vai liderar divisão VR do Facebook

O engenheiro é formado pela UFMG e pelo MIT. Ele foi também vice-presidente do Google

Hugo Barra deixa a direção da Xiaomi para assumir divisão de VR do Facebook
Hugo Barra deixa a direção da Xiaomi para assumir divisão de VR do Facebook

A meteórica trajetória desse mineiro de Belo Horizonte é realmente de impressionar. Ex-aluno do Colégio Pitágoras, na Região da Pampulha, Hugo Barra era tido pelos colegas de sala como um aluno exemplar, educado e muito inteligente. Hugo foi o engenheiro responsável pelo desenvolvimento do sistema operacional Android e trabalhou no Google por cinco anos. Depois disso, assumiu o posto de vice-presidente da chinesa Xiaomi, startup criada em 2010. A empresa cresceu vertiginosamente e quatro anos mais tarde já era avaliada em US$ 46 bilhões, segundo o site Gizmodo. Sua função na empresa era a expansão mundial da marca, até então concentrada no mercado chinês.

Depois da chegada do brasileiro, a empresa começou a operar na Indonésia, Filipinas, Taiwan e Índia. O desembarque no Brasil foi anunciado com muita pompa em 2015, mas o lançamento do produto não causou interesse nos aficcionados por tecnologia. Apesar de ser um produto inovador com um belo design e principalmente preço convidativo (R$ 499), a marca não ganhou adeptos no Brasil. Um ano depois, ao que tudo indica, as operações foram encerradas. Por meio do telefone de atendimento do site, a atendente confirma que os aparelhos não estão mais disponíveis em estoque e não há previsão de chegada de uma nova remessa.

Mas o que marca essa queda tão vertiginosa da Xiaomi?

Alguns analistas e sites especializados apontam que o crescimento da marca e sua expansão global foram barrados pela concorrência. O modelo Redmi2, comercializado exclusivamente pelo site, não conseguiu vendas expressivas. Como a adesão foi baixa, eles começaram a apostar no mercado de varejo, mas pelo valor do produto o consumidor brasileiro, sempre desconfiado, preferiu aderir aos aparelhos de marcas conhecidas, como Samsung, Motorola e LG.

Segundo post publicado no Facebook, Hugo Barra vai continuar como conselheiro da empresa, contribuindo na expansão internacional da marca. Ele alegou ainda que o excesso de trabalho afetou sua saúde e, portanto, vai tirar férias para repor as energias. O engenheiro, que estudou na UFMG, anunciou via Twitter que vai assumir a divisão de realidade virtual do Facebook, no Vale do Silício tão logo retorne das férias.

Por que é tão difícil reter talentos?

Em 2010, segundo dados do site do Ministério das Relações Exteriores, meio milhão de brasileiros trabalhavam em outros países e não é apenas no futebol que exportamos talentos. Nas áreas da inovação e tecnologia é comum encontrar brasileiros atuando fora do Brasil. Hugo Barra foi seduzido a deixar o país quando ainda era estudante de engenharia na UFMG. Ele teve a oportunidade de estudar fora e nunca mais voltou.

Mesmo com 7,83 milhões de pessoas matriculadas em universidades no Brasil, segundo o site DataViva, a vontade de exercer a profissão fora é um desejo comum. Pesquisa da Catho aponta que 79% dos candidatos a uma vaga de emprego aceitariam trabalhar em outro país.

O desejo de deixar para trás a família e as raízes está intimamente ligado à falta de infraestrutura dos nossos centros de pesquisa e o tímido investimento do país em laboratórios de pesquisa na área de inovação. Além disso, os salários no exterior, em média, são maiores. Isso sem contar com a qualidade de vida e a bagagem de conhecimento trocada com profissionais de outras partes do mundo.

No entanto, algumas iniciativas buscam reter talentos e promover o desenvolvimento regional. O Seed – Programa de Aceleração de Startups do Governo de Minas Gerais – tem conseguido avançar nesse sentido, incentivando o ecossistema de inovação e proporcionando um ambiente acolhedor. O objetivo é acelerar empresas de outras partes do Brasil e do mundo para que, ao final do programa, possam se instalar em Minas Gerais e gerar novos empregos.

O edital para a quarta rodada do Seed será lançado em breve. Informações sobre o programa podem ser obtidas clicando aqui. Fique ligado!

Artigo publicado originalmente em: www.simi.org.br

 

vidadigital

Jornalista, professor IEC Puc Minas, blogueiro e consultor sobre novas mídias e marketing digital. Mestre em comunicação digital interativa e especialista em produção em mídias digitais.

4 thoughts to “Hugo Barra deixa a Xiaomi e vai liderar divisão VR do Facebook”

  1. certainly like your website however you have to check the spelling on several of your posts. Many of them are rife with spelling problems and I to find it very troublesome to inform the truth nevertheless I will surely come back again. addddkabecebdced

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *