Skip to main content
 -
Jornalista especialista em Produção em Mídias Digitais e mestre em Comunicação Digital Interativa. Professor e coordenador de Pós-graduação no IEC PUC Minas nas áreas de Marketing, Gestão e Vendas. VISITE MEU SITE: www.etcdigital.etc.br Marque uma consultoria pelo whatsapp: 31 998316905. Email: alysson@etcdigital.etc.br

Fnac não conseguiu vislumbrar o futuro

Fnac BH Shopping, pouca interação com os fãs de marcas mundiais 

Recentemente foi divulgado que Fnac vai fechar suas portas no Brasil. A loja no BH Shopping, localizado no piso mais nobre do shopping não conseguiu manter lucro. Ela vende tudo que é possível comprar facilmente pela internet e tinha boa parte do seu espaço disponível para venda de CDs e DVDs, produtos que foram esmagados pelo Streaming.

Frequento a Fnac há pelo menos 15 anos. Sempre que vou a São Paulo dou uma passada por lá. Nos últimos anos venho observando um baixo astral e um desprazer no rosto dos funcionários. A empresa, para mim, sempre foi o lugar da cultura pop, dos letrados, de gente bacana e dos gamers, mas o departamento de CDs e DVDs hoje está jogado às traças, literalmente abandonado com prateleiras quase vazias.

Pela ordem alfabética busquei um CD do pianista Lang Lang e não encontrei, nem tampouco um DVD. Localizei a triste funcionária do setor que consultou o estoque e disse: “Não temos nem DVD nem CD desse artista”. A tela mostrava o estoque zerado. Inconformado, desabafei. ˜O que é facil de baixar de graça na web ou assistir on-line vocês têm aos montes! Agora, um CD menos comum, para quem está disposto a pagar por uma mídia original, vocês não têm.˜ E ela brilhantemente respondeu: “Só temos o que é vendável” e completou: “É o nosso Brasil”. Restou-me apenas dizer adeus e voltar para a rua.

Não vivemos mais na era da escassez. Podemos ter acesso a qualquer música ou filme em qualquer dispositivo, muitas vezes de graça. Alguns poucos gostam de quebrar a regra e fazer a coisa certa, pagar pelo conteúdo. O CD duplo do artista custa US$ 3,99 na Amazon americana. Na Fnac, se existisse, tenho certeza de que não sairia por menos de R$ 50.

Enquanto o marketing luta para manter o negócio, o despreparo de empresas globais parece coisa de amador. Já consultei o CD do artista em várias lojas tanto em São Paulo como em Belo Horizonte e nenhuma empresa pediu meus dados ou marcou essa informação no banco de dados. Será que sabem das consultas infrutíferas que os funcionários estão realizando em seus terminais? Acredito que não.

Enquanto Lang Lang não vem tocar piano aqui em Belo Horizonte, o que parece muito improvável, o jeito é esperar que o artista vá descansar suas obras em algum sebo da Praça da Sé em São Paulo. Lá, sim, tem estoque, variedade, organização e gente disposta a vender. Afinal de contas, esse é o negócio deles, vende-se com abundância a escassez.

MAIS QUE UMA LOJA, AS EMPRESAS PRECISAM PENSAR EM LOCAIS DE CONVÍVIO DOS FÃS

Colecionáveis, cosplays e fãs de marcas como de Harry Potter e StarWars não encontram na Fnac um espaço de encontro e convívio. Não conheci ou não foi bem divulgado encontros, seminários ou coisas do tipo durante os anos que a loja esteve aberta em BH. Lançamento de livros sim, no velho e tradicional modelo com fazem todas as livrarias. No mundo das Narrativas Transmídia o espaço (Worldbuilding) foi pouco explorado e pouco reconhecido pelos fãs que movimentam marcas e geram lucros.

 

 

vidadigital

Jornalista, professor IEC Puc Minas, blogueiro e consultor sobre novas mídias e marketing digital. Mestre em comunicação digital interativa e especialista em produção em mídias digitais.

4 thoughts to “Fnac não conseguiu vislumbrar o futuro”

  1. Prezado Alysson Lisboa, a obra de Lang Lang, e diversos outros artistas não vendáveis, está disponível sim para streaming e download (assinaturas Premium) em diversos serviços, como Spotify e Apple Music…

  2. Putz!Eu tenho vários álbum de cantores que comprei na FNAC!Meu aparelho de celular que gustou 1000 reais de diferença!Com todo repeito so ia no BH Shopping por causa dessa loja!Infelizmente tudo que é bom dura pouco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *