Passaporte de vacinação para a COVID-19

Publicado em Sem categoria
Passaporte de vacinação contra a COVID-19 / Arte: Humberto Martins – Viajando Direito

 

Passaportes sanitários para estimular as viagens internacionais, apesar da pandemia de COVID-19? Há vários países que apostam nesta ideia, especialmente a União Europeia (UE), que apresentou seu projeto nesta quarta-feira (17). A China já lançou sua versão da proposta.

– O que é? –

O passaporte sanitário é um documento que prova que o titular está, em princípio, imunizado contra a COVID-19. Com isso, pode viajar de um país para outro sem risco de transmitir o vírus entre fronteiras

“Um passaporte de vacinação, na realidade, seria um certificado, que teria que ser internacionalmente reconhecido, que valide que aquela pessoa de fato tomou as doses necessárias”, Explica Carolina Moulin, professora do Departamento de Ciências Econômicas da UFMG. “É um pouco o que a gente tem hoje para febre amarela. A gente tem um certificado internacional de vacinação pra febre amarela”, completa.

Os diferentes projetos que estão em desenvolvimento – e que, em geral, consistem em um aplicativo móvel – aceitam, no entanto, outros critérios: por exemplo, um teste que garanta a presença de anticorpos no viajante, se este já tiver tido a doença.

Também é preciso distinguir entre esses passaportes e outro conceito, que alguns chamam de “passe sanitário”. Este último não tem a mesma finalidade, pois seria válido apenas no país de origem. Este “passe” seria usado para poder entrar em alguns estabelecimentos, como restaurantes, ou assistir a concertos.

– Quem está trabalhando nesse projeto? –

Vários países contemplam adotar um passaporte sanitário, e alguns já começaram a utilizá-lo.

Nesta quarta, a UE apresentou seu projeto, o qual espera começar a aplicar neste verão (boreal, inverno no Brasil) para os viajantes em seu território. O documento, que estará dotado de um código QR, certificará que seu titular foi vacinado contra a COVID-19 – por enquanto, com uma das quatro vacinas autorizadas no bloco Moderna, e Johnson & Johnson) -, deu negativo em um teste de PCR, ou está imunizado, após ter sido contaminado pelo vírus.

No início de março, a China anunciou, por sua vez, o lançamento de um “certificado de saúde” digital para os chineses que quiserem viajar para o exterior.

De maneira isolada na Europa, Grécia e Chipre adotaram passaportes desse tipo para viajar para Israel, um país particularmente avançado em sua vacinação, segundo suas autoridades. Os cidadãos vacinados podem viajar entre esses três países sem restrições.

Dinamarca ou Suécia preveem instaurar passaportes sanitários em breve, enquanto outros membros da UE, como França e Alemanha, manifestam reservas quanto à ideia de que se imponham restrições muito severas.

– É um passaporte de verdade? –

Não, nenhum projeto equivalerá a um passaporte verdadeiro, ou seja, um documento obrigatório para viajar de um país para outro.

O documento chinês, por exemplo, é apenas uma das várias opções da população. Além disso, como até o momento não foram firmados acordos com outros países a esse respeito, seu interesse continua sendo vago.

Enquanto isso, a UE trabalha em um certificado que “facilite” a livre-circulação entre seus Estados-membros, mas que não será uma obrigação para cruzar fronteiras

Mais do que um documento oficial, trata-se de um aplicativo destinado a facilitar os controles sanitários nas fronteiras.

Por isso, o setor privado também estuda este tipo de iniciativa, começando pelas companhias aéreas, ansiosas pela retomada a atividade, após sentir o baque das restrições.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), que reúne as principais companhias do setor, também examina há meses a possibilidade de instaurar um passaporte digital para que os viajantes possam provar sua condição de saúde antes de embarcar. Algumas companhias, como a American Airlines, já estão fazendo isso.

– Desafios éticos e científicos –

Sistematizar o uso dos passaportes sanitários e torná-los “mais obrigatórios” coloca alguns problemas éticos e científicos.

Em primeiro lugar, tornar a vacinação obrigatória para se realizar certos deslocamentos daria lugar a desigualdades entre cidadãos, já que o acesso a vacinas anticovid ainda é muito limitado na maioria dos países.

“Já temos dados que mostram que, hoje, está majoritariamente concentrada nos países ricos. Então, uma primeira consequência de um passaporte de vacinação é a criação de ainda mais desigualdade num contexto que a pandemia também afetou de forma desigual”, destaca a professora Carolina Moulin.

Outro ponto é que o acesso desses aplicativos a dados de saúde dos usuários também coloca dúvidas sobre até que ponto não se estaria invadindo a vida privada.

Além disso, tem a questão científica. A infectologista e especialista em saúde pública, Luana Araujo, alerta que a vacinação não é ainda garantia de segurança para livre circulação das pessoas.

“Se naquele país, onde todo mundo foi vacinado bonitinho e o passaporte imunológico funcionou e as pessoas estão circulando, se entra alguém, ou se alguma daquelas pessoas vai a algum lugar que existam essas novas variantes e uma dessas variantes consiga passar a barreira dessa vacina, essa pessoa traz de volta essa variante para aquele local e todo aquele processo de vacinação foi por água abaixo”, explica a médica.

 

Siga o VIAJANDO DIREITO nas redes sociais e fique por dentro dos seus direitos e deveres

Instagram: @DireitoViajando

Facebook.com/ViajandoDireito

Twitter: @ViajandoDireito

 

Fonte: Estado de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *