Ousadia de pichadores não têm limite no centro de Belo Horizonte, impunemente

A ousadia de pichadores não tem limites no centro de Belo Horizonte, repare na foto acima a lateral de um prédio da Rua Espírito Santos quase na esquina com Rua Tupinambás, totalmente depredado pelos pichadores que arriscaram a vida para mandar mensagem de protesto contra a “opressão” da cidade declarando apoio aos camelôs e aos sem teto(?). Qualquer semelhança com anarquia não é mera coincidência, é realidade.

A frase em caixa alta na testada do edifico vem com a seguinte mensagem: “*** A NOSSA LUTA UNIFICOU, É SEM TETO JUNTO COM CAMELÔ E PIXADORES!!!”, ao redor das inscrições que só eles compreendem, chama atenção o número 75 em três frases, e outras mensagens: “A CIDADE É UMA PRISÃO”.  Ao lado escrito vertical: “OCUPAR É RESISTIR”. Seguidos das frases: “NENHUM DIREITO A MENOS” E “FÉ EM DEUS”. As mesmas letras se repetem em todas as “arte”(patacas) explicitando a assinatura dos autores.

Estranho é imaginar que uma pichação na dimensão que aparece na fachada deste  prédio na Rua Espírito Santo não pode ter sido feita em intervalo curto de tempo, ainda que tenha a participação de um grupo de pessoas, ele precisou de estrutura para amarrações dentro do próprio edifício, bem como acesso a ele por várias horas, munidos de latas de tinta, cordas, equipamentos volumosos e suporte. Se feito durante a madrugada, que é o mais provável, levou tempo. Fica a pergunta, será que ninguém viu isso?

 A forma de protesto dos pichadores invadindo propriedades privadas não deixa de ser um recado para autoridades municipais e estaduais, incluindo polícias, Ministério Público, justiça e prefeitura. Eles levam a sério a ousadia, causam prejuízos milionários para o poder público quando picham patrimônio sob tutela do estado, e para pessoas que em tese não são seus alvos, os donos de imóveis vítimas das ações, porém, não recebem corretivo à altura e seguem sendo tratados como coitadinhos.

O problema é que tem gente para defender pichadores, colocando eles na condição de vítimas e não de marginais. Fico pensando, até quando pichador será tratado como “menino birrento” esperando por palmadas, ao invés de serem enquadrados como delinquentes que representam riscos para o conjunto da sociedade, devendo ser presos, punidos severamente com o rigor da Lei, inclusive obrigando suas famílias a arcarem com prejuízos causados por eles? Alguém pode me dizer por que eles não recebem punição adequada?

jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp 31-99953-7945

5 comentários em “Ousadia de pichadores não têm limite no centro de Belo Horizonte, impunemente

  1. Também gostaria de saber porque não recebem punições adequadas estes marginais que sujam a cidade. Amigos Americanos que estiveram em Belo Horizonte ficaram chocados de verem com a cidade é visualmente suja.
    Nem deu para tirar a razão deles. Há muitos anos me mudei de BH mas me lembro de uma cidade mais limpa e educada. Dá para perceber que a administração da esquerda fez um estrago enorme no comportamento das pessoas. Será que não conseguem enxergar a cidade como um bem comum? Será que não entendem o conceito de cidadania? Feio demais. Desagradável para os turistas. A cidade e os cidadãos, todos perdem imensamente.

  2. Eu já fiz uma denuncia,pois eu vi pela janela do meu prédio, chamei à polícia no 190, eles ouviram as correntes e sairam correndo,mas logo depois voltaram ,tornei a ligar mas desta vez , não vieram. Falaram que tem coisas mais importantes do que estás pichações. Agora não denuncio mais. Não adianta e o centro realmente já está abandonado , não só pelas pichações ,tem coisas piores e as autoridades não fazem nada. BH terra sem lei.

  3. Os pichadores devem pagar multas, devem restaurar o que danificaram com os próprios recursos e prestar serviços comunitários ou, como se chama hoje, sócio educativo.
    Se não tiver dinheiro para pagar, vai trabalhar e 90% do salário ficará para pagar o dano.
    Se for demorar a vida inteira, ótimo, assim não terá tempo para fazer M novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *