Sem tetos invadem único manancial de água potável de BH

POR José Aparecido Ribeiro – Jornalista – (OPINIÃO)

Em vídeo gravado a meu pedido na manhã da ultima quarta feira (15), por um amigo que ligou da porta do Leroy Merlin para falar de invasão de área federal por onde passava a linha férrea da MRS Logística, próximo aos motéis na BR 356, revela o inicio de mais uma favela em território do município de BH. Não será essa apenas mais uma invasão de espaço público por sem tetos, mas a mais grave ocupação que a cidade já teve, por razões que pretendo discorrer a seguir.

Embora não seja da alçada da Prefeitura a manutenção do local, que é de responsabilidade do IPHAN, por ser a área também Patrimônio Cultural, a interdição e remoção de invasores, precisa urgentemente ser liderada pelos governos municipal e estadual, pois se trata de uma área de “amortecimento” da Estação Ecológica do Cercadinho e esta anotada na UNESCO como área de preservação ambiental da Serra do Espinhaço. Reserva estratégica que merece atenção permanente pela sua importância.

O assunto passa a ser do Município de BH por que o manancial abastece os bairros Belvedere, Santa Lucia, bem como os hospitais que estão em território de Nova Lima no Vale do Sereno, além dos condomínios da cidade vizinha. A questão é gravíssima, pois afeta o abastecimento de água para consumo humano. Se a ocupação não for estancada com urgência, pode acaba com o ultimo manancial de água dentro do território da capital. Todos os outros mananciais estão fora de BH.

Lembro-me com riqueza de detalhes em reunião no gabinete do então prefeito Célio de Castro em 1997, numa conversa amistosa com ele sobre BH e os problemas metropolitanos, quando questionei sobre as primeiras invasões no Anel Rodoviário, que se deram debaixo do viaduto de acesso ao bairro Universitários, à época. Perguntei ao prefeito o que ele estava pensando para evitar que ocorressem outras, e a resposta veio na ponta da língua: “A invasão do Anel Rodoviário é assunto do DNER, e não da Prefeitura, não quero saber disso, tenho outros assuntos mais importantes para tratar”, afirmou o prefeito.

Passados 30 anos, as 15 famílias que ocupavam o Anel Rodoviários viraram mais de cinco mil ocupações clandestinas, algumas tendo como co-proprietários, políticos graduados que ocupam cadeira no parlamento federal há décadas. Com efeito, ainda está em tempo de barrar aquela ocupação que começa no bairro Belvedere, atrás do Hospital Vila da Serra, e segue rumo ao Olhos D´agua, antes que dez virem dez mil famílias despejando dejetos humanos no único manancial de água potável que a cidade vem preservando.

jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp 31-99953-7945

5 comentários em “Sem tetos invadem único manancial de água potável de BH

  1. Mais um ABSURDO!!!!
    Extinguir mais um manancial? Como assim?? Ainda mais se tratando do único manancial de água potável de BH (informação esta que até então não era do meu conhecimento)…
    Isso é LOUCURA, a quantidade de água existente no planeta para o consumo humano é muito pequena, e a qualidade da mesma já está comprometida.
    É preciso dizer aos irresponsáveis que “administram” a cidade, a importância da preservação dos recursos hídricos?!!!!!!!!!
    Cada dia mais chocada!!!!

  2. Na realidade é um ato criminoso contra o meio-ambiente, nossa cidade e população. Em um caso como esse não pode haver sentimentalismo, ou seja, um sentimento deturpado. Urge sejam tomadas ações pelo poder público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *