Av. Amazonas, a decadência revelando a cara de quem nos governa

POR. José Aparecido Ribeiro

Recentemente escrevi sobre a calamitosa situação do comércio e das edificações da av Pedro II. Em seguida falei sobre o desleixo do poder público municipal com a Av. Cristiano Machado. Hoje vamos falar da feiura e da decadência da Av. Amazonas, outra porta de entrada de Belo Horizonte que provoca tristeza em qualquer cidadão mais atento amante da sua cidade. O abandono do mais importante corredor de trânsito da Zona Oeste da capital começa no Anel Rodoviário e estende-se até a Praça Raul Soares.

A Amazonas é caminho obrigatório para quem chega pela BR 381, do Sul de Minas, Triângulo Mineiro e de São Paulo, bem como daqueles que entram pela BR 040 procedentes das regiões centrais do Estado e até de Brasília. Percebe-se nas fachadas das edificações a cara de quem nos governa, especialmente de uma secretária de governo municipal petista que tem dado ordens para o prefeito e que é a artífice do Plano Diretor, o maior exemplo do atraso e da maldade. Refiro-me a Sra. Maria Caldas, inimiga de BH.

Essa secretária que sempre foi funcionária publica e nunca atuou na iniciativa privada, desconhecendo a lógica do mercado e de um país capitalista, já que é uma comunista assumida, ocupou cargos em todos os níveis dos governos petistas, em Brasília e em São Paulo, tendo sido responsável por ações desastrosas que levaram aquela capital a uma estagnação sem precedentes, no mercado imobiliário. Saiu de lá e veio para cá cometer o mesmo crime, implantar um Plano Diretor que levará a cidade para o buraco, gerando desemprego e empobrecimento. O Plano cria um novo imposto e encarece as construções em até 35%.

Lembro com muita preocupação que há 30 anos o mesmo grupo de xiitas vem ditando os rumos do urbanismo de BH com visão retrógrada, sectária e perversa. O mal que essa gente faz será lembrado por gerações futuras e levará décadas para ser corrigido. A aridez da paisagem da Av. Amazonas se mistura com a decadência de construções do início do século passado, que definham e são ornamentadas pelas patacas promovidas por pichadores inconsequentes que encontram guarita nos mesmo grupo que tomou de assalto a PBH, alojados em várias repartições, incluindo Sudecap, BHTrans e Secretaria de Regulação Urbana.

A legislação restritiva que atende a caprichos de militantes de esquerda, que não querem edificações verticais, acreditando com isso que estão contribuindo com a imobilidade urbana é a razão da penúria da Av. Amazonas. Tudo isso debaixo do bigode do prefeito. A estética da Av. Amazonas revela total falta de compromisso desse bando com a coisa pública. Eles adoram a feiura e vivem disso. Quanto pior e mais pobre a cidade, mais votos, essa é a lógica da quadrilha comandada por Maria Caldas e pelos vereadores que defendem o Plano, estes últimos, autômatos, chantageados pelo prefeito.

A Av. Amazonas também é palco de outro absurdo: Da praça da estação ao anel rodoviário existem 50 sinais de trânsito e 25 detectores de avanços, funcionando em onda vermelha para tirar dinheiro da população, a famigerada indústria da multa oficial que até o Presidente Bolsonaro declarou guerra . Nenhuma obra de mobilidade foi feita na Amazonas nos últimos 45 anos, a última foi o viaduto sob a avenida Silva Lobo em 1980. O tempo parou na Amazonas.

Prefeito Kalil, mais uma vez te convido para tirar a bunda da cadeira, vestir a sandália da humildade e visitar a Av. Amazonas. Lá, tire suas próprias conclusões, e se eu estiver errado, me corrija.

jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp 31-99953-7945

 

5 comentários em “Av. Amazonas, a decadência revelando a cara de quem nos governa

  1. A maior INFELICIDADE de Belo Horizonte, foi ter elegido Patrus Ananias para prefeito.
    Ali, em 1992, foi o começo do fim, o começo da favelização e degradação inconteste desta capital que há muito não tem mais aquele belo horizonte de presente e futuro.

    A cidade definha, mal cuidada, mal cheirosa, mal administrada, mal amada, mal aproveitada, mal investida, mal respeitada, mal valorizada…

    Para um atual governo municipal que literalmente grudou em um slogan “governando para quem precisa”, populista ao extremo, um tanto equivocado, pois não existe a separação de quem precisa dos que não precisam – todos, sem exceção, precisam de governo, estejam na situação que estiverem – seja o cidadão rico, pobre, remediado, branco, negro, amarelo, pardo, homem, mulher, diverso…, o que iremos e devemos esperar? O que se vê no slogan, perpassa a mensagem de que apenas os que tem necessidade serão governados, e apenas as regiões que necessitam é que serão atendidas…
    Ainda sim, aproveitando o mote do slogan da municipalidade, a Avenida Amazonas, Avenida Dom Pedro II, Avenida Cristiano Machado, Avenida Tereza Cristina, Avenida Presidente Antonio Carlos, Avenida Presidente Carlos Luz, Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, Avenida Barão Homem de Melo, Avenida Antônio Abraão Caram, Avenida Silva Lobo, Avenida Nossa Senhora do Carmo, Avenida Raja Gabaglia, Avenida Dom Pedro I, Avenida Presidente Tancredo Neves, Avenida Vereador Cícero Idelfonso, Avenida Silviano Brandão, Avenida Américo Vespúcio, Avenida Baleares, Avenida Prudente de Morais, Avenida do Contorno, Avenida Elísio de Brito, Avenida Francisco Sá, Avenida Bernardo Vasconcelos, Avenida Valdomiro Lobo, Avenida Portugal, Avenida Vilarinho, Avenida Abílio Machado, Avenida Mem de Sá, Avenida dos Andradas, Avenida José Cândido da Silveira, Avenida Santa Terezinha, Avenida Serrana, Avenida Heráclito Mourão de Miranda, Avenida Otacílio Negrão de Lima, Avenida Major Delfino de Paula, Avenida Ivaí, Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, e muitas outras que deixei de citar, mas igualmente importantes “precisam também de governo”, precisa urgentemente de quem as governe.
    Elas são a necessidade de liberdade do ir e vir do indivíduo cidadão.
    Elas expressam o sentimento do cidadão de se deslocar.

    Infelizmente, essa mentalidade que castiga impiedosamente a nossa capital, com uma baixeza sem limites, está longe de acabar…

  2. Prefeito? Que prefeito? Que eu saiba só temos um falastrão incompetente que destrói tudo por onde passa. Com BH não seria diferente.

  3. Concordo em género, numero e grau com todas as suas palavras! Os últimos prefeitos de BH nao fizeram nada para melhorar a cidade e muito mesmo a mobilidade urbana. O visual do centro da cidade esta péssimo e desgastado.E complementando esta sua lógica, vemos uma empresa BRTRANStorno, que alem de nao cuidar do transito, cuja finalidade foi esta, acaba prejudicando em muito o transito desta já caótica cidade. Acredito que já passou da hora da prefeitura dar um fim a esta empresa ou então colocar gente competente no seu comando e acabar com esta bagunça generalizada.

  4. É triste, revoltante ver a cidade abandonada à mercê de uma péssima admiministração.
    A cidade está mal cuidada, às escuras, melancólica. É muito cruel ver Belo Horizonte que já fez jus ao nome, e que já foi considerada a melhor capital do Brasil para se viver, neste estado de calamidade.
    Fico a pensar como uma pessoa, sem as mínimas condições, candidatou-se ao cargo de prefeito. Não consigo encontrar resposta. Talvez a resposta possa ser dada pelos eleitores do atual prefeito….
    Quanto à Bhtrans, por que ela ainda não foi extinta?!!!! Outra pergunta, sem resposta…
    Mais uma vez, bato.palmas à você José Aparecido. Excelente artigo!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *