Apito, acenos e radares não param carretas sem freio na descida da BR 356

Mais uma manhã de caos na Região Centro Sul de BH por causa de uma carreta sem freios que desceu a BR 356 e foi parar debaixo da passarela no início da Av. Nossa Senhora do Carmo, colocando em risco a vida de dezenas de pessoas. A BHTrans não aprendeu ainda que apito, acenos e radares não conseguem parar caminhões desgovernados na descida do Ponteio. Não é o primeiro, o segundo e nem o décimo, tampouco será o último.

O efetivo da BHTrans é visto todos os dias das 7h as 21h, no trevo de acesso ao Belvedere, em frente ao Aglomerado Santa Lucia, de braços cruzados dentro ou fora das viaturas, mas isso não resolve o problema. Se de fato quisessem encerrar o assunto, representantes da Prefeitura (BHTrans) e do DNIT precisam sentar e elaborar um plano simples, que pode ser feito por adolescentes.

É preciso ter vontade, uma dose mínima de responsabilidade e espírito publico, independente da jurisdição da via ser estadual ou federal. A cidade onde o problema acontece, chama-se Belo Horizonte. Se um caminhão propenso a perder os freios passar do BH Shopping no sentido Savassi, nada e nem ninguém segura ele.

Portanto, o que está sendo feito no trevo de acesso ao Belvedere, em frente ao Morro do Papagaio, deve mudar de endereço, e ser feito antes do BH Shopping, de preferência nas imediações do Lerroy Merlin. Assim qualquer carretas que acessar a BR 356, no lugar de descer o Anel Rodoviário poderá ser interceptada por viaturas da BHTrans ou do DER de prontidão.

Se quiserem serviço de primeira, instalem câmeras ao longo da via, interligadas ao COP e coloque a turma para trabalhar. Chego a pensar que os responsáveis não conhecem a região, pois do contrário já teriam agido pró-ativamente sem necessidade de holofotes. Trata-se de uma ação operacional corriqueira que só não é feita por desleixo ou por incompetência.

Fique a vontade para escolher o adjetivo mais apropriado, amigo leitor.

José Aparecido Ribeiro

Jornalista -Consultor em Assuntos Urbanos

DRT 17.076-MG – jaribeirobh@gmail.com – 31-99953-7945

11 comentários em “Apito, acenos e radares não param carretas sem freio na descida da BR 356

  1. Prezado “consultor”, o trecho a que você se refere(antes do BHSHOPPING) é uma rodovia federal (BR 356) ,não tendo portanto jurisdição da BHTRANS.

    • Além de ser Município de Nova Lima.Ainda bem.Graças ao Senhor Bom Deus.Já pensaram se a BHtrans pudesse atuar naquele local também? Não quero nem pensar em tal tragédia.

  2. VERGONHA!!
    Fora BHTRANS! Precisamos de uma equipe coesa, competente, determinada, eficiente, disciplinada, que de fato se responsabilize pelo planejamento do trânsito da capital.
    Nada neste mundo tem mais valor do que uma vida. Diante da omissão e descaso da BHTRANS com as questões do anel rodoviário, óbviu concluir que a segurança da população não é levada em consideração.

  3. Precisamos agir urgentemente independente se é jurisdição Federal ou Estadual, necessitamos sim pensar em alternativas viáveis. Isso se chama ter espírito público ! O planejamento do trânsito da Capital é dê responsabilidade da BHTRANS, omissão não devolve vidas.

  4. É espantoso a dificuldade dessa trupe petista da BHTRANS-TORNADA de enxergar o óbvio. Fica cada dia mais claro que acomodaram e. não conseguem compreender o desejo da população. O Prefeiro não consegue perceber isso?

  5. O prezado, o trecho nao é de responsabilidade da prefeitura,se liga zé, a prefeitura queria assumir o anel rodoviario e o o governo federal nao permitiu, nao é como fritar pastel, seu ,seu “consultor”

  6. A começar pelo jornalista entende-se o porquê das soluções apresentadas, mas vamos lá.
    O local ideal não é o Belvedere, ok! A sugestão é o Leroy Merlin, imagina um policial ou agente de trânsito qualquer na tentativa de identificar quem vai descer em direção a Savassi ou se vai com destino a empresas e Nova Lima, Extra supermercados, BHshopping , se vai descer a Av. Barão Homem de Melo em direção a concessionárias de veículos e outras empresas. Como para e aonde estacionar as centenas de caminhões que descem por dia em direção a BH?
    Imagina a fila enorme de carretas que formaria até identificar e orientar os motoristas?
    E os congestionamentos devido ao afunilamento de pista?
    Convênio resolveria o problema para outro órgão atuar no local. É óbvio.
    Mas e as carretas que saírem de Nova Lima ou da Av. Barão Homem de Melo e utilizarem o trevo para descer em direção a Savassi. Quem iria fiscalizar se a solução é instalar o posto antes do referido trevo do shopping?
    Uma coisa concordo, apito, gestos e sirene não para e nunca irá parar uma carreta sem freios ou qualquer outro veículo.
    Então a culpa tem duas direções o motorista por imperícia e negligência ou a/ o proprietário da carreta que não realizou a devida manutenção. Cabe a perícia apurar.
    Por mais aversão a Bhtrans, negligente não concordo. O local está bem sinalizado e os agentes sempre presentes.
    Toda ideia e bem vinda desde executável e, em épocas de vacas magras, as que gerem despesas terá resistência.

  7. Quando um jornalista se apresenta como especialista em mobilidade é por que apurou os fatos, e a gente é obrigado concordar que embora uma entidade municipal como a BHTRANS – seja proibida de implementar ações ela deve buscar efetivar convenios com orgaos federais se necessário – a instalação câmeras numa rodovia federal, é de responsabilidade do DNIT e a superintendencia do órgão tem se mostrado ativa em MG.
    E isso, realmente até um adolecente consegue perceber, menos a BHTrans que parece acomodada.
    Precisamos deixar essa bravata de competências constitucionais para dar desculpas e nao trabalhar. O assunto é simples de ser resolvido se quiserem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *