VALEU, RAFA. VALEU BRASIL

Publicado em Sem categoria

   Muito legal o desfecho da São Paulo Indy 300, prova que marcou a volta da F-Indy (tá certo, CART ou ChampCar era outra coisa, mas o nome pouco importa) ao Brasil. Nem tanto pelo resultado que, sinceramente, não era o mais importante. André Ribeiro, em 1996, foi o único que teve o privilégio de festejar em casa, no oval de Jacarepaguá. Como na F-1, não dá para ganhar sempre. O importante é saber que teremos uma das principais categorias do planeta aqui pertinho, sem precisar gastar fortunas ou mudar de hemisfério para acompanhar o show.   Ainda que construir uma pista de rua a poucos quilômetros de Interlagos tenha sido uma decisão questionável, é preciso aplaudir a iniciativa. O asfalto estava ondulado? Em pistas norte-americanas provisórias é até pior. A chuva não vai deixar a corrida ocorrer? Choveu sim, e muito, mas até ajudou a dar molho à prova. A Marginal Tietê vai ficar inviável? Não ficou mais do que em qualquer horário de rush. No fim, com a recuperação da reta do Sambódromo, sobraram até elogios para o traçado, que ficou interessante, com uma cara de Long Beach (a pista, bem entendido).   Melhor ainda que o terceiro e o quarto lugares tenham ficado com Vítor Meira e Rafa Matos. O brasiliense estava de volta depois de um acidente nas 500 Milhas de Indianápolis (justamente os dois se tocaram) e mostrou que merece o lugar na Foyt. Já Rafa coroou um fim de semana quase perfeito. Conseguiu ficar longe dos acidentes e sustos, mesmo rodando na qualificação, o que o levou a largar em 12º. Estava na hora certo no lugar certo e premiou a presença de Gil de Ferran na mureta dos boxes. Na apresentação dos pilotos, antes da corrida, ficou sério, tímido até. Mas deu a resposta na pista, mineiramente. Assim, tem tudo para chegar ainda mais longe este ano. Torcida não falta…  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *