Valeu, Mister Mateschitz

Publicado em Sem categoria

Fim de 2004. Em Milton Keynes, Inglaterra, dezenas de especialistas recebem, com alívio e lágrimas, a notícia de que alguém decidiu salvar os empregos de todos e evitar o fechamento de uma equipe que se chamava Jaguar Racing, e passou a ser conhecida como Red Bull. A gigante dos energéticos, fruto de visita do austríaco Dietrich Mateschitz à Tailândia e que em duas décadas ganhou o mundo, já patrocinava a Sauber, mas resolveu ir mais longe, com a mesma agressividade dispensada para ganhar mercados. E assim surgiu um time que começou descontraído, mas foi ganhando em seriedade tão logo se viu liderado por Adrian Newey e Sebastian Vettel. Não satisfeito, o dirigente ainda comprou a Minardi e a rebatizou Toro Rosso (Touro vermelho em italiano).

Pois Mr.Mateschitz resolveu mais uma vez atacar de salvador da pátria, e vai entrar num ramo surpreendente: que a marca que comanda é capaz de organizar eventos bem-sucedidos e diferentes como o Soapbox, o Flugtag, o Erzberg Rodeo Enduro, entre outros, não se discute. Mas desta vez ele resolveu levar as coisas muito a sério. A divisão de comunicações e marketing da Red Bull será confirmada, nos próximos dias, como promotora do Mundial de Rali. A FIA procurava alguém que topasse a parada, muito se especulou, muito se negociou e o martelo estaria praticamente batido. Não é exagero dizer que o futuro de uma das competições mais sensacionais do automobilismo mundial estava em perigo, com risco de saída de montadoras, cancelamento de provas e a perda de um patrimônio de décadas de emoção e velocidade.

Podem saber que ele está entrando neste novo ramo para ganhar dinheiro e esbanjar profissionalismo. E o fato de a Red Bull ter ótimo relacionamento com a VW, que estreará ano que vem, não será mero acaso. Pena é saber que, apesar dos esforços brasileiros para receber uma etapa deste circo, o país, por enquanto, não terá sua chance. Ano que vem a África do Sul será avaliada para ter uma chance em 2014. WRC por aqui, não antes de 2015, infelizmente. O jeito é continuar acompanhando de longe. Valeu, Mr.Mateschitz…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *