SÓ O PRIMEIRO NÃO CHORA

Publicado em Sem categoria

Então a F-1 percorreu seus últimos quilômetros em 2010 e só volta à pista daqui a mais de dois meses, com a primeira das quatro sessões preparatórias para a próxima temporada. Velocidade, por enquanto, só nos computadores dos projetistas e numa certa fábrica na cidade turca de Izmit, onde serão produzidos os cerca de 50 mil pneus que a Pirelli pretende ter prontos para sua volta à categoria – lá está concentrada a fabricação de todos os pneus de competição da fabricante milanesa, como não me deixa mentir um jogo que equipou o valente Palio 16V com que este que vos escreve tenta se transformar em piloto de rali.

Mas, é da principal categoria do automobilismo mundial que estava falando. Assim sendo, voltemos a ela. Chega a ser engraçado o discurso de alguns pilotos, decepcionados com o que encontraram nos dois primeiros dias de testes, em Abu Dhabi. Como se fosse possível, de cara, apresentar desempenho semelhante ao da fabricante (Bridgestone) que lima o asfalto dos autódromos pelo mundo há 13 anos. Tudo bem, estamos falando de colossos industriais, mas nenhuma experiência, simulação ou aprendizado em outras categorias substitui “the real thing”, o desafio tal qual é. E os engenheiros da Pirelli fizeram questão de deixar claro que ouviriam atentamente as observações das estrelas do circo para aprimorar seu produto. Que ainda vai ser testado no Toyota TF109 “alugado” pela marca para treinos privados, e certamente será bem diferente quando fevereiro chegar.

Depois de algumas voltas, o alemão Nico Rosberg, que sofre com o comportamento dos pneus dianteiros na Mercedes, assim como Michael Schumacher, saiu atirando. “Se eles querem que seja assim e será igual para todo mundo, então tá. Mas a degradação é muito maior e, pelo menos no nosso carro, o comportamento é ainda pior”. No oposto extremo, Felipe Massa, que vê nos Pirelli a tábua de salvação para voltar a ser o velho Felipe, não reclamou nem um pouco, ao descer da Ferrari como mais rápido da sexta-feira. O que me faz lembrar uma máxima do automobilismo, tão bem usada pelo mestre Lito Cavalcanti. “Em qualquer categoria do automobilismo é assim: só tem um piloto que não reclama de nada e está satisfeito com tudo: o que está em primeiro…” Falou e disse…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *