DIFÍCIL NÃO GOSTAR…

Publicado em Sem categoria

Tudo bem, eu sou superhiperultramega suspeito para falar, mas é difícil não se apaixonar pelo rali e acompanhar a modalidade com atenção. Fosse apenas pelo que os caras fazem muitas vezes passando dos 200km/h sem dó, desafiando as leis da física com um controle fora de série já seria motivo suficiente. O que dizer então de algumas das histórias que marcaram a primeira etapa do Mundial, na Suécia?

Em que outra modalidade, depois de dois terços de prova (as etapas de sexta e sábado), os cinco primeiros colocados estão separados por reles 15s8? E no fim de mais de 300 quilômetros cronometrados em meio a muita neve, apenas 6s5 separaram os vencedores, Mikko Hirvonen/Jarmo Lehtinen, dos segundos, Mads Ostberg e Jonas Andersson.

E onde mais um piloto da casa conseguiria participar com um carro de ponta graças, além dos patrocinadores habituais, a uma vaquinha feita por amigos, fãs e empresários de sua cidade? Pois foi justamente o caso de P.G. (ou Per-Gunnar) Andersson. Que ainda sentiu o gostinho de liderar o rali com o Fiesta WRC, capotou, se recuperou e terminou em sétimo, logo à frente de um Kimi Raikkonen que só não fez melhor por conta do tempo perdido com problemas nos pneus.

Michelin/Best of rally live/divulgação

Sem contar a quase folclórica história envolvendo o campeão mundial de 2003, Petter Solberg, depois do penúltimo trecho cronometrado. Além de fazer o habitual, as polícias dos países por onde a competição passa costumam deixar uns radares extras nos trechos de deslocamento, e dizem as leis suecas que, caso um motorista seja flagrado dirigindo 30km/h além do limite (ou mais, claro…), ele perde a carteira por dois dias. Sempre se pode dar um jeitinho, estamos falando de uma competição internacional, e tudo o mais, mas Solberg preferiu não arriscar. Botou o navegador Chris Patterson para acelerar no último estágio e sentou no banco da direita. O irlandês foi o último entre os 34 sobreviventes, mas, o que é mais importante, levou o carro intacto e salvou a quinta posição da dupla, com o detalhe de que ele (Patterson) levou o carro à rampa de chegada (tá aí a foto). Fala a verdade, é dificil encontrar tantos detalhes interessantes em qualquer outra categoria. Dificil não gostar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *