Skip to main content
 -
Sou jornalista e meu gosto por aventuras já me levou a lugares extremos! Com vontade e estratégia superei desafios artificiais e selvagens que se interpunham às histórias que buscava, acumulando experiência e técnicas. No Rotas do Explorador mostro expedições e dicas outdoor.

Novo Cangaço como em Uberaba – Acompanhei o grupo especial da polícia contra esses crimes

Policiais do GTR realizam blitz na MG-050, em Divinópolis (Foto: Mateus Parreiras)

Enquanto muitas pessoas viajavam na quarta-feira, véspera de feriado, segui com a equipe de reportagem para ver de perto a atuação do Grupo Tático Rodoviário (GTR) da Polícia Militar de Minas Gerais, mais um esforço para combater uma série de crimes, mas, sobretudo, uma resposta interessante contra o Novo Cangaço (aqueles crimes de bandidos fortemente armados no interior que explodem caixas eletrônicos e subjugam cidades pequenas e em outras como Uberaba). Cercos, perseguições e morte em tiroteios de grupos armados com armas de guerra trazem morte a civis e aos combatentes.

Assista aqui ao vídeo desta reportagem acompanhando uma blitz desse grupo e comentando!

O grupo é muito interessante e me fez lembrar as volantes que combatiam os cangaceiros, aqueles grupos de criminosos que se diziam justiceiros, aos moldes de Lampião e seu bando. O grupo que acompanhei patrulhou a MG-050, em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas Gerais. Leia à reportagem clicando aqui! 

São policiais fortemente armados, capazes de fechar um cerco e conter os bandidos que também utilizam armamentos de guerra. Além disso, por serem muito móveis e de rápida mobilização, podem dar o primeiro combate e segurar os marginais até a chegada das unidades de área e a saturação do teatro de enfrentamento.

As unidades contam com comboios muito móveis, bem armados e rápidos (Fotos: Mateus Parreiras)

As unidades, que ficam espalhadas por Minas Gerais, também são extremamente eficientes em operações nos grandes corredores e fazem, até mesmo, um serviço de blitz nas estradas vicinais que muitos traficantes de drogas utilizam para escapar das rotas mais óbvias. Nas blitzes, podem agir em comboios ou se espalhar.

Nesse trabalho, no interior, que também tem sido realizado pela Polícia Militar de Meio Ambiente, as rotas de tráfico por estradas de terra, procura de esconderijos para quadrilhas e outras atividades criminosas passaram a ser ainda mais cercadas pelas autoridades, um uso de estratégia, sobretudo. 

4 thoughts to “Novo Cangaço como em Uberaba – Acompanhei o grupo especial da polícia contra esses crimes”

  1. Matéria vaga. Título equivocado. Na época do cangaço, existiam condições sociais que fizeram muitas pessoas cometerem diversos tipos de atitudes. Comparar o cangaço a meros bandidos, é simplório e supérfluo. Vale lembrar que cada pessoa possuía uma história, que as sobreviventes e sobreviventes do cangaço se entregaram e não prosseguiram na vida do crime. Cada época com seus fenômenos. Generalizar ou ficar em uma visão maniqueísta sobre o fenómeno do cangaço é mais fácil, não é? Como jornalista, deveria ler mais e saber mais sobre as faces/verdades/facetas/versatilidade a da História. Não existe apenas uma visão ou um lado. Ai, ai

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *