Skip to main content
 -
Sou jornalista e meu gosto por aventuras já me levou a lugares extremos! Com vontade e estratégia superei desafios artificiais e selvagens que se interpunham às histórias que buscava, acumulando experiência e técnicas. No Rotas do Explorador mostro expedições e dicas outdoor.

Sobrevivência! Basta seguir um curso de água para se salvar?

Córregos como este acabam não levando diretamente à civilização, mas a obstáculos como uma cachoeira (Foto Mateus Parreiras)

Uma das grandes possibilidades da sobrevivência e que é tida como verdade absoluta, mas que deve ser tratada com extrema cautela é a máxima de que se você encontra um curso de água correndo para algum lado, provavelmente este vai te levar até a civilização. Isso já ajudou muitas pessoas a se salvarem, mas relato aqui dois casos de pessoas que se deram mal, um delas acabou morta.

Assista ao vídeo que fiz sobre o assunto no meu canal do YouTube, o Missão Carcará, e se inscreva se curtir para receber vídeos novos gratuitamente assim que eu postar!

Há diversos fatores que precisam ser observados por quem se encontra numa genuína situação de sobrevivência. São aspectos que podem preservar a sua vida e um deles é: eu preciso procurar por socorro? Estou num local onde ninguém sabe e sem provisões, ou posso esperar pois minha mochila está cheia. Estou ferido?

Tentar se aventurar uma vez que se está desnorteado pode ser um agravante para a sua situação e não será seguir cursos d’água que vai te salvar. O francês Eric Gilbert, por exemplo, se perdeu no Pico dos Marins, entre MG e SP, e acabou morto por hipotermia depois de seguir por horas, ravina abaixo, no curso de um córrego que nascia nas montanhas e que mais alguns quilômetros à frente desembocaria numa fazenda.

Um outro grupo de rapazes do Rio de Janeiro se perdeu na Serra da Mina e seguiu por um rio para ver se encontravam a civilização, tendo o bom senso, depois de algum tempo, de desistir e procurar por pontos de contato para o telefone celular. Se caminhassem mais, chegariam a abismos intransponíveis. Numa situação de stress como essa, já vi caboclo tão no afã de se salvar que queria descer pelas rochas da cachoeira v- o que seria impossível sem cordas.

Nem sempre seguir um curso de água vai salvar a vida de uma pessoa perdida (Foto: Mateus Parreiras)

Os próprios cursos que encontramos podem não ser  confiáveis. Podem ser criações apenas da época das chuvas e que não levam a lugar nenhum, ou que são engolidos por desertos, mangues e sumidouros, sem levar a uma civilização. Ou podem desembocar em locais para os quais você pode não estar preparado, como cachoeiras, cânions e despenhadeiros.

Quando você tem uma mínima noção, por conhecimento, informação alheia ou noção visual, seguir um curso d’água pode realmente te levar a um corpo hídrico maior e a um manancial que abastece uma civilização. Mas faça isso com prudência, avalie os riscos e não aposte todas as suas fichas numa só tacada!

2 comentários em “Sobrevivência! Basta seguir um curso de água para se salvar?

  1. Em pleno século XXI, se perder é vacilo… tanta informação e tecnologia disponível. Dá pra planejar a rota a ser seguida (e mais algumas possíveis alternativas), jogar até num Google Maps do celular e seguir a partir de pontos de referência, ou usando o GPS. Até para fazer um passeio por cidades eu planejo e salvo as rotas e pontos, para ter certeza de que estou seguindo o caminho mais eficiente. O negócio é: estudar a área, planejar, ter redundâncias e planos alternativos, e seguir o planejado. Qualquer coisa além disso é contar com a sorte…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *