Skip to main content
 -
Sou jornalista e meu gosto por aventuras já me levou a lugares extremos! Com vontade e estratégia superei desafios artificiais e selvagens que se interpunham às histórias que buscava, acumulando experiência e técnicas. No Rotas do Explorador mostro expedições e dicas outdoor.

Hipotermia mata Francês a 600m da civilização. A importância da preparação

Corpo do francês é levado ao IML de helicóptero depois de ter sido localizado neste sábado (05) (Foto: Divulgação/Bombeiros MG)

Mesmo quando a probabilidade está completamente contra, a gente se pega torcendo para que uma pessoa consiga se superar e sobreviver a um desafio mortal. Talvez por isso a notícia de que o atleta francês de maratona em altitude Gilbert Eric Welterlín, de 54 anos, tenha sido tão desalentadora para mim. No âmago, ainda torcia para que conseguisse e depois levasse vários puxões de orelha, mas estaria vivo e bem. E ele quase conseguiu. Ficou a 300 metros de deixar a mata e a 600 metros da primeira casa de fazenda mais próxima.

Assista à entrevista que fiz com o comandante dos bombeiros que encontraram o francês neste vídeo abaixo do meu canal do YouTube, o Missão Carcará – se curtir se inscreva gratuitamente para receber vídeos novos sempre que eu postar!

Mas, não foi o que aconteceu. Neste sábado, dia 5 de maio de 2018, por volta das 11h50, bombeiros paulistas o encontraram numa área de mata fechada e de difícil acesso em Piquete (SP). Seu corpo, já em decomposição, estava próximo a uma córrego, na área de uma cachoeira. As primeiras informações dão conta de que Eric morreu de hipotermia. O local fica a uma altitude de 1.123 metros, enquanto o pico, que é a 26ª mais alta montanha brasileira, se eleva a 2.420 metros.

Mapa com o local onde o corpo do francês foi encontrado e a localização do Pico dos Marins

A hipotermia ocorre quando a temperatura externa do nosso corpo despenca abaixo de 36ºC  e com isso as enzimas responsáveis pelas nossas funções vitais simplesmente não conseguem realizar suas funções químicas, como metabolismo e absorção de oxigênio. E, como disse na semana passada num texto aqui do blog (clique aqui para ler!), Eric estava despreparado.

Mais de 100 homens chegaram a realizar buscas na divisa entre MG e SP (Foto: Divulgação/Bombeiros MG)

O francês que acumulava experiência em montanhas pelo mundo foi treinar no Pico dos Marins, a 26ª mais alta montanha do Brasil, com 2.420 metros de altitude, apenas com um agasalho impermeável, um cobertor aluminizado e uma head lamp (lanterna de cabeça). O tempo era chuvoso, a visibilidade baixíssima e o Pico dos Marins é escolhido para treino de atletas justamente pelo seu elevado grau de dificuldade. Pelo menos cinco vezes por ano os bombeiros de São Paulo precisam ajudar pessoas perdidas ali.

E continuo afirmando que o francês estava mal preparado. Só quem já dormiu enrolado num cobertor aluminizado sabe que dependendo dos ventos e da umidade você passa frio do mesmo jeito. Sem falar que aquele material fino rasga com facilidade e depois não presta para mais nada.

Assista à minha playlist sobre cursos de sobrevivência clicando no link abaixo!

O local onde o atleta estava era completamente afastado de qualquer trilha e estava na porção sul do Pico dos Marins. O fato de Eric ter sido encontrado perto de um riacho demonstra que ele pode ter tentado seguir as diretrizes de sobrevivência que nos orientam a seguir cursos d’água para encontrar lugares habitados. mas a hipotermia parece o ter vitimado antes.

Apesar da morte, o trabalho dos socorristas também é o de resgatar o corpo para que os familiares tenham um desfecho (Foto: Divulgação/ Bombeiros MG)

Apesar de um aparato grandioso, com helicópteros do Exército, dos bombeiros e policiais mineiros e paulistas, cães farejadores e mais de 100 pessoas, quem encontrou o corpo foi um fazendeiro que tocava gado pelos pastos e sentiu um odor terrivelmente forte. Os bombeiros de São paulo foram então acionados e preservaram a cena para que a perícia da Polícia Civil fosse feita, transportando depois os restos mortais do montanhista para uma área aberta onde um helicóptero faria o transporte para o Instituto Médico Legal.

Um desfecho triste, mas que, espera-se, sirva de lição para quem é experiente nunca baixar a guarda e menosprezando os equipamentos, bem como para que os amadores sigam a risca todos os procedimentos, jamais se aventurando em menos de três pessoas, com equipamentos de GPS, mapas, guias, comunicadores e tudo o que puderem levar de equipamentos para suas aventuras.

10 comentários em “Hipotermia mata Francês a 600m da civilização. A importância da preparação

  1. É muita despesa para o Estado, ter de ficar socorrendo pessoas que ficam brincando de subir montanhas e outros ‘esportes’……….não pagamos impostos para algumas pessoas se divertirem!

    1. Por outro lado, os impostos também não deveriam ser empregados para socorrer sedentários com ataques cardíacos nem bêbados ao volante.

  2. Eu estava no Pico do Marins nesse dia. Fico feliz porque a Família(apesar da dor) poderá ter seu Luto pois acredito que seja pior não saber o que aconteceu. Mas não consigo aceitar porque raios foi treinar sozinho totalmente despreparados (equipamentos) num lugar tão inóspito. Inacreditável. Ao nosso amigo Mário ai em cima q diz que não deve gastar o dinheiro dos impostos que ele paga tentando salvar Vidas saiba q o Governo gasta muito mais se divertindo nas suas custas. Cala boca um pouquinho e vai fazer uma caminhada!!!

    1. Pois então, os Bombeiros de MG informaram que a mulher disse que ele tinha a manta, os Bombeiros de SP não a encontraram, pode tê-la perdido ou rasgado, realmente não sei… valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *