Skip to main content
 -
Sou jornalista e meu gosto por aventuras já me levou a lugares extremos! Com vontade e estratégia superei desafios artificiais e selvagens que se interpunham às histórias que buscava, acumulando experiência e técnicas. No Rotas do Explorador mostro expedições e dicas outdoor.

Quer ajudar alguém perdido? Saiba como não acabar sendo vítima!

Bombeiros e voluntários encararam uma mata de 505 mil m2 para encontrar Miguel (Foto: Marcos Vieira/EM/D.A.Press)

Pelo menos umas 40 pessoas se sensibilizaram com o desaparecimento do pequeno miguel de Jesus, de 2 anos, que estava num retiro espiritual com os pais na mata do jardim Industrial, em Betim, na Grande BH e simplesmente sumiu. O momento desse desaparecimento foi um desleixo de apenas 10 minutos, quando o seu pai foi buscar lenha e deixou o caçula sob a guarda do mais velho, de 7 anos. Não precisa nem dizer que foi uma grande cagada!

O garotinho foi encontrado, desidratado e faminto, com várias picadas de insetos, num local onde várias pessoas estiveram, inclusive muito perto de onde passei com o fotógrafo Marcos Vieira, sem ouvir nenhum choro nem ver nada. Essa pulga ainda está atrás da minha orelha e dos bombeiros e voluntários que por lá passaram várias vezes também. Mas não é esse o motivo de escrever esse texto de hoje. Gostaria de dar uma pequena orientação às nobres pessoas que atenderam à sua virtude de compaixão ao próximo e se lançaram em buscas a Miguel.

Momento em que o garoto Miguel foi devolvido à sua mãe, Elisângela, depois de 30 horas perdido (Foto: Reprodução)

Há várias instituições que recomendam como se proceder como voluntário. E notei isso depois de me aventurar na mata junto com pessoas com uma motivação inteiramente altruísta, mas nenhum preparo técnico ou equipamentos mínimos necessários. Tinha gente só com um facão e chinelo de dedo. Veja vídeo que fiz sobre as buscas no meu canal do YouTube, o Missão Carcará (se inscreva se curtir clicando aqui!):

Uma das fontes de informações que considero mais relevantes é a Missing Persons Guide, uma organização da Austrália, país que por ter um grande deserto no centro, o chamado Outback, e também muitas ilhas e florestas infestadas de cobras e crocodilos, tem uma grande tradição na busca por pessoas perdidas. Seguem dicas deles, adaptadas e incrementadas com a minha experiência:

Organizando um grupo de busca

  • Peça permissão ao dono do terreno ou ao ente público para vasculhar suas terras
  • Contate as forças de resgate e segurança para não atrapalhar o trabalho deles e nem destruir evidências que podem ser de um crime
  • Anote os nomes e os contatos de todos os voluntários antes que saiam em busca para conferência de tempos em tempos. Não se recomenda que menores participem desse esforço de busca, mas podem ajudar na retaguarda
  • Arme pequenos grupos que possam cobrir toda a área de buscas, lembrando para não interferir no ambiente para não destruir indícios de crimes
  • Tenha um mapa e separe as áreas a serem vasculhadas
  • Uma das pessoas deve ser designada como a navegadora e o mapa fica com essa pessoa
  • É importante fazer a busca em grupos, pois caso alguém decida desviar para seguir uma pista ou porque se cansou, aquela área não ficvará descoberta
  • Avance lentamente e observe atentamente as redondezas
  • É desejável que os grupos avancem lado a lado, numa distância de um braço e no mesmo ritmo de caminhada
  • Tenha bandeiras, fitas ou marcações para indicar elementos suspeitos que tenha encontrado
  • Fotografe esses elementos suspeitos, pois isso pode auxiliar a polícia
  • Não se exponha, não se esqueça de obstáculos como barrancos, árvores e raízes enquanto procura por pistas
  • Fique atento para animais selvagens e plantas perigosas
  • Utilize bastões ou cajados para sentir obstáculos e pistas que podem estar camufladas sob o mato mais alto
  • Tenha um kit de sobrevivência e um de primeiros socorros (o ideal é que cada um tenha o seu)
  • Essa é uma tarefa para se fazer de botas e perneiras para evitar picadas de cobras
  • Sempre vá de calças e camisas de mangas compridas para se proteger da vegetação, dos insetos, do sol etc
  • Chapéus e coberturas para o pescoço como shemags são recomendados
  • Tenha consigo repelentes, protetores solares e apitos
  • Leve água e lanche suficientes
  • Sempre avise alguém sobre onde está indo, qual o motivo, com quem está e quando volta para que você não se torne um desaparecido que não volta mais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *