O futuro dos Estaduais

Publicado em Sem categoria

Já fui muito contra os Campeonatos Estaduais. Sempre achei que eles não acrescentam nada ao futebol brasileiro, nem mesmo aos clubes do interior. Se acrescentassem, os menores não estariam em situação financeira tão ruim, como é a realidade da maioria. As próprias torcidas não parecessem tão interessadas assim, com uma ou outra exceção – a do Cruzeiro é uma delas.

Ultimamente, porém, tenho tentado ser menos radical. Talvez os Estaduais possam continuar a existir, até porque a TV continua pagando bem aos grandes clubes por eles. Só não precisam se do tamanho atual nem com fórmulas pouco inteligentes. Classificar oito em uma competição com 12 clubes é uma insanidade, como no caso do Campeonato Mineiro.

Eles poderiam começar em setembro, por exemplo, com os clubes que não estão em nenhuma série do Campeonato Brasileiro. Talvez os quatro, cinco, seis melhores dessa fase avançariam para enfrentar os de maior torcida, respeitando-se as características de cada um. Aí, poderia ser um rápido mata-mata, ou quadrangulares, com os melhores fazendo a final.

Assim, daria chance aos clubes do interior, ao mesmo tempo que serviria de pré-temporada para os mais tradicionais. Essa fase final começaria, por exemplo, em 15 de fevereiro e terminaria no fim de março, no máximo início de abril, ocupando oito datas.

Assim, haveria espaço para um Brasileiro mais tranquilo, sem jogos durante datas Fifa. O que acham?

2 comentários para “O futuro dos Estaduais

  1. Paulo,gostei muito da sua sugestão,gostaria de ver la em prática.Todos nós temos nossas duvidas quanto aos estaduais,sua quase inutilidade nos leva a querer seu fim,mas ao mesmo tempo,no fundo nós queremos que eles continuem pela tradição e romantismo.Realmente algo tem que ser feito para reviver os estaduais.como você disse a diferença está sendo somente o Cruzeiro,talvez no pais inteiro.Isso porque nós temos uma nova diretoria muito competente,liderada pelo admirável Dr. Wagner de Sá,que sabe como interagir com a torcida.

  2. Futebol brasileiro não se resume a apenas os times grandes. Você tem 12 times grandes, uns 20 médios e mais 300 times de menor expressão, que precisam ter calendário. Isso deve ser olhado antes de falar que campeonatos estaduais são inúteis.
    Na minha opinião, as federações estaduais deveriam buscar patrocínios para, pelo menos, bancar as viagens, hospedagem e as taxas de arbitragem que os clubes têm que pagar, fazendo com que o dinheiro do clube seja utilizado apenas para montar time.
    Com isso, seria possível ter fase de Campeonato Estadual com equipes de menor expressão no segundo semestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *