Skip to main content
 -
Roberta D'Albuquerque é psicanalista, escreve semanalmente neste espaço e em diversos jornais do Brasil, Estados Unidos e Canadá sobre psicanálise e comportamento, é autora de Quem manda aqui sou eu - Verdades inconfessáveis sobre a maternidade.

Quantas vezes você reprogramou o despertador hoje cedo? E o que isso diz sobre você

6h, 6h05, 6h10, 6h15, 6h20, 6h25. Ainda que o objetivo seja levantar às 6h30, não é incomum ver a programação do despertador anteceder o horário previsto. Acordar para saber que ainda se pode dormir mais um pouquinho. Menos raro ainda são os novos números que surgem acompanhados de um milhão de “Se abrir mão da minha caminhada dá tempo”, “Só se eu não lavar o cabelo”, “E se eu não tomar café”… De 5 em 5 minutos um sono ruim, cortado que obedece a todo tipo de rodeio. Já às 7 da manhã, está dada a certeza de que boicotar-se é mais fácil do que parece.

O despertador se presta a ótimas metáforas. Aqui estão ilustradas as minhas favoritas:
1. “Ainda bem que falta meia hora” = A delícia de saber que se pode mais
Loucura. O deleite de um segundo. O que nos faz optar pelo prazer mínimo em detrimento da manutenção do grande prazer (do sono)? Contentar-se com pequenos sopros de 5 minutos, e levar para casa 5 decepções do toque do telefone. É a cultura do agrado. “Estou me agradando, para isso sei que sofro, mas é que é tão bonzinho…”. Sei…

2. “Só mais um pouquinho” = Abrir mão do que se quer (fácil e rapidamente)
Loucura. Dá até pra confundir com flexibilidade, mas tem certeza de que se trata disso? Um bom jeito de testar é trocar o compromisso estabelecido com você por um compromisso com uma outra pessoa. É uma reunião no trabalho, você vai faltar para acordar meia horinha depois? Se sim, flexibilidade. Se parece mais difícil do que faltar às reuniões com a sua caminhada, seu cabelo ou seu café da manhã… Sei…

Para as duas, tenho também duas perguntas:
1. Estamos nos dando o tempo de que precisamos? Estamos esperando nosso tempo de estar prontos? De quantas horas de sono você precisa? 6, 7, 8 horas? Pois durma 6, 7, 8 horas. É isso, sem mistério. Deite mais cedo, se organize. E leve essa reflexão para outros lugares da vida também. Há o tempo de um aprender um fazer, de mergulhar em um relacionamento, de melhorar de um mal estar, de curar uma doença, de fazer uma refeição, de viver um dissabor, um luto, um amor. De quanto tempo você precisa? Pois se dê esse tempo. Ponto.

2. Estamos olhando – de verdade – para o nosso desejo? Quais são os planos para às 7h de hoje? E para amanhã, semana que vem, mês que vem e depois? Que tal trocar o que eu queria querer pelo que eu quero de verdade? Pelo que me faz sair da cama de verdade? Que tal?

Tudo isso dito por alguém que esqueceu de carregar o celular e saiu de casa sem caminhada e sem café. O cabelo eu lavei, juro! Boa semana queridos e vamos despertar!

A imagem que ilustra este texto é de Joseph Carrozzo

It's only fair to share...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on Google+
Google+

2 comentários em “Quantas vezes você reprogramou o despertador hoje cedo? E o que isso diz sobre você

  1. Oi Roberta, gostei do seu texto e ainda mais porque a carapuça me serviu. Realmente, é impressionante a capacidade que temos de complicar o viver. Concordo, são ações corriqueiras e extremamente simples, exemplo e como você disse se preciso de dormir 6, 7 ou horas é só dormir 6, 7 ou 8 horas, ponto, simples assim. Hoje inventamos tantas coisas que “precisamos fazer e ter” e esquecemos que é preciso viver, simplesmente viver… Loucura! Talvez estejamos em uma loucura coletiva e, a não ser que encontremos o nosso Neo interior (trilogia Matrix) para nos tirar dessa loucura coletiva, vou manter meu comportamento de hoje. Ah, um pouco diferente, pois agora estou ciente que sou louco.

    1. Oi Cláudio, obrigada por ler e comentar. Sim, é preciso viver! Eu, você e Neo. Todos loucos! Melhor assim, né? Boa semana pra ti!

Leave a Reply

Your email address will not be published.