Esperança para quem sofre com câncer de próstata

Publicado em cancer, câncer, radioterapia, radioterapia, saúde
Novembro Azul / Divulgação
Mês dedicado ao câncer de próstata / Divulgação

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás somente do câncer de pele. Por se tratar de uma doença que acomete principalmente homens na terceira idade, os exames preventivos são fundamentais para aumentar a chance de diagnóstico precoce e de cura. Sendo assim, o hipofracionamento, técnica que reduz a quantidade de sessões de radioterapia, é esperança para quem sofre com câncer de próstata. Isso porque é feita por equipamento que tem precisão submilimétrica, permitindo doses maiores de radiação e, com isso, reduz o tempo do tratamento.

Apesar da esperança com o tratamento, o INCA –  Instituto Nacional do Câncer aponta dados preocupantes. A estimativa mais recente é de 65.840 novos casos em 2020, o que corresponde a 29,2% dos tumores nos homens. E a taxa de mortalidade é 15.983 casos no mesmo período.

“O ideal é que o homem comece o acompanhamento médico a partir dos 40 anos com um urologista. O principal exame para diagnóstico é o toque retal, que ainda é visto com muito preconceito, mas é um procedimento simples, feito em consultório e sem efeitos colaterais”, explica Miguel Torres, médico radio-oncologista e presidente do Instituto de Radioterapia São Francisco. Outro exame muito comum é o Antígeno Prostático Específico (PSA), feito pela análise sanguínea. Ele pode indicar alterações na próstata.

Tratamento mais curto

Como exemplo de esperança para quem sobre com câncer de próstata, o hipofracionamento é uma técnica de radioterapia que emite doses mais altas de radiação sem aumentar o risco para o paciente. De acordo com Miguel Torres, a técnica tem sido a mais indicada por reduzir o tratamento de semanas para dias

Para isso, o equipamento inglês Synergy, da Elektra, possui um sistema de imagem integrado que permite localizar a área de irradiação com precisão submilimétrica, protegendo os tecidos sadios e com efeitos colaterais iguais aos do tratamento tradicional. Assim, o paciente fica submetido à radioterapia por menos tempo. “O hipofracionamento precisa ser usado em certas condições e quando for possível, para não colocar o paciente em risco. Ele deve sim ser adotado, mas somente após a avaliação da doença e da saúde do paciente”, comenta o médico.

Morte de ator de “Friends”

Neste ano, a morte de James Michael Tyler, um dos atores de “Friends”, com apenas 59 anos, chama atenção para a importância da prevenção. No dia 24 de outubro, a doença vitimou o ator norte-americano James Michael Tyler aos 59 anos. Ele ficou famoso ao interpretar Gunther, dono do cafeteria “Central Perks”, e era considerado o sétimo amigo no seriado “Friends”, de grande sucesso entre os anos 90 e 2000.

Já em estágio avançado da doença, o ator participou, pela internet, do episódio de reunião do elenco principal do seriado, em maio deste ano.

Com isso, a morte gera um alerta. “A morte do ator de apenas 59 anos nos mostra a importância do acompanhamento médico para identificar a doença em suas primeiras manifestações. Infelizmente, ele descobriu a doença em um estágio que dificulta os resultados dos tratamentos e diminui as chances de cura. Por isso, é tão importante começar o acompanhamento médico mais cedo”, completa o radio-oncologista.

Sobre o IRSF

Há mais de 40 anos curando pessoas e contribuindo para o bem estar, o Instituto de Radioterapia São Francisco é reconhecido pela inovação e pioneirismo em radio-oncologia e radioterapia. Seu corpo clínico é composto por médicos especialistas em radio-oncologia com grande experiência e, constantemente incorpora novos médicos que trazem a inovação. Tem como missão levar excelência técnica em radioterapia e tratamento humano para todos e faz isso oferecendo acessibilidade. Realiza tratamentos convencionais, com conformação tridimensional, IMRT – irradiação com intensidade modulada e braquiterapia. Foi um dos primeiros em Belo Horizonte a usar diversas técnicas, tais como o hipofracionamento em câncer de mama. É certificado pelo Ministério da Saúde em excelência em controle de qualidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *