Você conhece a Síndrome de Burnout?

Gustavo Lembi Magalhães, psiquiatra do Sesc Centro de Excelência em Saúde.

A Síndrome de Burnout é um estado físico, mental e emocional de exaustão extrema, resultado do acúmulo excessivo em situações de trabalho que são emocionalmente exigentes e/ou estressantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

A principal causa da doença, conhecida também como “Síndrome do Esgotamento Profissional”, é justamente o excesso de trabalho. Esta síndrome é comum em profissionais que atuam diariamente sob pressão e com responsabilidades constantes, como médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, dentre outros. Ela também pode acontecer quando o profissional planeja ou é pautado para objetivos de trabalho muito difíceis, situações em que a pessoa possa achar, por algum motivo, não ter capacidades suficientes para os cumprir.

Dentre os sinais e sintomas, a Síndrome de Burnout envolve nervosismo, sofrimentos psicológicos e problemas físicos, como dores abdominais, cansaço excessivo e tonturas. O estresse e a falta de vontade de sair da cama ou de casa, quando constantes, podem indicar o início da doença.

Outros sintomas que podem indicar a Síndrome de Burnout são cansaço excessivo, físico e mental; dor de cabeça frequente; alterações no apetite; insônia; dificuldades de concentração; sentimentos de fracasso e insegurança; negatividade constante; desesperança; sentimentos de incompetência; alterações repentinas de humor; isolamento; elevação da pressão arterial; dores musculares; problemas gastrointestinais; elevação dos batimentos do coração.

O diagnóstico da Síndrome de Burnout é feito por profissional especialista, após análise clínica do paciente. O psiquiatra ou psicólogo são os profissionais de saúde indicados para identificar o problema e orientar a melhor forma do tratamento, conforme cada caso.

Já o tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos), mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida. A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença. Após diagnóstico médico, é fortemente recomendado que a pessoa tire férias e desenvolva atividades de lazer com pessoas próximas: amigos, familiares, cônjuges etc.

A melhor forma de prevenir a Síndrome de Burnout são estratégias que diminuam o estresse e a pressão no trabalho. Condutas saudáveis evitam o desenvolvimento da doença, assim como ajudam a tratá-la. São elas: definir objetivos para vida profissional e pessoal; atividades de lazer; atividades que fujam da rotina diária; evitar o contato com pessoas negativas; atividades físicas regulares; manter uma boa noite de sono; evitar o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, tabaco ou outras drogas; não se automedicar.

Izabela Cardoso

Sou Izabela Cardoso Praça, tenho 25 anos, cristã, jornalista, produtora de conteúdo e blogueira. Amo ajudar e inspirar pessoas com a minha história, onde busco superar a depressão e a ansiedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *