TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM – COMO AJUDAR OS FILHOS EM CASA?

 

É essencial estar atento ao desenvolvimento da criança. Imagem: Alto Astral.

Acompanhar o desenvolvimento de uma criança é fundamental para que os processos de construção da aprendizagem sejam efetivados e tenham estímulos apropriados para efetivação do aprender ou para a verificação de alguma alteração que possa prejudicar futuramente. Diante de alguma alteração do funcionamento da aprendizagem, quando chega o diagnóstico de um transtorno específico de aprendizagem, inicialmente é desconcertante, a sensação de medo e incertezas em como será daqui para a frente é muito angustiante.

Além de buscar ajuda multiprofissional, e procurar entender a dificuldade da criança naquele momento, é preciso buscar junto a equipe envolvida. As ações que podem ajudar fora do ambiente escolar e dos atendimentos individuais, o que se pode fazer em casa para estender os processos e se ter um trabalho como rede de apoio à criança?

Construir a extensão da rede de apoio à criança em casa é extremamente importante e pode se dizer que esse processo será o alicerce de toda a construção da criança, da escola e dos profissionais envolvidos. Nada melhor para uma aprendizagem do que vivenciar a sua construção no local mais íntimo da pessoa, o lar.

É na casa, no quarto, nos brinquedos e nas vivências de uma família que se desenvolvem as primeiras aprendizagens das crianças, então por que não ser isso mais um elemento da multiprofissionalidade que precisará acompanhar uma criança com transtorno de aprendizagem? Por que não usar o ambiente familiar, as vivências do lar para ser mais uma área a compor o processo de construção das intervenções que nortearão a adaptarão a criança diante da sua dificuldade?

As famílias que resolverem melhor os conflitos surgidos diante de um diagnóstico de transtorno de aprendizagem, enfrentarão melhor as alterações e mudanças de comportamento necessárias para a condução do processo da criança, pois serão capazes de buscar e ser apoio, falar, ouvir e construir diálogos formativos com todos os envolvidos na aprendizagem dos filhos. A ansiedade em relação ao futuro do filho poderá ter altos e baixos, dias de angústias tristeza e dias de alegrias e grandes conquistas, mas lembrem-se permitam-se sentir todas essas sensações, mas não se esqueçam que elas serão o fortalecimento para prosseguir. Em cada sensação busque sempre o lado bom, cada uma das sensações mostrará o caminho e trará fortalecimento. Algumas ações serão de extrema importância para o bem-estar da criança e da família, vejamos:

 

DIÁLOGO CONTÍNUO COM A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

  • Buscar o entendimento exato sobre o diagnóstico.
  • Compreender as reais dificuldades e habilidades do filho.
  • Indagar sobre como será o trabalho a ser realizado, procurando dicas sobre o que se pode fazer em casa.
  • Perguntar e se informar sempre, e compreender que esse processo será diário.

PROPORCIONANDO AMBIENTE FACILITADOR PARA APRENDIZAGEM

  • Criar um local para a aprendizagem, que seja oficializado para isso, formal, um cantinho, uma mesinha, alguns materiais que remetam ao aprender.
  • Integrar a situação aprendizagem em outras áreas informais, um quadro no quarto, na cozinha com informações do dia a dia por exemplo, nesse caso cada família criará de acordo com a sua rotina.
  • O local oficial de aprendizagem na casa, o formal, precisa ser livre de ruídos e trânsito das pessoas da casa.
  • Coordene os horários para evitar o sono, fome, cansaço antes de começar a atividade, escolha um horário neutro e livre.
  • Pense na boa interação de quem aprende e quem ensina, e assim sendo pense em quem será a pessoa mais indicada para realizar as tarefas oficiais na casa.
  • Crie uma rotina de acordo com a realidade familiar, sempre faça aprendizagens informais, mas tenha horários determinados para a aprendizagem formal.

INFORMAÇÕES SOBRE O TRANSTORNO

  • Para diminuir os medos tanto da criança quanto dos pais, o primeiro passo é conhecer a real dificuldade, busque orientação, pesquise.
  • Os comportamentos das crianças estão diretamente ligados ao que eles sentem, e se tem dificuldades poderão ter medos e resistências e se não entender o que o aflige, fica difícil de ajudar; por isso reconheça as condições do seu filho.
  • Busque ajuda com os profissionais e com a escola, sempre ajuda escutar o que todos têm a dizer.

 

CLAREZA E DIÁLOGO NA FAMÍLIA

  • É de extrema importância o diálogo com a criança a respeito de suas potencialidades e dificuldades.
  • É preciso falar com a criança de uma forma adequada à compreensão dela.
  • Cuidado ao esclarecer sobre a dificuldade, não use termos pejorativos, negativos ou desestimuladores.
  • Valorize cada conquista e mostre que a dificuldade pode ser vencida ou adaptada, de forma a conviver bem e desenvolver com a dificuldade.
  • À medida que a criança vai se desenvolvendo deve-se ir conduzindo a dificuldade com outras palavras, aumentando a maturidade.

RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM FORMAL

  • Esteja presente, mas não tire a autonomia da criança. Não faça por ela e nem a impeça de errar, refazer e corrigir também são estratégias de aprendizagem.
  • Evite respostas prontas, provoque reflexão, construa provocações reflexivas com eles.
  • Cuidado ao corrigir, pontue os erros, conduza na nova elaboração, cause reflexão e evite exaustão.
  • Elogie diante de um acerto ou avanço, mesmo que você considere pequeno, para eles é gigantesco.
  • Busque situações de aprendizagem significativa, mostre relações do aprender com a vida.

Pensando em todas as observações colocadas até aqui, pode-se entender que o ambiente, a interação ente as pessoas, a informação e a construção de um vínculo emocional positivo com o aprender pode fazer com que um diagnóstico de Transtorno de Aprendizagem seja menos doloroso.  Busque sempre aprender para ajudar o seu filho na função do aprender, cada criança tem formas próprias para aprender e quando se tem algum transtorno de aprendizagem, essas formas ficam mais peculiar ainda, e exige mais atenção. Procure despertar a curiosidade, mostre opções, locais, atividades que possam conduzir aprendizagens, filmes, imagens, músicas, passeios, etc. É importante que se valorize a busca pelo conhecimento para enriquecer a vida.

 

Julia Marcelina

Professora – Psicopedagoga – Psicanalista

Mestranda em Intervenção Psicológica do Desenvolvimento Educacional

@juliamarcelina23

31 988894765

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Izabela Cardoso

Sou Izabela Cardoso Praça, tenho 25 anos, cristã, jornalista, produtora de conteúdo e blogueira. Amo ajudar e inspirar pessoas com a minha história, onde busco superar a depressão e a ansiedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *