Dia do Abraço: neurocientista explica

Dia do Abraço: neurocientista explica
Dia do Abraço: neurocientista explica

 

*Dia do Abraço: neurocientista explica sobre esse gesto afetuoso*

 

O abraço é o ato mais genuíno e sincero que temos e por meio dele sentimos conforto, segurança, paz e tranquilidade.

 

Existem diversos tipos de abraços, o de um amigo íntimo, o de um colega, a de uma mãe, de um pai. Mas será mesmo que todos são diferentes?

Especialista Explica

Para o Phd, neuropsicólogo, neurocientista e jornalista científico Fabiano  de Abreu Rodrigues, “abraçar, mesmo que seja apenas para cumprimentar o outro, é um ato de afeto e fenômeno emocional”, disse.

 

Não dá para negar que todos nós amamos um abraço, mas no atual cenário de pandemia mundial da Covid-19 que estamos vivendo, esse gesto afetuoso está longe de acontecer.

 

É por isso que muitas pessoas estão ficando doentes, pois segundo estudos, o abraço traz cura para a alma. “Quando a vontade de abraçar é mútua e ambos contém uma forte ligação afetiva, a troca e a reciprocidade trazem uma sensação de bem-estar inevitável”, disse o neurocientista que também acrescentou:

 

“Essa sensação boa que nos acomete assim que os braços se entrelaçam, e que não acaba depois de separados, prova que ambos estavam na mesma sintonia, doando sentimentos positivos de afeição mútua”.

 

E como esse toque íntimo consegue despertar em nós sensações felizes e conseguirmos sentir, por meio do abraço, as emoções do outro, existe um abraço de mentira?

 

Para Fabiano de Abreu, sim e assim ele explica: “É possível sentir as emoções do outro ao abraçá-lo. Podemos sentir algo agradável ou desagradável assim que somos abraçados, ou assim que abraçamos, e esse “algo” é gerado pelo estado emocional de quem toma a iniciativa em abraçar, e de quem apenas, inerte, recebe o abraço”.

 

Dia do Abraço: neurocientista explica

 

O neurocientista explica que existem diversos tipos de abraços, como o de um filho, amigos, de pessoas que amamos e até mesmo desconhecidos.

 

“Ao abraçar um filho estamos desde já alimentando um futuro adulto com uma elevada autoestima e ajudando na produção da ocitocina que é responsável pelo desenvolvimento da personalidade. Ao abraçar um amigo de verdade, aquele amigo que te faz bem, reforçamos a amizade, e quando somos abraçados por quem amamos, fortalecemos o nosso amor”, explicou.

Izabela Cardoso

Leia Também

 

Izabela Cardoso

Sou Izabela Cardoso Praça, tenho 25 anos, cristã, jornalista, produtora de conteúdo e blogueira. Amo ajudar e inspirar pessoas com a minha história, onde busco superar a depressão e a ansiedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *