A verdade sobre o preconceito

Por Leonardo Morelli, psicólogo mestre em Psicologia Ericksoniana – O racismo tem movimentado mídia e redes sociais de forma inédita. Mas qual é a verdade sobre o preconceito? Chegar a essa explicação não é tão simples. Para nos ajudar, podemos refletir sobre casos recentes, como o de George Floyd, nos Estados Unidos, em que um homem de pele da cor preta morreu após a súplica repetida para que seu agressor o deixasse respirar!

Outro caso que ganhou repercussão mais recentemente, principalmente na mídia mineira, foi o de uma mulher que relatou ter sido perseguida por seguranças em um shopping, na região nordeste de Belo Horizonte. Segundo ela, tudo começou a partir de uma conversa por rádio-comunicador, na qual um deles dizia que a mulher é “suspeita e preta”. 

Nesse contexto, associar “suspeita” a “preta”, por si só, é um grande indicador da verdade sobre o preconceito. Um dos componentes é sua origem – o medo do diferente. Ele se manifesta em todas as formas de preconceito e só serve para expressar a nossa inferioridade assustada, vestida de arrogância e orgulho e, embora existam iniciativas no sentido de valorizar a diversidade, como vimos nesse post por exemplo, o racismo e o preconceito persistem. 

Instinto primitivo

O medo do diferente é um instinto primitivo de sobrevivência. Em nossas origens mais remotas, ele tinha a função de nos proteger de ataques de animais selvagens ou tribos diferentes. Um pouco mais tarde, a Igreja e os Estados imperialistas disseminaram esse medo na sociedade branca para justificar o sistema de exploração da escravidão. Assim, a verdade sobre o preconceito, no caso do racismo, nos mostra uma construção cruel e irracional. Nos foi “ensinado” que pessoas com pele de cor preta não tinham alma e, por isso, deveriam servir os brancos “civilizados”.

Nesse contexto, a mesma lógica foi utilizada por Hitler na validação do Nazismo. Judeus, homossexuais ou qualquer grupo que não estivesse entre seus “eleitos” deveriam ser exterminados por não conterem características da “raça ariana”. A verdade sobre o preconceito, nesse caso, é que os seguidores de Hitler passaram a enxergar esses grupos como uma perigosa ameaça à sua existência. Devido à construção de uma realidade baseada, novamente, em desinformação irracional e cruel. 

A verdade sobre o preconceito

O preconceituoso é um medroso, uma pessoa complexada que usa o artifício de diminuir o outro para se validar, individual e socialmente. Infelizmente, apesar de sabermos que o preconceito está enraizado nas sociedades humanas desde os primórdios da história, dificilmente uma pessoa se reconhece preconceituosa. Por outro lado, a maioria de nós carrega algum tipo de preconceito – principalmente se pertencemos à classe mais privilegiada, leia-se, cor de pele branca e condição financeira mediana para cima. 

Essa construção pode ser inconsciente, mas não deixa de ser um comportamento disfuncional que precisa ser percebido e trabalhado. Precisamos olhar mais para nós mesmos, observar nossos pensamentos e atitudes. Devemos sempre nos perguntar o que está por trás de uma sensação ou ação de rejeição em relação ao outro. Além de gerar conflitos, agressões e uma cruel exclusão, esses sinais indicam que algo está errado em nosso relacionamento conosco, uma insegurança vestida de arrogância e orgulho.

Izabela Cardoso

Sou Izabela Cardoso Praça, tenho 25 anos, cristã, jornalista, produtora de conteúdo e blogueira. Amo ajudar e inspirar pessoas com a minha história, onde busco superar a depressão e a ansiedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *