Uma entidade com imagem manchada

Publicado em

O Comitê de Ética da Fifa anunciou que o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, está oficialmente banido do futebol por ter o nome envolvido em casos de suborno e corrupção nos últimos anos. Preso nos Estados Unidos desde dezembro de 2017, o ex-dirigente ainda terá de pagar multa de R$ 3,8 milhões.

Presidente da Federação Paulista de Futebol entre 1982 e 1988 e chefe da delegação brasileira na Copa do Mundo de 1986, Marin violou o artigo 27 do Código de Ética da Fifa ao participar de esquema de propinas na negociação de contratos com empresas para as vendas de direitos de transmissão de competições organizadas tanto pela CBF como pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e pela Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf). Ao liberar contratos ilícitos, ele recebeu cerca de R$ 23 milhões de empresas em propinas.

O caso do banimento de Marin – que já era, de fato, previsto – é o mesmo dos antecessores, Marco Polo del Nero e Ricardo Teixeira, também afastados do futebol pela Fifa justamente por esquemas de corrupção e por aceitar benefícios indevidos. Os casos envolvendo os brasileiros acabam por arranhar de vez a imagem da CBF e do futebol nacional.

E os escândalos não param por aí. No ano passado, Coronal Nunes, então presidente da entidade, entrou em polêmica ao romper acordo com a Conmebol e votar pela candidatura de Marrocos à Copa do Mundo de 2026 – os sul-americanos optaram por votar na candidatura conjunta de Estados Unidos, Canadá e México. O caso não foi bem visto pela Fifa e Nunes foi acusado de “traidor”, o que derrubou de vez a imagem da CBF.

Caberá ao atual presidente, Rogério Caboclo, que tomou posse neste mês, trabalhar para reconstruir a reputação da CBF no exterior. Hoje, em competições internacionais, a entidade não tem mais o prestígio de antes e acaba sendo desfavorecida em várias decisões de cunho arbitrário, como no Tribunal Disciplinar da Conmebol. Não é por acaso que os clubes brasileiros sempre são prejudicados na Copa Libertadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *