O risco do iminente fim dos Estaduais

Publicado em

Numa economia fragilizada como a do Brasil, é difícil imaginar que o futebol não sofra as interferências negativas da falta de recursos para investimentos. E tudo pode ficar pior. Isso porque a Rede Globo promete deixar de transmitir as competições estaduais a partir de 2022. Em crise financeira, a emissora terá de cortar gastos e reduzirá drasticamente as transmissões de futebol.

A iminente saída da Globo afetará os grandes e pequenos clubes brasileiros. A TV investe em torno de R$ 197 milhões por ano nos principais torneios regionais e garante o pagamento de salários e grande parte da receita das equipes. Sem o dinheiro da TV, dificilmente os clubes do interior conseguiriam se manter, o que levará muitos a fechar as portas. As receitas com patrocínio não são suficientes para manter o balanço positivo ou sonhar com a formação de equipes qualificadas.

Sou um dos inúmeros jornalistas que defendem os Estaduais. São atrativos para o torcedor do interior, interessantes para a visibilidade de jogadores que querem crescer na carreira e ótimos para dar ritmo aos clubes considerados grandes. Há quem discorde da realização destes (pelo alto número de jogos), mas, nesse caso, há outro problema mais sério envolvido: a desorganização do calendário brasileiro.

Em Minas, cada time sem grande investimento recebe em torno de R$ 500 mil da Globo. Atlético e Cruzeiro arrecadam R$ 12 milhões e o América, R$ 2 milhões. No caso dos pequenos, esse dinheiro só serve para sustentar o clube durante quatro meses – nos demais, ele acaba fechando as portas, desempregando jogadores, treinadores e demais integrantes de comissão técnica. Esse lado é o mais triste: muitos profissionais só têm trabalho em quatro meses do ano, o que deixa a área cada vez mais fragilizada.

Mesmo que a possibilidade de a Globo sair do futebol esteja no campo da especulação, é hora de todos – grandes e pequenos – se preocuparem com o futuro. Eles vão precisar usar a criatividade para manter o orçamento em dia: cortar gastos, buscar novas parcerias ou mesmo criar nova fonte de renda, caso do programa de sócio-torcedor. Mesmo com essas iniciativas, ainda seria difícil fechar a conta no fim dos meses.

28 comentários para “O risco do iminente fim dos Estaduais

  1. Não acho justo um clube receber 12 milhões e o outro apenas 500 mil já que ambos estão em campo. Espanha e Estados Unidos são exemplos desta disparidade. Na Espanha só temos dois clubes ganhando tudo enquanto nos EUA todos recebem as mesmas cotas de TV. por isto lá em todos os esportes coletivos vários times tem condições de levantar o caneco.
    a igualdade de cotas permite aos times pequenos sobreviverem.

  2. Sinceramente já era para ter acabado desde 2010 para cá. Por exemplo o campeonato mineiro, qual prefeitura ou empresa vai investir no clube o interior sabendo que o mesmo fará 5 ou 6 jogos em casa e deste somente 1 é contra o Galo ou contra o Cruzeiro? Citando os jogos que os mesmos podem aumentar o valor do ingresso e com a casa cheia. Tirando isso, acabou são estádio vazios e péssimos estádios diga de passagem. Não dá mais. Foi o tempo que tinha rivalidade até entre os times do interior. Uberlândia, Uberaba, Democratas, Vila Nova com os times da capital, Valérioriodoce, saudoso Valério. Não existe mais. Já era.

  3. Eu sou a favor dos estaduais so para equipes do interior ou que cruzeiro e atletico atuassem só com sub23. A diferença financeira é enorme e o torneio é chover no molhado, a cada decada e olhe la aparece um vencedor que não seja atletico ou cruzeiro. E se voce pensar como uma empresa imagina voce colocando jogadores que ganham ai 600, 700 1 milhão pra jogar em campos ruins, duros com buracos, olha o risco que voce coloca o seu patrimonio, quem paga o prejuizo em caso de uma contusão seria? Antigamente quando não havia tantas competições e ainda existia o desequilibrio tecnico menor ainda tinha porque ter o estadual, agora ja não tem a mesma graça, a não ser por aqueles saudosos ou pelos times do interior que legislam em causa propria.

  4. Se o problema é a desorganização do calendário, o fim dos Estaduais ajudam amenizam a situação. Os campeonatos estaduais são competições tão falidas, que nem os estádios do interior tem lotado com jogos de Cruzeiro e Atlético como antigamente. Os times do interior são clubes de aluguel e às vezes chegam ao absurdo de mudarem de cidade. Não possuem que qualquer identificação com torcida e município. Com relação a revelar jogadores, entre 1990 e 2018, qtos grandes jogadores foram revelados pelo campeonato Mineiro? Eu posso falar uns 04 ou 05 em praticamente 30 anos. Pra mim, já era esse torneio amador !

  5. PENSO QUE OS CLUBES PEQUENOS DO INTERIOR, DEVERIAM, ATRAVÉS DE LIGAS MUNICIPAIS, ORGANIZAR SEUS PRÓPRIOS CAMPEONATOS REGIONAIS;ASSIM CONSEGUIRIAM MANTER OS TIMES EM ATIVIDADE, SE LIVRARIAM DAS TAXAS EXTORSIVAS DA FMF.
    COM CAMPANHAS, PATROCÍNIOS, VERBAS ESPECIAIS PARA A ÁREA DE ESPORTES E UMA BOA ADMINISTRAÇÃO, PODE SER POSSÍVEL.

  6. NÃO VEJO ASSIM. ACHO OS ESTADUAIS UM GRANDE ENTRAVE AO CRESCIMENTO DE NOSSO FUTEBOL DENTRO DAS QUATRO LINHAS, POIS, TECNICAMENTE, NADA ACRESCENTAM, PELO CONTRÁRIO O EMPOBRECEM. O QUE DEVE SER FEITO É CRIAR VÁRIAS DIVISÕES, QUE ENGLOBE BOA PARTE DESSE CLUBES, E QUE TENHA AJUDA FINANCEIRA SUBSTANCIAL DA CBF. NOSSO FUTEBOL NÃO PODE TER UM FUTEBOL POBRE E UMA CONFEDERAÇÃO MILIONÁRIA, QUE EM QUASE NADA CONTRIBUI PARA SEU ENGRANDECIMENTO. FUTEBOL É ESPETÁCULO E A TV PAGA BEM O BOM ESPETÁCULO, COISA QUE OS ESTADUAIS, DECIDIDAMENTE, NÃO SÃO.

  7. Acho que o futebol brasileiro de uma maneira geral precisa ser repensado. Não podemos ficar nas mãos de uma emissora que resolveu desafiar toda a sociedade com um lixo de programação .A sociedade merece respeito , nao podemos aceitar que uma emissora coloque nas sua programações que danifique a Família , que não respeite as crianças os jovens .O futebol sempre teve e tem um papel muito importante como opção de lazer para o brasileiro de uma maneira geral, não podemos admitir que o governo dê tanta prioridade financeira a uma única empresa , em detrimento de outras emissoras e da DEMOCRACIA.

  8. Graças a Deus não vamos ficar sendo empurrados por estas transmissões de futebol horríveis. O ideal é que começasse este ano. Não tem como adiantar a decisão da Globo?

  9. Acho que o estaduais estão falidos. Como você disse, eles dão emprengo apenas 4 meses por ano. Se acabassem e o Brsileirão fosse disputado em formato de piramide começando dos niveis estaduais, seria muito mais lucrativo. Não concordo quando você diz que “São atrativos para o torcedor do interior, interessantes para a visibilidade de jogadores que querem crescer na carreira e ótimos para dar ritmo aos clubes considerados grandes”. Em nenhuma dessas opçoes ele está sendo funcional e são exatamente eles que deixam o final da temporada tão apertado para o grandes.

  10. Primeiro menciona que a Globo promete deixar de transmitir os estaduais a partir de 2022, depois finaliza dizendo que está saída está no campo das especulações. Não faz sentido.

  11. Regionais….estaduais…. parece que até a concordância e coerência de texto refletem o que se sente com esses malditos estaduais…..( e não regionais) . O futebol ficou nas mãos da Globo, somos reféns….mas voltando….o estaduais tem que acabar mesmo, sem saudosismo…façam uma serie D regionalizada para que os pequenos times disputem o ano inteiro, e não aquela palhaçada de serie D que dura 3 meses e meio.

  12. Infelizmente estamos num mercado do futebol sem craques e ingressos a preço de futebol europeu nem mesmo baixando ingresso a 10 reais irao sobreviver .

  13. Os campeonatos estaduais não podem acabar, como vamos qualificar times para Copa do Brasil, série B, série C, série D, sem conhecer as equipes? O Brasil é gigante, não se compara a países Nanicos da Europa, temos que nos adaptar a nossa realidade, nosso clima e nosso calendário, temos a estação chuvosa que não favorece o futebol e não coincide com o calendário europeu, Cruzeiro e Atlético precisam procurar novas formas de arrecadar dinheiro e disputar o regional com os reservas e jogadores da base, os reservas dão prejuízo aos clubes, recebem salários e só treinam, jogadores caros que nunca veremos em campo e nunca saberemos se tem condições de jogo, é uma oportunidade de avaliar esses atletas e já ir dispensando aqueles que não reúnem nenhuma condição de jogo, depender só da venda de jogadores para sobreviver não funciona mais, os times precisam se modernizar e se livrar de despesas desnecessárias, como pernas de pau que recebem milhares de dólares sem saber dar um chute na bola.

  14. Do jeito que está tem que acabar, é só prejuízo para os grandes, a não ser que disputem com um time reserva, de juniores, pois não compensa investir, por exemplo, 10 milhões num campeonato que vai te render 1 milhão em prêmio se for campeão e mais 3 de milhões de público, é prejuízo. Para fortalecer este campeonato carioca, deveriam fortalecer pelo menos mais uns 2 times pequenos, torná-los competitivos, com jogadores conhecidos e bons, fazer alguns pequenos ascender às primeiras divisões do Brasileirão, pois no Carioca, além dos 4 grandes, o resto é só terceira divisão para baixo, e pelo menos fazer mais 2 estádios de primeira, porque está parecendo mais jogo de várzea.

  15. Os argumentos finais justificam o fim de estaduais. De que adianta 3 meses de campeonato com grandes e fechar as portas depois? Melhor um nacional mais amplo com divisões inferiores regionalizadas que estaduais deficitários em 3 meses.

  16. Estaduais nos tempos de hoje já não servem para os clubes da serie A, deveriam começar o Brasileirão em fevereiro e ter um calendário mais tranquilo, e até quem sabe uma pausa em agosto, para os times da serie A disputarem torneios na Europa pra expor sua marca

  17. já era pra ter acabado faz tempo, o mundo vai em direção a uma globalização cada vez mais profunda e os campeonatos estaduais são um barreira a evolução da organização do futebol nacional, tornam o calendário apertado por um produto que já não possui mais valor.
    Os times do interior e jogadores que buscam visibilidade podem encontrar outro formato de campeonato para alcançar seu objetivos liberando assim os grandes clubes para focarem em competições de alto nível e rentabilidade

  18. O que estao fazendo com os estaduais e equivalente a eutanasia num paciente numa transicao de um estagio inicial para um estagio intermediario de cancer. Diante de um contexto complexo, apenas olharam as dificuldades e os contras dos estaduais e, inquisitoriamente, determinaram seu fim. Existem inumeras alternativas para uma reestruturacao sem que haja necessariamente que se ter que acabar com eles…

  19. POSSIBILIDADE 1:
    Pra quem defende invariavelmente um campeonato por pontos corridos, esquece o modelo atual de copa do brasil. Estaduais em 10 datas e copa do brasil com os 27 campeoes estaduais + atual campeao + campeoes de series A a D. 32 times. Problema de calendario parcialmente resolvido e relativa importancia dada aos estaduais. Principais times do pais se pegando nos ponts corridos e representatividade na copa. 3 rebaixados. A cada divisao que desce, dobram-se os grups (sempre 16, serie B, 2×16, serie C, 4×16, serie D, 8×16, sempre regionalizando, com 3 rebaixados. Ate a D, campeoes de grupo garantidos no acesso e disputando titulo da divisao, demais 3 a 4 por grupo jogando grupo ou playoff por acesso. Abaixo, 2 ou 3 por grupo jogam chave de acesso). Estaduais com partcipabtes definidos ate 4 vagas prlo ano anterior e as demais vagas pelo brasileiro

    POSSIBILIDADE 2:

    Dois semestres:
    Independente da ordem, como foi da copa uniao a 2001: um semestre pra estaduais e outro para o brasileiro (com alguns ajustes)
    Estaduais com 15 a 20 dats espalhadas pelo semestre. Brasileiro em turno unico com 24 ou 26 times no outro semestre. As dvisoes inferiores vao seguindo o padrao da proposta anterior: dobrando a cada nivel e regionalizando. Na segunda, dois grupos de 22, e a partir da terceira, grupos de 12 ou 14 (passando a ser em 2 turnos). Nas 2 primeiras, 1 rebaixado direto por grupo + quadrangular por mais 2 rebaixados.
    Nas duas primeiras, os times, por livre escolha, cruzam um confronto em campo neutro (quem nao “se arrumar” e sobrar nessa brincadeira vai pro sorteio)
    No semestre dos estaduais, ocorrem as decisoes de divisao (da B a D, entre os campeoes de grupo, com acesso ja garantido), os playoffs de acesso (da B a D entre os melhores nao campeoes de grupo e abaixo entre os melhores de cada grupo), os quadrangulares da morte e os playoffs da serie A (12 times, nos moldes da NBB, onde os 4 primeiros ja entram na sehunda fase. Primeira fase dos playoffs em jogo unico, com mando pra 5 a 8 colocacao, quartas e semifinais em melhor de 3 e final unica)

    No semestre da liga nacional, ocorre em paralelo a copa do brasil (tb com 32 times, como na proposta anterior)

    Campeoes da liga e da copa garantidos na pre libertadores vices na sulamericana. Vagas da liberta e sula pelos playoffs do brasileiro. As vagas que eventualmente sobrarem vao pra classificacao geral da liga.

    POSSIBILIDADE 3:
    REGIONALIZACAO; DIVISAO 4 EM 1; COPAS JH E UNIAO, 64 TIMES

    os times seriam divididos em 3 divisoes:
    Nacional(64 times)
    Regional (64 times)
    Estadual (demais)

    Haveriam 4 regioes pre determinadas.
    Na divisao estadual, todos os times que nao estao nas superiores. poderiam ser separados em modulos ou series, os melhores de cada estado buscam o acesso. Na divisao regiinal, 16 times por regiao. Turno e returno. 3 rebaixados. Sistema de decisao usado no campeonato uruguaio, porem com olayoffs de turno). So os campeoes sobem.

    Divisao naciinal com separacao horizontal e vertical.
    Os 64 times foram 16 agrupamentos de 4 diferentes.
    As 4 regioes contem 16 times cada. Porem, cada regiao possui 4 modulos com 4 times cada, onde a cada temporada, os ultimos de cada sao rebaixados de modulo e os primeiros sao promovidos.
    Entao os time estao em modulos de 16 times (4 de cada regiao) onde jogam em turno unico (15 jogos). Tb estao em regioes de 16 times (4 de cada modulo) onde se enfrentam tb em turno unico (15 jogos) (a essa altura, os 3 adversarios de mesmo agrupamentos, ou seja, os que pertencem a mesma regiao E mesmo modulo, se enfrentam em turno e returno)
    Ao final dos 30 jogos, os campeoes dos 4 agrupamentos regionais de modulo 1 passam aos playoffs.
    Pra enfrentar esses 4, 8 times jogam uma repescagem. Sao eles, tirando esses 4, o melhor de cada regiao, e o melhor de cada modulo. Em tese 8 times. Se um time for melhor do modulo e da regiao, ja passa direto pela repescagem….

    POSSIBILIDADE 4
    28 LIGAS ESTADUAIS (sao paulo com uma liga pra regiao metropolitana, litoral e vale do paraiba e outra liga pro interior) de 8 times
    4 regioes de 7 ligas cada.
    Turno e returno na liga (14 jogos + 8 jogos em sistema suico contra times de outras ligas da mesma regiao + 8 jogs em sistema suico contra times de outras regioes) 30 jogos
    Ao final, os campeoes estaduais + os melhores da regiao independente da liga jogam os playffs regiinaiz e os campeoes regiinais fazem as semifinais nacionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *