O fenômeno PSG

Publicado em

Maior clube do futebol francês nesta década, o Paris Saint-Germain admite que quer entrar no seleto grupo dos gigantes do mundo, como Barcelona, Real Madrid, Juventus, Bayern e Manchester United. E, para isso, não abre mão de gastar, gastar e gastar. Desde que o milionário catari Nasser Al-Khelaifi comprou o clube, em 2011, essa mentalidade se tornou uma obsessão. O interesse e os valores astronômicos que os franceses desejam pagar para ter o brasileiro Neymar é só uma prova de onde eles querem chegar.

A vinda de Neymar seria o auge para o PSG começar a lutar por títulos mais expressivos, como o da Liga dos Campeões. O valor oferecido ao Barcelona – 222 milhões de euros (incríveis R$ 810 milhões) – é quase quatro vezes maior do que foi pago ao Napoli em 2013 para contratar o uruguaio Edinson Cavani, que custou R$ 232 milhões.

O PSG quer, na verdade, é popularidade no futebol mundial. Não é por acaso que o clube faz pré-temporada nos Estados Unidos para ganhar novos fãs. De acordo com o ranking divulgado pela Fifa neste ano, o time de Paris tem apenas a 38ª torcida no mundo, atrás dos rivais Olympique de Marselha e Lyon, e bem atrás dos gigantes europeus.

Há poucos anos, o Chelsea tentou fazer algo parecido ao que tenta fazer o PSG: o clube inglês foi comprado pelo milionário russo Roman Abramovich, que fez aquisições caras como os argentinos Verón e Crespo e o francês Makélélé. Mas foi necessário um planejamento de alto nível para que as coisas dessem certo: os Blues venceram a Liga dos Campeões em 2011-2012 e foram campeões ingleses por cinco vezes nesse período.

A receita deve ser copiada pelo PSG. Não adianta fazer contratações bombásticas se não tiver um gestor de qualidade para liderar o projeto. No papel, a equipe é uma das melhores do mundo, tendo os brasileiros Thiago Silva e Marquinhos, o argentino Di Maria e o próprio Cavani como destaques. Se a contratação de Neymar for concluída, só o tempo dirá. Mas um ou vários craques, sozinhos, não carregam piano. É necessário um planejamento a longo prazo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *