Copa para poucos

Publicado em

Nos últimos dias, percebi vários protestos de brasileiros pela internet ou mesmo pessoalmente contrários à realização da Copa do Mundo no Brasil. Eles reivindicam melhorias na saúde, educação, saneamento básico e segurança e os recursos gastados na organização do evento de tal magnitude tirariam o que a população realmente merece.

Particularmente, eu sou a favor da Copa do Mundo e também das Olimpíadas. Quando o Brasil foi escolhido como sede em 2007, o então presidente Luís Inácio Lula da Silva foi direto ao afirmar que o país cumpriria à risca o caderno de encargos exigido pela Fifa. Acontece que sete anos depois, com a mudança de governos e secretarias a níveis estadual e federal, desorganizou-se o que estava sendo organizado. 
Os gastos da Copa praticamente triplicaram em relação ao valor primário. Só o Estádio Nacional de Brasília custou o superior a R$ 1 bilhão nos cofres públicos. Várias arenas não ficaram prontas até agora, com cronogramas pouco rígidos. Minas Gerais, por exemplo, terá de arcar com mais R$ 50 milhões para cumprir exigências da Fifa justamente a poucos meses do início da competição. 
Realmente falta investimentos para o cidadão do bem, mas o Brasil dá conta de realizar também uma Copa e arcar com seus compromissos. Logo, vem a questão mais importante: se não existisse corrupção, acho que nosso recursos daria um salto enorme e todos sairiam felizes. Haveria empregos para todos, saúde de qualidade e boas escolas e também teríamos a honra de ver um Mundial de futebol, nosso esporte número 1, sendo realizado perto de casa.
Pois bem, amigos leitores, outros governos (Alemanha em 2006, Coreia do Sul e Japão em 2002, entre outros) deram lições de como se organizar uma boa Copa. Basta copiar esses exemplos e não cair nos erros primários que acabam prejudicando a tranquilidade da população. Se damos espaço para a corrupção e impunidade, certamente ficaremos distantes das comodidades que todo cidadão tem direito. A Copa, de todo jeito, vai ocorrer, mas somos nós os grandes prejudicados dessa história

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *