Skip to main content
 -
PCAlmeida é Cruzeirense, publicitário fanático, jornalista teimoso.

Barcos é anunciado e desperta o preconceito

Bastou o twitter oficial do Cruzeiro postar na tarde de ontem (10) a contratação do argentino Hernán Barcos para ocorrer uma chuva de comentários.

A maioria aprovava a contratação do Pirata, mas há sempre aqueles do contra. Aqueles que não gostam de calor e nem do frio, gostam mesmo é de reclamar.

O argumento utilizado por esta turma deriva de um preconceito que a nossa sociedade precisa combater – contra os mais velhos. Neste mundo de definições com nomes estranhos, não inventaram ainda algum que se referisse ao preconceito contra os idosos. Minha esposa sugeriu “gerontofobia”, mas fui ver e se trata do medo de envelhecer. Não é bem isso.

De toda forma, no Brasil há este preconceito contra jogadores que ultrapassaram a casa dos trinta anos. Coisa dos nossos antepassados que insiste em aparecer. Antigamente, sim, um jogador com mais de trinta anos era tido como acabado para o futebol. Hoje não. Com o avanço da medicina e da preparação física, será cada vez mais comum ver balzaquianos correndo pelos templos da bola.

O pensamento precisa fazer como a medicina: evoluir!

Esta história me faz lembrar quando o Cruzeiro contratou Jairzinho. O Furacão da Copa chegou em 1976 aos 32 anos tido como velho. Jogou muito e foi peça fundamental na conquista da nossa primeira Libertadores.

Outros exemplos? Valdo chegou em 98 com 34 anos e foi o maestro, Muller chegou também em 98 com 32 anos, Zinho veio para o Cruzeiro em 2003 no alto dos seus 36 anos e correu feito um menino. Ficaria dias citando exemplos.

(Claro que não estou comparando jogadores, mas situações)

Barcos é um atleta que sempre se cuidou e por isso chega aos 34 anos em plena forma. Há outros exemplos país afora de experientes que se destacam no futebol brasileiro. Tem um ali mesmo, em Vespasiano. Preciso citar nomes?

A experiência do Pirata será crucial para segurar a barra enquanto Fred e Sassá se recuperam e dividirá a responsabilidade de fazer gols com o jovem Raniel.

Além disso, Barcos é líder, veio sob um contrato curto, gratuitamente e não tem um salário absurdo. A tacada da diretoria foi certeira, amigos.

Agora, a melhor forma de combater estes comentários preconceituosos e maledicentes é na bola, com gols e assistências. Que assim seja!

Seja bem-vindo, Pirata Azul!  

Um comentário em “Barcos é anunciado e desperta o preconceito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *