Escobar chega novamente aos cinemas

por Marcelo Seabra

Com uma história já contada várias vezes, seria difícil trazer algo de novo para os fatos relacionados a Pablo Escobar. O máximo que pode mudar é o ponto de vista, e é isso que o diretor e roteirista Fernando León de Aranoa se propõe a fazer: recontar aquilo tudo que já sabemos pelos olhos da amante do chefão das drogas. Escobar: A Traição (Loving Pablo, 2017), no entanto, gosta muito dele para dar atenção suficiente a ela.

Nos papéis principais, temos um casal de verdade, o que torna a química entre eles palpável. E ajuda serem ótimos atores. Jarvier Bardem (de Mãe, 2017) e Penélope Cruz (de Assassinato no Expresso Oriente, 2017) são os grandes trunfos do longa, e trazem autenticidade por serem nativos do espanhol. O problema é que a língua só é usada em determinados momentos, como quando Escobar usa o consagrado xingo “mal-parido”. Para atingir um público mais amplo, a língua teve que ser o inglês.

Baseado no livro da apresentadora Virginia Vallejo, o roteiro nos leva ao início do caso entre ela e Escobar, e ela logo se deixa tomar pelo fascínio por aquele homem poderoso e dominador. Podemos nos perguntar como aquela mulher independente, forte e popular acabou se apaixonando por um monstro. Claro que o estilo de vida que ele proporcionava a ela era um fator importante. Mas é preciso notar que a personalidade carismática de Escobar mantinha todos orbitando à sua volta.

Se Escobar: A Traição traz um ângulo diferente do visto, por exemplo, em Escobar: Paraíso Perdido (Escobar: Paradise Lost, 2014), não consegue fugir da sombra de Narcos, que conseguiu cobrir todo o período do reinado do sujeito. Com muito mais detalhes e informações, a série monta um quebra-cabeça complexo e bem completo. Fugindo da obrigação de abraçar toda a história, o roteiro do novo filme deixa vários buracos, como no momento em que Pablo está apoiando políticos locais e logo é eleito senador. Os pulos temporais são bem bruscos.

Para situar o espectador, o filme acompanha muito o traficante e deixa aquela que deveria ser a protagonista de lado. De cara, na apresentação do elenco, o nome de Bardem vem na frente do de Cruz, o que já dá uma ideia do que virá. Os penteados e figurinos roubam a cena, e a caracterização de época é bem interessante. Ao narrar as peripécias do bando de criminosos, pouco é novidade, e não há ação ou suspense suficientes para prender a atenção do público. Nesse quesito, é preferível ficar com Feito na América (American Made, 2017). E o título nacional ainda presta um desserviço, levando a crer se tratar de outra coisa.

Eis o casal, sem cabelos, figurino ou prótese

Sobre Marcelo Seabra

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM | Instagram - @opipoqueiroseabra
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Personalidades e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *