O Contador é ponto positivo para Ben Affleck

por Marcelo Seabra

The Accountant banner

Se já não bastasse ser o Demolidor e o Batman no Cinema, Ben Affleck ainda é O Contador (The Accountant, 2016). Mesmo não sendo propriamente um super-herói, nem mesmo um herói, este é o mais interessante dos três. O filme parte de alguns clichês para logo utilizá-los de maneira inteligente, chegando até a confundir o espectador, que mal pode esperar pela próxima peça do quebra-cabeça. Quando chegamos ao final, tudo se encaixa, faz sentido e é bem satisfatório.

O roteiro de Bill Dubuque (de O Juiz, 2014) nos apresenta a Christian Wolff (Affleck), um sujeito que tem um grau de autismo que lhe proporciona grande facilidade com números, mas traz alguns problemas de sociabilidade. A falta de jeito dele proporciona alguns momentos involuntários de humor que lembram Dexter, o psicopata da TV que se esforçava para sorrir para fotos. Ele trabalha como contador e seus clientes são, em sua maioria, criminosos perigosos. Ele, por assim dizer, lava a roupa suja deles. A grande habilidade em lutas e com armas permite a ele se defender de qualquer possível ataque, ou queima de arquivo. Todas essas informações são devidamente apresentadas e o personagem é bem construído.

The Accountant Affleck

Com o Departamento do Tesouro investigando de perto, Wolff busca um cliente legítimo para afastar suspeitas. Pessoas começam a serem mortas e ele precisa descobrir o que está havendo. No meio disso tudo, conhecemos um punhado de gente e uma das melhores qualidades do longa fica evidente: o elenco. Além de Affleck, temos Anna Kendrick (de A Escolha Perfeita 2, 2015), J.K. Simmons (de O Exterminador do Futuro: Gênesis, 2015), Jon Bernthal (o Justiceiro do Netflix), Jeffrey Tambor (de Transparent), Cynthia Addai-Robinson (de Arrow) e John Lithgow (de Interestelar, 2014). Conhecemos o suficiente de cada um deles para que o projeto funcione, e nada é simples como preto e branco.

Nos pequenos detalhes que o roteiro faz questão de apresentar, conhecemos melhor a cabeça de Wolff e seu comportamento nunca deixa de fazer sentido. Ele usa uma canção infantil para manter a calma, precisa terminar tudo que começa, tem suas coisas extremamente organizadas e está sempre pronto para uma possível fuga. Ao ajudar a colega contadora vivida por Kendrick, ele sai de seu modus-operandi e arrisca seu pescoço, algo totalmente novo para ele. Uma cena do início, em que vemos um quebra-cabeça faltando uma peça para ser completo, serve bem como metáfora para o filme, e só chegamos a essa peça ao final.

A montagem ágil é cortesia de Richard Pearson, que trabalhou também em A Supremacia Bourne (The Bourne Supremacy, 2004). O Contador tem características em comum com o universo de Bourne e isso certamente foi assunto entre os amigos Affleck e Matt Damon. A trilha discreta de Mark Isham (de Assassino a Preço Fixo 2, 2016) e a bela fotografia de Seamus McGarvey (de Peter Pan, 2015) ajudam a criar um clima de suspense muito adequado à trama, tudo muito bem amarrado pelo diretor Gavin O’Connor (de Guerreiro, 2011).

Simmons quer resolver um último caso antes de se aposentar

Simmons quer resolver um último caso antes de se aposentar

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *