Descubra o que aconteceu na fazenda Foxcatcher

por Marcelo Seabra

Foxcatcher posterOs fatos interessantes estavam lá. Mas ligá-los não era das tarefas mais fáceis. Criar uma obra intrigante com acontecimentos reais e espaçados não parecia uma boa ideia, mas o diretor Bennett Miller conseguiu novamente entregar uma grande obra: Foxcatcher (2014). Curiosamente, o que aconteceu é algo que só se tornou famoso fora dos Estados Unidos ou do circuito do esporte agora, e o filme é o grande responsável por isso. E, mesmo que todos tenham tomado conhecimento do ocorrido, o filme permanece vivo, rico e indispensável.

Com o medonho subtítulo Uma História que Chocou o Mundo, Foxcatcher nos apresenta a dois campeões de luta greco-romana que tem um relacionamento complicado: enquanto o irmão mais velho, David (Mark Ruffalo, de Truque de Mestre, 2013), parece mais centrado e calmo, Mark (Channing Tatum, de Terapia de Risco, 2013), o caçula, parece em busca de uma identidade própria, que o reconheçam como o ótimo atleta que é, e não apenas como o irmão do grande David. Ambos ganharam medalhas de ouro em eventos de grande porte e continuavam a se preparar para os próximos, principalmente as olimpíadas de Seoul, em 1988. Casado e com filhos, David conseguia se dedicar a um aspecto de sua vida sem abandonar os demais. Já Mark não tinha vida social, hobbies e nem mesmo traquejo para lidar com outros seres humanos.

FOXCATCHER

Com um discurso ufanista, um bilionário procura Mark oferecendo ajuda, com patrocínio e toda a estrutura necessária para a preparação de lutadores. John du Pont (Steve Carell, de O Verão da Minha Vida, 2013), apesar de todo o dinheiro de que dispunha, era um sujeito solitário, que buscava a aprovação da mãe e que queria ser reconhecido como um grande treinador e líder. Suas atitudes equivocadas e seu discurso vazio de auto-ajuda deixam claro que ele não era um tipo muito normal. A dinâmica entre essas três personalidades distintas é o grande atrativo de Foxcatcher, algo que só é possível graças a um roteiro bem amarrado e enxuto (de E. Max Frye e Dan Futterman) e a interpretações complexas, extremamente bem construídas, que passam uma falsa impressão de facilidade, como se eles não estivessem se esforçando.

Schultz brosVivendo os irmãos (ao lado, os reais), Ruffalo e Tatum exibem a dinâmica exata para que acreditemos naquela relação. Eles são quase como pai e filho, já que um criou o outro e foi praticamente sua única referência adulta. Não a toa, eles seguiram a mesma carreira, ambos tendo alcançado sucesso. Tatum, apesar de não ser apontado como um grande artista, encontrou um papel que encaixa bem com o tanto de talento que dispõe, e só ajuda o personagem ter muitos músculos e falas menos elaboradas. Ruffalo, por sua vez, vem provando o quanto é bom com papéis bem diferentes uns dos outros, e não seria fácil prever que um lutador fortão estaria entre eles. E a cereja do bolo é Carell, que usa a maquiagem pesada para criar du Pont como alguém pouco expressivo, que quer parecer forte e determinado, mas é apenas frio. Na verdade, ele é uma pessoa patética, do tipo que inventa um apelido enaltecedor para si mesmo e pede aos outros que o usem para chamá-lo. E Carell, geralmente apontado como comediante, como se isso o diminuísse ou limitasse, só mostra como, após fazer comédia, certos atores podem fazer praticamente tudo.

Foxcatcher chega ao Brasil tendo tido três indicações aos Globos de Ouro e com outras cinco possibilidades nos Oscars e três no BAFTA, entre várias outras. Responsável pelos elogiados Capote (2005) e Moneyball (2011), Bennett Miller foi consagrado como o melhor diretor de 2014 no Festival de Cannes. E não faltou uma polêmica: o lutador Mark Schultz foi à televisão difamar o longa, dizendo que fugiu muito da realidade, para pouco depois lamentar o acontecido e reforçar a enorme fidelidade com os fatos. Ele se justificou dizendo que foi muito doloroso reviver tudo aquilo e aproveitou para elogiar as escolhas do roteiro, que julga detalhado e, ao mesmo tempo, objetivo. O filme nem precisava de chamar a atenção de outras formas, já que certamente se trata de um dos melhores do ano, se não o melhor.

Miller levou seu elenco a Cannes

Miller levou seu elenco a Cannes

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações, Notícia e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *