A Cidade do Pecado ganha novas aventuras

por Marcelo Seabra

Sin City A Dame to Kill For Banner

A partir de 2005, os fãs de Sin City começaram a aguardar ansiosos pela continuação. Tanto tempo passou que a ansiedade acabou indo junto, e parecia que esse filme nunca chegaria. Pois está em cartaz Sin City: A Dama Fatal (Sin City: A Dame to Kill For, 2014), longa que traz de volta alguns dos personagens apresentados na aventura anterior, mesmo que com atores diferentes e numa cronologia que não fica clara, já que nunca dá para estabelecer se trata-se de uma sequência ou de uma pré-continuação. Não há continuidade, apenas novas tramas com as mesmas figuras de Basin City, como acontecia há décadas em revistas, rádio e TV.

O subtítulo (mal traduzido) faz referência clara aos clássicos da literatura pulp, as histórias sempre traziam uma mulher fatal misteriosa que podia estar escondendo muito mais do que revelava. Essa pode ser a descrição de todas as personagens femininas do filme. Mas acaba caindo melhor para Ava, beldade que chegou a ter Angelina Jolie escalada e acabou no corpo de Eva Green (de 300: A Ascensão do Império, 2014). Ela é casada com um milionário e faz um jogo de sedução com o errante Dwight, agora vivido por Josh Brolin (de Refém da Paixão, 2013), que substitui Clive Owen. Essa é uma das várias pequenas histórias que se misturam, ou que apenas coexistem. São outros intérpretes, mas novamente usando uma técnica mais teatral, caricata.

Sin City A Dame to Kill For AlbaJoseph Gordon-Levitt (de Como Não Perder Essa Mulher, 2013) aparece como Johnny, uma adição ao elenco, e ele é mais um dos freqüentadores do bar onde Nancy dança. A garota continua sendo interpretada por Jessica Alba (ao lado), o que é uma incógnita. Trata-se de uma stripper que parece incomodada enquanto faz sua performance e que nunca tira a roupa. Os homens só não invadem o palco para pedir mais desinibição porque a garota é protegida do gigantesco Marv. Como Mickey Rourke havia sido uma das principais atrações do filme anterior, Marv está de volta, com ainda mais destaque. Atores do primeiro, como Bruce Willis, Powers Boothe, Jaime King e Rosario Dawson, interagem com novatos desse universo, como Dennis Haysbert, Ray Liotta, Christopher Meloni e Lady Gaga. Muitos, em participações bem pequenas, caso por exemplo de Christopher Lloyd, o eterno Doc Brown de De Volta para o Futuro, e Jeremy Piven (de No Limite do Amanhã, 2014).

Ao contrário de A Cidade do Pecado, este A Dama Fatal parece mal amarrado. Suas histórias não cruzam com naturalidade, e parecem não ter muito fôlego. Resoluções fracas e apressadas não faltam, dando a impressão de que faltou planejamento. Há imagens muito bonitas, mas as composições de claro e escuro ficam repetitivas, e o uso das cores é banalizado. Os cenários falsos, desenhados, e os contrastes entre o preto e branco dos homens e as cores berrantes das mulheres impedem o espectador de criar qualquer conexão, a sensação de estranhamento perdura pela hora e meia de exibição. Muita coisa, claro, é uma repetição do primeiro, mas era mais suave e servia a um propósito mais nobre. Os filmes seguem o caminho das revistas originais: as primeiras eram boas histórias com efeitos e artifícios elaborados, mas esses recursos logo passaram a ser o foco de Miller. O impacto inicial passou e não sobrou muita coisa.

Sin City A Dame to Kill For Green Brolin

Procurando emular o clima de mestres como Raymond Chandler ou Dashiell Hammett, Frank Miller e Robert Rodriguez passam longe, incapazes de criarem personagens perspicazes, cínicos ou mordazes. Todos os homens são burros, conclusão à qual chegamos por suas ações estúpidas e impensadas. A sensualidade, que seria a arma principal de Ava, consiste em mostrar Eva Green sem roupa. Não que alguém vá achar ruim de ver aquele belo corpo, mas o resultado fica vulgar, barato, quando deveria ser sexy e sedutor. A sensibilidade dos detetives, que no fundo são uns sentimentais, não existe, são todos uns perdedores, sem rumo, apenas esperando por uma oportunidade de se darem mal.

Os exageros, como os grandes pulos, as quedas do alto, os murros fantásticos e as muitas balas de revólver que miram e não acertam evidenciam a predominância do estilo sobre a substância. Isso, por si só, não seria um problema. Mas Miller e Rodriguez querem chocar sem conteúdo, buscam desesperadamente fazer algo escandalizante, mesmo com um material fraco. Diretores como David Fincher ou Martin Scorsese fazem esse tipo de coisa facilmente. Mas esta seria uma comparação covarde.

O Marv de Mickey Rourke continua sendo uma das melhores coisas do filme

O Marv de Mickey Rourke continua sendo uma das melhores coisas do filme

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *