Oscar 2014 – a cerimônia!

por Marcelo Seabra

Oscars

Ellen DeGeneres fez uma introdução bem levinha, até comportada, e deu a palavra a Anne Hathaway para o Oscar de melhor ator coadjuvante. Conforme esperado, Jared Leto levou. Fez um discurso bem abrangente e bonito, lembrando a luta da mãe para criar os filhos, passando por toques políticos sobre a Ucrânia e a Venezuela, as vítimas da AIDS, pessoas com estilos de vida considerados diferentes e, claro, a equipe do filme Clube de Compras Dallas.

Jim Carrey mostra um clipe sem qualquer razão de ser com cenas de animações diversas. Nada é premiado, nada é apresentado, apenas a moral de Carrey é levantada. Segue o primeiro número musical de uma indicada a melhor canção: Happy (de Meu Malvado Favorito 2), de Pharrell Williams, que chamou Lupita Nyong’o, Meryl Streep e Amy Adams para dançar de pé com ele.

Melhor figurino para O Grande Gatsby e maquiagem e cabelo para Clube de Compras Dallas. Primeiros clipes dos indicados a melhor filme: Clube de Compras Dallas, Trapaça, O Lobo de Wall Street. Matthew McConaughey e Kim Novak apresentam melhor curta animado: Mr. Hublot. E depois os indicados a melhor longa de animação, que foi Frozen. Sally Field mostra um clipe com diversas cenas de personagens heroicos, líderes e lutadores – também sem nenhuma razão de ser.

Melhores efeitos visuais fica com Gravidade, como previsto. Zack Ephron (com o cabelo do Syndrome, de Os Incríveis) apresenta o segundo número musical da noite: Karen O cantando o tema de Ela, a balada The Moon Song. O melhor curta metragem é Helium, o melhor documentário em curta metragem é The Lady in Number 6 e o melhor documentário em longa metragem é Twenty Feet from Stardom. A sequência se encerra com o melhor filme em língua estrangeira: A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino.

ellen

Nos dois prêmios de som, mixagem e edição, dá Gravidade. Christophe Waltz entra para chamar a melhor atriz coadjuvante, que não poderia ser outra a não ser a estreante Lupita Nyong’o. Ela faz um agradecimento emocionado a Solomon Northup, o personagem e autor do livro 12 Anos de Escravidão, a todo o elenco, à família e a todos mais que pôde. Uma piada com pizza, com Ellen recebendo o entregador no palco e a distribuindo a convidados escolhidos a dedo, e temos a mensagem da presidente da Academia. O melhor diretor de fotografia é ninguém menos que Emmanuel Lubezki, mais um prêmio para Gravidade. Bill Murray, que chamou o prêmio com Amy Adams, aproveitou para homenagear o falecido Harold Ramis, já saudoso.

Como melhores editores, levam Mark Sanger e o próprio Alfonso Cuarón, diretor de Gravidade, no quinto prêmio do longa. A música corta seu discurso, mas a cara de feliz diz tudo. E logo ele deve voltar como melhor diretor. Whoopi Goldberg, renascida dos mortos, anuncia uma homenagem não explicada ao Mágico de Oz, e Pink entra para cantar o clássico (Somewhere) Over the Rainbow. Após o comercial, Ellen volta como uma fada e anuncia o próximo prêmio, o de design de produção, que fica com o elaborado O Grande Gatsby.

A homenagem aos falecidos do ano conta com o nosso Eduardo Coutinho ao lado de muita gente boa, como Peter O’Toole, Harold Ramis, Elmore Leonard, Richard Matheson, entre outros. Citando até o crítico Roger Ebert, numa lembrança mais que apropriada, o clipe termina com o recém falecido Phillip Seymour Hoffman. Só não houve tempo para incluir o grande Alain Resnais, que nos deixou no sábado. Faltas sentidas e inexplicáveis: Tom Clancy e Dennis Farina.

Ellen volta afirmando ter quebrado os recordes de compartilhamento do Twitter com a foto que tirou com atores na plateia. Clipes de Philomena, Capitão Phillips e 12 Anos de Escravidão, indicados a melhor filme. John Travolta anuncia a indicada Let It Go, com uma mulherzinha esgoelando, da trilha de Frozen. Idina Menzel quem? OK, da Broadway, mas chata do mesmo jeito. Entre as cinco melhores trilhas sonoras, o prêmio é o primeiro de Steven Price, de Gravidade. E a canção é Let It Go, que levou tudo o que havia pela frente, e os compositores são basicamente os Flanders.

CateNo bloco seguinte, são anunciados os dois prêmios de roteiro. Nada foge do script que presumimos. O adaptado, baseado no livro do personagem, é 12 Anos de Escravidão, para John Ridley. Já o original fica para Spike Jonze e seu lindo Ela. Angelina Jolie e Sidney Poitier chamam o melhor diretor. O projeto dos sonhos de Cuarón ganhar tantos prêmios só podia significar que ele, idealizador do projeto, também levaria. Daniel Day-Lewis, melhor ator do ano passado, anuncia Cate Blanchett como melhor atriz, de longe a mais merecedora, por Blue Jasmine. Com toda a classe que lhe é característica, ela reverenciou as colegas indicadas e agradeceu a Deus e todo mundo.

MattDentre ótimos indicados, o melhor ator acabou ficando com Matthew McConaughey, de Clube de Compras Dallas. Ainda não foi a vez de Leonardo DiCaprio ou Chiwetel Ejiofor, ambos muito bons, e é uma pena que Bruce Dern não seja o agraciado. O melhor filme, roubando essa satisfação de Gravidade, foi 12 Anos de Escravidão, e deu a Brad Pitt seu primeiro Oscar – como produtor, claro. O diretor, Steve McQueen, representou a equipe, sendo apresentado por Pitt, e essa foi a última estatueta da noite. Um bye bye de Ellen DeGeneres e está encerrada a cerimônia. Comparando os palpites de ontem (nessa mesma página) e os resultados, percebe-se que O Pipoqueiro só errou uma. Boa noite!

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Filmes, Notícia, Premiações e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Oscar 2014 – a cerimônia!

  1. Leonardo disse:

    O Lobo foi o injustiçado da noite, uma pena.

  2. Só pra constar foi cantado o tema de O Mágico de Oz, para homenagear o filme que comemorou 75 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *