Sandra Bullock se esforça em comédia sem graça

por Marcelo Seabra

The Heat posterApresentar um filme lembrando seu “parentesco” com Missão Madrinha de Casamento (Bridesmaids, 2011) já deveria enterrá-lo de cara. Isso, em um mundo perfeito. No nosso, o filme está praticamente destinado ao sucesso. Um roteiro fraco que serve como mera desculpa para um desfile de piadas de mau gosto: essa também é a descrição de As Bem Armadas (The Heat, 2013), que falha até nos momentos engraçados que deveria ter. Melissa McCarthy é a eterna gordinha mal humorada e isso, por si só, parece ser garantia de bilheteria.

Como McCarthy não consegue segurar um filme sozinha (ela sempre precisará de um “escada” para depositar suas reclamações), temos no papel principal ninguém menos que Sandra Bullock, oscarizada por Um Sonho Possível (The Blind Side, 2009), mas mais lembrada pelos dois Miss Simpatia (Miss Congeniality, 2000 e 2005). Novamente no papel de uma policial competente mas inábil socialmente, ela é Sarah Ashburn, uma agente do FBI a um passo de uma promoção, ou assim ela acredita. Seu chefe (o desperdiçado Demian Bichir, de Selvagens, 2012) a designa para uma nova missão para que ela, além de provar sua competência, mostre que sabe trabalhar em equipe.

The Heat scene

Chegando em Boston para investigar o caso das drogas de perto, Ashburn se vê obrigada a colaborar com a desbocada Mullins (McCarthy), detetive local que tem um irmão metido no submundo. Portanto, as duas têm motivos fortes para capturar o traficante mor, mas antes precisarão descobrir quem ele é. Obviamente, na interação entre as duas, teremos situações que deveriam ser hilárias, apesar de já vistas em diversas outras produções. Bullock ainda consegue trazer certa simpatia para sua personagem, uma mulher travada, cheia de regras, que parece querer ser mais simples e relaxada, mas não consegue lutar contra a sua natureza. Já Mullins é o tipo de estereótipo que você não explica como durou na polícia. A produção se esforça para mostrar que, apesar de anticonvencional, ela é comprometida. Talvez, ela ainda esteja lá por ter um chefe banana que não sabe o que fazer com ela (papel de Thomas F. Wilson, para sempre lembrado como o Biff Tannen da trilogia De Volta Para o Futuro).

O roteiro, de Katie Dippold (da série Parks and Recreation), consegue visitar todos os clichês desse subgênero “policiais-de-personalidades-opostas-que-devem-se-ajudar”, e passa longe da graça que deveria ter. O diretor, Paul Feig, não traz nada de novo, apostando na fórmula que funcionou em seu Madrinhas de Casamento. Afinal, foram mais de US$288 milhões arrecadados pelo mundo. As Bem Armadas já levou mais de US$220 milhões desde o fim de junho, quando foi lançado nos Estados Unidos. A continuação, claro, já está garantida. Ao menos, poderemos tirar esse gosto ruim ao ver a esforçada Bullock na elogiada ficção-científica Gravidade (Gravity, 2013), que chega aqui em outubro.

Diretor reúne a equipe na premiere de NY

Diretor reúne a equipe na premiere de NY

Sobre Marcelo Seabra

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM | Instagram - @opipoqueiroseabra
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *