Novo de Terrence Malick chega aos cinemas

por Marcelo Seabra

To the Wonder

Conhecido por ser avesso a aparições e pelo espaço entre as obras que assina, Terrence Malick parece estar se desfazendo desse segundo item. Foram seis anos entre O Novo Mundo (The New World, 2005) e A Árvore da Vida (Tree of Life, 2011), mas apenas mais um para Amor Pleno (To the Wonder, 2012), novo trabalho do diretor que finalmente chega aos cinemas brasileiros. E já há outros três projetos listados para Malick. Os temas abordados tendem a permanecer os mesmos, com o ser humano e suas peculiaridades em estudo.

Terrence MalickOutra ideia, essa preconceituosa e burra, que geralmente aparece quando se fala de Malick (ao lado) é que ele é um gênio, tudo o que ele faz é fantástico e quem não gosta não entendeu. Como se não fosse possível entender e não apreciar. Amor Pleno, por exemplo,  parece não ter foco, tem narrações pretensiosas que praticamente substituem os diálogos e coloca seu protagonista em uma situação difícil de acompanhar. Não que sejam só problemas, mas o resultado na balança não favorece. A própria falta de diálogos deixa implícita a fé no público, que conseguiria entender tudo sem precisar de explicações, o que é bom. Mas muita coisa fica no ar, em aberto.

Ben Affleck vive o sujeito que parece ser o cerne do longa. Apesar de ser o principal, ele é o que menos se manifesta e a câmera parece fugir dele, reforçando a ideia de um conflito interno, de uma figura tímida e sem respostas claras quanto ao futuro. Com esta atuação minimalista, Affleck se dá bem, mas continua funcionando melhor como diretor (Argo está aí para provar isso). A personagem que alimenta a projeção e cativa o público é a estrangeira vivida por Olga Kurylenko (de Oblivion, 2013). Os dois se conhecem em Paris, começam um romance e acabam indo aos Estados Unidos, morando em uma casinha do interior em uma cidade calma e honesta, aos olhos da moça. Tratando-se de Malick, fica difícil falar em trama, as coisas apenas vão seguindo um rumo e acontecendo. Cabe ao espectador acompanhar a trajetória e interpretar os símbolos dispersados pelo diretor.

Ben Affleck Rachel McAdams

Outros dois destaques do elenco trazem mais interrogações que esclarecimentos. Rachel McAdams (de Meia-Noite em Paris, 2011 – acima) cruza a vida do tal cara pela segunda vez. Fica claro que eles já se conheciam e ela aparece novamente, complicando as emoções dele. E o padre de Javier Bardem (de 007 – Operação Skyfall, 2012) se questiona a respeito de sua fé, ficando totalmente a cargo do espectador definir a importância do personagem para os demais. As teorias possíveis são várias, como a metáfora da busca por Deus em comparação com a busca pelo amor, ambas para se ter um preenchimento para uma existência sem sentido. Ou simplesmente pode-se concluir que Malick não sabia o que fazer com o padre na sala de edição, e reduziu sua participação sem cortá-la totalmente por dó de dispensar um ótimo ator. Outros não tiveram a mesma sorte: Rachel Weisz, Jessica Chastain, Michael Sheen, Amanda Peet e Barry Pepper, todos limados.

Emmanuel Lubezki já é um freqüente colaborador do diretor (em Árvore da Vida e O Novo Mundo, além dos próximos) e as cenas que ele capta são de uma beleza que dificilmente sai da cabeça. Ele consegue transformar cenários comuns e mundanos em fotos marcantes, mostrando que as emoções dos personagens são fundamentais para definir seu ponto de vista quanto ao ambiente, a poesia do local varia de acordo com o humor deles. A trilha de Hanan Townshend varia do clichê ao grandioso, ele é bem sucedido na maior parte. Com tão poucas falas, uma trilha ruim ficaria muito evidente, e o compositor se sai bem. São estes dois pontos altos de Amor Pleno, longa que deve seguir dividindo opiniões, da mesma forma que fez quando lançado no Festival de Veneza em 2012, ocasião em que ouviu-se muitas vaias.

Belas imagens não faltam

Belos quadros não faltam

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *