João e Maria viraram caçadores de bruxas

por Rodrigo “Piolho” Monteiro

Hansel and Gretel Witch Hunters

O mundo do entretenimento vive de fases. Sempre que algo faz um relativo sucesso, a ideia é que aquele filão seja sugado ao ponto de esgotamento até que a nova tendência apareça. Isso é algo que se reflete em todos os campos do entretenimento e, obviamente, Hollywood não ficaria de fora. João e Maria: Caçadores de Bruxas (Hansel & Gretel: Witch Hunters, 2012) é o mais recente derivado da nova onda hollywoodiana, aquela de produzir filmes recontando clássicos da literatura mundial – especialmente as popularizadas pelos irmãos Grimm – em uma roupagem mais moldada para agradar à audiência atual, especialmente os adolescentes fãs de obras na linha de Crepúsculo.

Foram repaginadas, nessa moda, Chapeuzinho Vermelho (A Garota da Capa Vermelha, 2011) e Branca de Neve (Branca de Neve e o Caçador, 2012). Poderíamos adicionar aí Espelho, Espelho Meu (Mirror Mirror, 2012), que traz outra versão para a mesma história de Branca de Neve e o Caçador. A diferença entre Espelho, Espelho Meu e os demais é o enfoque: enquanto este é mais uma comédia romântica, os demais tentam trazer uma profundidade e um clima sombrio inexistentes aos contos originais – ainda que o termo “originais” aqui seja mal colocado. Afinal, é fato que os contos da tradição alemã eram originalmente muito mais sombrios do que aqueles popularizados pelos Grimm.

Hansel and Gretel storyDivagações à parte, o diretor e roteirista Tommy Wirkola (de Zumbis na Neve, 2009) usa quase a totalidade da história dos Grimm como premissa. Abandonados na floresta por seu pai lenhador, os irmãos João e Maria se deparam com uma casa feita de doces. Ao entrar na casa, são vítimas de uma bruxa que os escraviza. Maria é posta para trabalhar, enquanto João é preso em uma jaula e alimentado à força. A bruxa, canibal, visa assar e devorar o menino. Assim como no conto original, os irmãos conseguem se aproveitar de um descuido da bruxa – ainda que no filme haja um elemento importante para a trama que é aqui adicionado para que sua história tenha mais consistência – e prendê-la no mesmo forno no qual ela assaria João. A bruxa morre carbonizada e os irmãos saem impunes.

Quinze anos depois, João (Jeremy Renner, de Os Vingadores, 2012) e Maria (Gemma Arterton, de O Príncipe da Pérsia, 2010) são dois famosos caçadores de bruxas que vendem seus serviços a vilarejos e cidades que tenham problemas dessa natureza. Contratados, eles vão parar em uma pequena vila na qual 11 crianças haviam desaparecido recentemente. O xerife do local (Peter Stormare, de O Último Desafio, 2012) diz ter prendido a bruxa, uma habitante local chamada Mina (a modelo Pihla Viitala). Quando se prepara para queimá-la, é impedido pelos irmãos, que ensinam à população local como identificar bruxas de verdade.  Mina é libertada e os irmãos ganham um inimigo na figura do xerife.

Hansel and Gretel FamkeA partir daí, os irmãos partem em busca da verdadeira culpada pelos sequestros e acabam descobrindo-a na figura de Muriel (Famke Janssen, das franquias X-Men e Busca Implacável), uma grande bruxa com um plano ambicioso. Dali a três dias haverá um eclipse lunar, que acontece apenas uma vez por geração. Com o sacrifício de 12 crianças – uma nascida em cada mês – e o coração de uma grande bruxa branca, ela poderá produzir uma poção que tornará as bruxas imunes ao fogo. Se levarmos em conta que na Idade Média milhares – se não milhões – de mulheres foram queimadas pela Inquisição por serem consideradas bruxas, até que a ambição de Muriel faz sentido.

João & Maria: Caçadores de Bruxas é um filme divertido. Ele segue a mesma linha de Van Helsing (2004), ou seja, os figurinos e armas dos caçadores estão bem à frente da tecnologia do período histórico ali retratado. Mas, ao contrário do filme protagonizado por Hugh Jackman, não se leva nem um pouco a sério. Prova disso é o fato de um dos habitantes do vilarejo ter um álbum de recortes dos feitos dos irmãos e atuar como um fã abobado perto deles. A história segue o padrão pra esse tipo de produção, mas há uma preocupação saudável em encher o roteiro com sequências de ação e fica para depois qualquer aprofundamento no passado dos personagens. Há explicações sobre porque todos eles fazem o que fazem e como o fazem que são bastante satisfatórias dentro do contexto desse tipo de filme. As atuações de Renner, Arterton e Janssen são corretas, de forma que, se não impressionam, também não decepcionam.

Se há alguma surpresa no filme, ela está apenas na opção dos diretores por mostrar bastante sangue e um pouco de nudez (na sequência em que Mina e João estão se banhando em um lago), coisas que não estamos habituados a ver nesse tipo de filme, direcionados ao público adolescente.  Outro ponto positivo é o 3D, que se justifica mais do que na grande maioria dos filmes que utiliza esse recurso. No fim das contas, João & Maria é mais do mesmo. Um pouco de diversão, sem muitas surpresas, com uma história cujos buracos no roteiro não incomodam e que tem potencial – já que foi planejado pra isso – para gerar mais uma franquia, dependendo do quanto faturar nas bilheterias. Não é nada que vai mudar a vida de ninguém, mas cumpre seu papel como entretenimento puro e simples. E curto, já são apenas 88 minutos de duração.

Renner entre suas belas colegas, Famke e Gemma

Renner entre suas belas colegas, Famke e Gemma

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para João e Maria viraram caçadores de bruxas

  1. Pingback: João e o Pé de Feijão é outro conto infantil nos cinemas | opipoqueiro

  2. GISELLI DA SILVA CORDOVA disse:

    genial.para mi, ele um extraordinario caçador e lindo e metgo com sua irma genial maria,mas elas como maria e a bruxa mureel sao lindas mais quero ser uma caçadora e nao ser caçada,kkkkkkkkkkkk, parabens aos diretores espero que tenha a continuaçao , viva caçadores de bruxas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *