J. Edgar de Eastwood continua misterioso

por Marcelo Seabra

JEdgar

Fazer um filme sobre uma figura pública é sempre complicado. Muita gente pode ficar chateada, há muita vaidade envolvida. Mas esse nem é o principal problema: dependendo do biografado, muito ainda pode ser um mistério. Em J. Edgar (2011), o diretor Clint Eastwood tenta contar uma história nebulosa e junta dois tipos de informações: as que todo mundo já conhecia e as não-confiáveis, que devem ter sido deduzidas pelo roteirista ou pelo próprio personagem.

J Edgar HooverO que dizem de Woody Allen tem servido também a Eastwood: mesmo quando se trata de um filme menor de sua carreira, ainda é melhor que praticamente tudo mais que estiver em cartaz. O problema é que o que mais interessa na vida de John Edgar Hoover (ao lado), o eterno diretor do FBI, é a quantidade de segredos que ele guardava. Mas guardava tão bem que permaneceram assim. O filme se torna interessante, então, por abranger as quase cinco décadas em que ele ficou à frente da instituição que ajudou a criar, e passamos pela evolução do bureau. Hoje, parece que sempre se usou impressões digitais para investigar um crime, mas não era bem assim.

O roteirista do longa, Dustin Lance Black, é geralmente referenciado como ativista pelos direitos dos homossexuais, e seu trabalho mais famoso, pelo qual ganhou um Oscar, é sobre o primeiro político americano abertamente gay: Milk (2008). A escolha de Lance Black, portanto, já indica uma faceta de Hoover que será explorada pelo filme, algo que pode ter deixado muitos americanos insatisfeitos. Afinal, para o tal “americano médio”, é inconcebível que um grande herói da justiça e dos bons costumes seja gay. Ainda há bastante preconceito na sociedade. O próprio Hoover era o primeiro a condenar e zombar de homossexuais, além de acumular outros vários prenconceitos. Não havia, entre os agentes contratados por ele, negros ou mulheres.

J. Edgar traz uma das melhores interpretações de Leonardo DiCaprio, o que não é pouco, analisando-se seus trabalhos mais recentes. Ele se prepara para sua quinta colaboração com Martin Scorsese (The Wolf of Wall Street), diretor que já arrancou dele ótimas performances, como em O Aviador (The Aviator, 2004), no qual vive o excêntrico milionário Howard Hughes. Como Hoover era um sujeito sem um pingo de carisma ou simpatia, DiCaprio faz um ótimo trabalho se segurando, agindo com discrição e fazendo as coisas acontecerem à sua volta, mas sem chamar atenção para si. O monstro que Hoover parece ter sido (pelo que lemos ou ouvimos na mídia) não chega a dar a cara, mas fica muito claro que ele não se mantém tantos anos como (supostamente) o segundo homem mais importante do país sendo bonzinho ou seguindo as leis à risca. Para cada presidente eleito, parece haver um dossiê pronto com todos os dados necessários para uma chantagem.

J. Edgar

Os demais nomes do elenco também cumprem bem suas funções, mesmo que debaixo de quilos de maquiagem. Armie Hammer, o príncipe de Espelho, Espelho Meu (2012 – acima, com DiCaprio), é o único prejudicado pelo envelhecimento mal feito, mais parecendo um boneco de cera de Madame Tussauds. Mesmo assim, ele não fica atrás de Naomi Watts (de O Impossível, 2012) ou Judi Dench (de Skyfall, 2012), todos muitos competentes. Hammer vive Tolson, o braço direito e provável amante (platônico) de Hoover, enquanto Naomi é a secretária de extrema confiança e Judi faz a mãe, que transmite ao filhos todos os seus prenconceitos e receios.

Indo do que se sabe ao que se supõe, o roteiro mostra passagens históricas importantes para a história dos EUA, mas se preocupa mais em apresentar o homem por trás do mito. O sequestro do bebê Lindbergh, por exemplo, foi extensamente documentado, e no entanto sempre há detalhes até então desconhecidos. Há passagens em que se há a clara impressão que o filme está suavizando certos fatos e características de seu protagonista, mas há que se dar um desconto. Como é Hoover quem dita sua história para um funcionário datilografar, ele lembra da forma que acha mais interessante. Como Tolson coloca, as informações no livro que Hoover está escrevendo vão de exageros lisonjeiros a mentiras grosseiras. Em momento algum, diz-se que o filme é uma aula de história. Alguém razoavelmente informado saberá separar, no conforto do sofá, fatos de possibilidades, ou ao menos ficará com um pé atrás.

O diretor Eastwood orienta seu astro

O diretor Eastwood orienta seu astro

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Filmes, Homevideo, Indicações, Personalidades e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas para J. Edgar de Eastwood continua misterioso

  1. Pingback: O Cavaleiro Solitário revisita o Velho Oeste | opipoqueiro

  2. Pingback: O terror chega pelos céus | opipoqueiro

  3. Pingback: Clint Eastwood leva The Four Seasons ao Cinema | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *