Cronenberg conta os primórdios da psicanálise

por Marcelo Seabra

Há alguns anos, assisti a um filme chamado Jornada da Alma (Prendimi l’anima, 2002) que, apesar de não causar nenhuma impressão suficientemente forte, trazia uma história interessante. O foco era no relacionamento do renomado psiquiatra Carl Gustav Jung com uma paciente que viria a se tornar também uma médica, a perturbada e inteligente Sabina Spielrein. Tudo o que houve entre eles ia sendo descoberto por dois estudiosos, no presente, através de uma profunda pesquisa em documentos e cartas.

Quase dez anos depois, o diretor David Cronenberg, famoso por estranhezas como A Mosca (The Fly, 1986), Videodrome (1983) e Gêmeos – Mórbida Semelhança (Dead Ringers, 1988), decidiu voltar seu olhar para essa trama, bem mais convencional que seus trabalhos anteriores. O livro A Most Dangerous Method, de John Kerr, já havia dado origem à peça teatral The Talking Cure, de Christopher Hampton (Oscar de Roteiro Adaptado por Ligações Perigosas). Cronenberg, então, se aliou a Hampton, com a intenção de chamar Christoph Waltz, Christian Bale e Julia Roberts para os papéis principais.

Devido a conflitos de agenda, nenhum dos atores pôde se comprometer com Um Método Perigoso (A Dangerous Method, 2011), e acabaram escalados Viggo Mortensen (em sua terceira colaboração com o diretor), Michael Fassbender (em um de seus cinco filmes de 2011) e Keira Knightley (a mocinha da trilogia Piratas do Caribe). Por se tratar de um roteiro construído em cima de inúmeros diálogos (que parece manter a estrutura da peça), o trabalho dos três deveria ser impecável para não afundar a produção. Tirando os exageros de Keira, bem caricata na jornada inicial de sua personagem, a missão foi cumprida.

Sabina Spielrein (Keira) é uma russa de boa família que chega a um hospital psiquiátrico de Zurique para ser tratada por Carl Jung (Fassbender), o jovem médico que começava a se envolver com as teorias do admirado veterano Sigmund Freud (Mortensen). Usando a inovadora técnica da cura pela fala, Jung se propõe a ajudar Sabina e passa naturalmente a ser considerado por Freud seu sucessor. Da relação entre os três, a psicanálise se reforça, já que até então não era bem aceita no meio médico. As cartas entre os dois logo levam a encontros e Freud passa a exercer uma grande influência sobre Jung, como um pai e mentor. A leitura das cartas acaba se tornando um recurso constante, já que Zurique fica bem longe de Viena.

Com a melhora gradual de Sabina e sua dedicação à medicina, pretendendo ela própria se formar, uma aproximação não muito ética a Jung começa a acontecer. Há um outro personagem, Otto Gross (numa marcante participação de Vincent Cassel), que tem uma participação decisiva na história. Ideias cada vez mais conflitantes levam os doutores a se desentenderem, com Freud indicando o sexo como culpado pelos distúrbios da humanidade e Jung levantando hipóteses relacionadas a religião e a possíveis interferências de fenômenos paranormais. A jovem inadvertidamente acelera o fim da associação.

Quem se interessa pelo assunto vai gostar de ver os pontos levantados por cada um e até a impressão que um tinha do outro. Hampton acaba privilegiando os traços negativos da personalidade de cada um, já que Jung parece incorporar facilmente as influências de terceiros, enquanto Freud automaticamente transforma todos à sua volta em servos e seres intelectualmente inferiores. Apesar de não desenvolver seus personagens tanto quanto poderia, Um Método Perigoso permite ao público tomar partido de quem julgar mais correto, além de reforçar a importância de Sabina para os eventos que cercam o nascimento da psicanálise.

Os debates entre Freud e Jung são os pontos altos do filme

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Indicações, Personalidades e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Cronenberg conta os primórdios da psicanálise

  1. Pingback: Clássico Pé na Estrada ganha adaptação fiel | opipoqueiro

  2. Pingback: Ronins e Ryan se encontram na mediocridade | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *