Muito barulho por um filme mediano

por Marcelo Seabra

Um filme descrito como “bonitinho” não costuma ser uma grande obra. Não que seja ruim, mas não acrescenta nada, com seus personagens maniqueístas e sua falta de conflitos. Histórias Cruzadas (The Help, 2011) é correto, com os envolvidos fazendo seu trabalho na média, o que resulta exatamente em um filme mediano. Não fosse pela atuação de seu elenco feminino, teria passado em brancas nuvens, indo direto para as locadoras. A indicação ao Oscar de Melhor Filme é incompreensível, e o roteiro e a direção de Tate Taylor passaram longe.

Os homens, em Histórias Cruzadas, são apenas adereços necessários, já que a história é sobre mulheres. As que contratam e as que são contratadas. E vemos claramente a divisória entre as personagens bacanas e as de mau caráter, sabendo claramente o que esperar de cada uma. O ano é 1963, em Jackson, Mississipi, cidade e estado símbolos da segregação racial nos Estados Unidos – inclusive, é noticiado o assassinato do ativista negro Medgar Evers. O período era conhecido como a “era de Jim Crow”, devido às leis que separavam os locais que brancos e negros poderiam freqüentar, como escolas, ônibus e até banheiros. Jim Crow era um nome comum atribuído a negros em geral, sempre com peso pejorativo, o que exemplifica bem o pensamento da época.

Skeeter Phelan (Emma Stone, de Amor a Toda Prova, de 2011) é uma jornalista recém formada que volta para casa depois de quatro anos fora. Enquanto tenta conseguir, à distância, um bom emprego em Nova York, ela começa a ver as relações à sua volta de outra forma. Por casa, entende-se uma cidade extremamente preconceituosa, que ainda trata os negros como escravos e as meninas, desde pequenas, já sabem que serão empregadas domésticas quando crescerem, e vão ganhar bem pouco. E o pior: elas acabam sendo mais ligadas aos filhos dos patrões que as próprias mães das crianças, que em sua maioria são dondocas que só se preocupam com a vida social nos clubes que frequentam. Ao menos, as mães do filme.

Um belo dia, no melhor estilo “garota branca resolve arrumar confusão para ajudar os negros (e salva o dia, como fez Sandra Bullock em Um Sonho Possível, de 2009)”, Skeeter resolve escrever um artigo sobre as empregadas das casas sulistas. Como a de sua própria casa, que a criou, sumiu em sua ausência (e as desculpas evasivas da mãe não convencem), ela procura a empregada de uma amiga, a aparentemente perfeita Hilly Holbrook (Bryce Dallas Howard, de Além da Vida, de 2010). Os espectadores já sabem de antemão que ela é uma víbora, mas a maior parte dos convivas dela nunca chegarão a esta opinião, já que partilham de sua visão de mundo.

As duas empregadas que, embora relutantes no início, acabam ajudando Skeeter com as histórias de suas vidas é que roubam o show, e o filme deve seu sucesso a elas. Viola Davis, indicada ao Oscar anteriormente por Dúvida (em 2009), emplacou uma indicação como atriz principal, assim como sua colega Octavia Spencer (de Um Jantar para Idiotas, de 2010), que entrou como coadjuvante. As duas personagens, apesar de grandes amigas, têm personalidades bem diferentes: Aibileen (Viola) é resignada, vive de luto pelo filho, enquanto Minny é impulsiva e atrevida. Também foi lembrada pela Academia a onipresente Jessica Chastain, que vive uma peruaça de bom coração. Recentemente, ela chamou a atenção em Árvore da Vida, O Abrigo, No Limite da Mentira e Em Busca de um Assassino, para citar apenas 2010 e 2011.

Com quatro indicações ao Oscar (e chances reais de converter duas: Viola e Octavia), Histórias Cruzadas mostra que 2011 foi um ano fraco para o cinema americano. Só assim para ele estar entre os nove considerados melhores do ano pela Academia. E tem pelo menos outros três títulos dispensáveis nessa lista. Vamos torcer para que, ao menos no resultado final, haja justiça. O livro de Kathryn Stockett foi recusado por 60 editoras até que uma aceitasse a publicação. Vendeu muito, assim como este filme, do amigo Taylor, tem tido um grande público. O que não atesta muita coisa.

A empregada é invisível para as ricas madames

Sobre Marcelo Seabra

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM | Instagram - @opipoqueiroseabra
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Premiações e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

19 respostas para Muito barulho por um filme mediano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *