X-Men chegam aos cinemas de caras novas

por Marcelo Seabra

Se até personagens obscuros de filmes ruins de terror têm direito a uma pré-continuação, máquinas de fazer dinheiro de grandes estúdios logo estariam na fila. Depois de três filmes de sucesso com o super-grupo e uma aventura solo de Wolverine que, mesmo sendo ruim, deu lucro, era hora de aproveitar os X-Men de outra forma. E o melhor: com um elenco mais barato e com egos menores. Esses planos foram desenvolvidos até que se chegasse a X-Men: Primeira Classe (X-Men: First Class, 2011), que estreia nos cinemas brasileiros nesta sexta.

Num primeiro momento, a série Origens seria desenvolvida para as histórias dos personagens, tratados individualmente. Começariam por Wolverine e Magneto, mas só o primeiro realmente vingou. Os executivos perceberam que o momento crucial da história de Magneto teria que ser relacionado ao encontro com Charles Xavier. Daí a envolver outros jovens mutantes foi um pulo. Os fãs dos quadrinhos pareciam confiantes por terem a direção de Bryan Singer, que comandou os dois primeiros X-Men – o segundo conseguiu ser ainda melhor que o primeiro! Singer acabou ficando apenas como produtor, para dirigir Jack The Giant Killer (2012), e os problemas começaram.

O roteiro passou por várias mãos, o projeto ficou dois meses sem diretor e a incerteza tomou conta. De alguma forma, o que seria um fracasso para os estúdios Marvel acabou se tornando uma excelente adaptação de quadrinhos de heróis, provando novamente que os executivos da Casa das Ideias sabem o que fazem. Isso, se você não for um fã xiita que vai fazer cara feia para a primeira liberdade tomada. Afinal, seguir religiosamente o que foi estabelecido nas revistas nunca foi a intenção aqui. O roteiro só foi finalizado durante as filmagens, mas amarrou tudo perfeitamente, sempre dando as informações desejadas de forma bem fluida. Ele inclusive faz a ponte entre a ficção dos quadrinhos e a história real, ambientando a trama durante a crise dos mísseis, com direito até a pronunciamento do Presidente Kennedy.

O começo do filme repete uma cena do primeiro X-Men (2000), quando um garoto é separado dos pais num campo de concentração. A pequena demonstração de poder do jovem Erik é vista ali, e um vilão misterioso se interessa por ele. Sebastian Shaw (Kevin Bacon, ator que provavelmente pode ser ligado a qualquer outro com até seis graus de separação) consegue provocar Erik até ver uma grande manifestação, e começa então a obsessão que colocará o amargurado Erik, já nos anos 60 (vivido por Michael Fassbender, de Centurião, de 2010 – ao lado), na caça dos nazistas que o aprisionaram.

Perseguindo Shaw, Erik cruza o caminho de Charles Xavier (James McAvoy, de O Procurado, de 2008), um poderoso telepata que oferece ajuda à CIA para capturar o vilão. A partir daí, a amizade entre os dois é construída, algo que o roteiro faz funcionar muito bem. Sabemos que os dois se tornarão antagonistas e que, a qualquer momento, um grande desentendimento irá surgir. Mas, ao contrário de outros “filmes de origem”, as saídas não são óbvias. E ainda temos a participação de outros personagens interessantes, que chegam a ser desenvolvidos o suficiente para nos importarmos com eles.

Xavier, Banshee, Destrutor, Erik e Mística

A escolha de quem apareceria no longa não fez os tais fãs xiitas felizes, já que a primeira turma X dos quadrinhos era bem diferente. A proposta era usar nomes diferentes dos trabalhados nos filmes anteriores, descartando ícones como Ciclope, Jean Grey, Tempestade, Anjo e os demais. Entram em campo, então, Mística (Jennifer Lawrence), Hank McCoy (Nicholas Hoult), Alex Summers (Lucas Till) e Sean Cassidy (Caleb Landry Jones), para ficar nos principais. O elenco jovem funciona muito bem, o que era essencial para que se tivesse a classe do título. E há referências e citações suficientes, até com direito a participação especial!

Assim como o Wolverine de Hugh Jackman funciona como o condutor da trama da trilogia dos mutantes, o Magneto de Michael Fassbender é o âncora de Primeira Classe. E a força do ator é impressionante, não deixando nada a dever a Sir Ian McKellen, que defendeu o personagem antes. A interação entre ele e James McAvoy se estabelece rapidamente, o que é fácil quando se tem um poderoso inimigo em comum – o Clube do Inferno, chefiado por Shaw. Kevin Bacon (acima) é outro destaque desse ótimo grupo, sempre com muita classe e segurança e devidamente preparado visualmente para os anos 60. Inclusive, as cenas que ilustram a época são ótimas. E January Jones (à direita), a musa de Mad Men, também merece uma menção honrosa, chamando toda a atenção na lingerie de Emma Frost. A maquiagem do capanga Azazel (Jason Flemyng) fica devendo à do Noturno de X-Men 2, mas não compromete.
 
Originalmente escalado para dirigir X-Men 3 (2006), Matthew Vaughn (de Kick-Ass, 2010) alegou “diferenças criativas” e pulou fora. Com mais tempo e menos pressão, assumiu X-Men: Primeira Classe e literalmente deu uma direção ao projeto, conseguindo um inesperado e bem-vindo resultado. Como é moda em Hollywood, pode-se esperar por uma trilogia. Se a qualidade for mantida, ninguém vai se importar de ver mais mutantes no cinema. Mesmo que não tenha ponta do Stan Lee ou cena escondida no final.

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Adaptação, Estréias, Filmes, Indicações, Quadrinhos e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para X-Men chegam aos cinemas de caras novas

  1. Marcelo:
    Será que eu sou o único ser humano que percebeu que este prequel tem uma falha gritante no roteiro? O clímax final é fantático (opa! Este é outro filme rsrs), mas é verdadeiro erro de continuidade do estúdio. Como é que o Xavier ficou paraplégico na “Primeira Turma”, se em X-men Origens: Wolverine, arregimenta o Ciclope (numa espécie de 2ª Classe) em pleno uso de suas pernas. O mesmo se vê em X-men Last Stand, pois quando Xavier e Magneto vão até a casa da jovem Jean Gray ele já está carreca, e andando! Ou seja, teria perdido o movimento das pernas em um momento bem mais tardio do que aquele apresentado em “First Class”. Será que nenhum executivo da Marvel percebeu isso?

    • opipoqueiro disse:

      Acredito que, antes de mais nada, a ideia aqui era fazer um filme independente. Pelos quadrinhos, sabe-se que a relação de amizade entre Erik e Charles era forte, mas foi cada um para um lado. Primeira Classe procura explorar isso sem se prender aos outros longas. Inclusive, é bom ressaltar: Wolverine Origens é bem ruim!

      • Silas Aires disse:

        É verdade Marcelo, o 1º Wolverine é horrível! Tomara que esqueçam tudo e rebobinem em Wolverine 2. Mas fico com a impressão que os roteiristas somente foram fieis exclusivamente aos argumentos da saga elaborados por Bryan Singer. É a megalomania do produtor, que “deleta” aquilo que ele não criou.

  2. Rafael disse:

    O filme é muito fraco. Muito mesmo. Um amigo escreveu no nosso blog tudo que não gostou no filme. Aparece lá pra comentar: http://fantasticocenario.com.br/2011/10/31/queime-vaca-queime-x-men-primeira-classe/. Abraço!

  3. Pingback: O poço de Nicolas Cage é bem fundo | opipoqueiro

  4. Pingback: O sexo chama a atenção, mas é a tristeza que se sobressai | opipoqueiro

  5. Pingback: Diversas referências compõem os Jogos Vorazes | opipoqueiro

  6. Pingback: Lincoln é vítima de uma Conspiração Americana | opipoqueiro

  7. Pingback: Liam Neeson arruma confusão em outro país exótico | opipoqueiro

  8. Pingback: Para assistir no Carnaval – ou não! | opipoqueiro

  9. Pingback: Allan Poe é novamente a inspiração em The Following | opipoqueiro

  10. Pingback: João e o Pé de Feijão é outro conto infantil nos cinemas | opipoqueiro

  11. Pingback: Bom elenco é a atração de filme morno | opipoqueiro

  12. Pingback: Leonardo Da Vinci é o mais novo detetive da TV | opipoqueiro

  13. Pingback: Passado de Michael Fassbender tem coisa boa | opipoqueiro

  14. Pingback: R.I.P.D. é tão morto quanto os personagens | opipoqueiro

  15. Pingback: James Wan comanda mais um Sobrenatural | opipoqueiro

  16. Pingback: Fargo é o novo destaque na TV | opipoqueiro

  17. Pingback: X-Men de ontem e amanhã se encontram | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *