A Ademg informa: Covid 7×1 Bolsonaro: relembre todos os gols contra do Messias

O presidente Bolsonaro errou absolutamente tudo sobre coronavírus e Covid. Agora, disse que segunda onda é conversinha

Em que mundo vive este sujeito? (Imagem: Google)

Em meio ao recrudescimento da pandemia em todo o mundo – inclusive no Brasil, sim, senhor! – nosso Capitão Cloroquina, o maior e mais perigoso negacionista psicopata da atualidade, voltou a assombrar o País e o planeta com seus pensamentos desconexos, obscurantistas, desumanos e de viés genocida.

O amigão do Queiroz não consegue explicar os famosos “micheques” na conta corrente da esposa, mas imagina que dá aula (de pura mentira e ignorância, claro) sobre coronavírus. Por óbvio, errou em absolutamente tudo. Senão, vejamos:

Corona 1×0: Em 9 de março, disse: “Está superdimensionado o poder destruidor desse vírus”. Pois é. São 60 milhões de casos no mundo, com quase 1.5 milhão de mortos.

Corona 2×0: Em 18 de março: “Já tivemos problemas mais graves no passado e não teve essa comoção nacional”. Faltou, como sempre, dizer quais problemas foram mais graves.

Corona 3×0: Em 22 de março, profetizou: Morrerá menos gente que de gripe H1N1, oitocentas e poucas pessoas. A realidade: passamos de 160 mil mortos por Covid-19.

Corona 4×0: Em 26 de março: “O brasileiro tem que ser estudado; ele não pega nada”. Dados atuais do Brasil: 6 milhões de casos oficiais.

Corona 5×0: Em 12 de abril, anunciou: “Parece que está indo embora essa questão do vírus”. Estamos em novembro e uma segunda onda começa a varrer a Europa. Nos EUA, dia após dia, recordes de casos. Só nesta sexta-feira, foram 200 mil novos doentes. No Brasil, nove capitais relataram aumento nas internações e mortes.

Corona 6×0: Em 16 de julho: “Também agora está aí, o Annita”, promovendo o vermífugo ao status da cloroquina.

Corona 7×0: Em 22 de outubro, delirou: “No Brasil, cloroquina tem 100% de cura”. Sem comentários, né.

Agora, o vendedor de cloroquina às emas do Alvorada (que lhe viraram as costas, diga-se), garante que é “conversinha” essa coisa de segunda onda. Danou-se! Pelo histórico acima, será um tsunami sem precedentes. Que Deus nos ajude.

Ah! O gol do dele? O VAR anulou! Era só outra mentira.

P.S.: Não sabe o que significa “Ademg informa”? Então tá muito novinho(a), hehe

Leia mais artigos meus em: IstoÉEstado de Minas e Facebook
 
** Atenção: Este texto não reflete a opinião do Portal UAI, e é de responsabilidade exclusiva do seu autor**

9 thoughts to “A Ademg informa: Covid 7×1 Bolsonaro: relembre todos os gols contra do Messias”

  1. Cronologia da irresponsabilidade dos políticos brasileiros no combate ao Covid-19.
    Dia 03 de fevereiro de 2020 – Governo Federal alerta para o perigo do Covid e recomenda que sejam adotadas medidas para evitar aglomerações no Brasil.
    Dia 25 de fevereiro de 2020 – Primeiro caso de Covid-19 no Brasil (turista brasileiro vindo da Itália.
    Dia 26 de fevereiro de 20202 a 02 de março de 2020 – Recorde de aglomerações no carnaval globocovideza em especial o paulista, carioca e cearense com turistas estrangeiros e nacionais distribuindo vírus pelo país todo.
    dia 09 de março de 2020 – Governo federal desdenha da irresponsabilidade dos que não levaram a sério o decreto de alerta de 03 de fevereiro e mantiveram o carnaval.
    Dia 14 de março de 2020 – Primeira morte e início das medidas de proteção com a suspensão das aulas e fechamento do comercio e indústria.
    Dia 09 de março de 2020 – Com tanta gente contaminada, o governo federal e os estaduais, municipais, legislativo, judiciário e a mídia iniciaram a politização criminosa da pandemia, mudam critérios de apuração das pesquisas, fazem acusações mútuas sobre de quem seria responsável pela doença. Nesse vale tudo, até o prendo e arrebento da ditadura voltou a ser proposto para tirar da reta a responsabilidade pela importação do covid-19.
    15 de abril de 2020 – STF impõe revés ao governo federal ao anular, na prática, a MP do Covid-19 e o ministro da saúde estranhamente se esquece de defender o alerta do governo federal em fevereiro, pula do barco do governo e passa para o lado dos opositores.
    De lá para cá, até a disputa política sobre quem será o herói da vacina entrou no jogo.
    Não há mais como os responsáveis passarem por cima, maquiarem nem tentarem mudar os fatos, pois com tanta riqueza de detalhes, com ou sem VAR do STF, essa é a verdade ficará história do Brasil.

  2. Cronologia da irresponsabilidade dos políticos brasileiros no combate ao Covid-19.
    Dia 03 de fevereiro de 2020 – Governo Federal alerta para o perigo do Covid e recomenda que sejam adotadas medidas para evitar aglomerações no Brasil.
    Dia 25 de fevereiro de 2020 – Primeiro caso de Covid-19 no Brasil (turista brasileiro vindo da Itália.
    Dia 26 de fevereiro de 20202 a 02 de março de 2020 – Recorde de aglomerações no carnaval globocovideza em especial o paulista, carioca e cearense com turistas estrangeiros e nacionais distribuindo vírus pelo país todo.
    dia 09 de março de 2020 – Governo federal desdenha da irresponsabilidade dos que não levaram a sério o decreto de alerta de 03 de fevereiro e mantiveram o carnaval.
    Dia 14 de março de 2020 – Primeira morte e início das medidas de proteção com a suspensão das aulas e fechamento do comercio e indústria.
    Dia 09 de março de 2020 – Com tanta gente contaminada, o governo federal e os estaduais, municipais, legislativo, judiciário e a mídia iniciaram a politização criminosa da pandemia, mudam critérios de apuração das pesquisas, fazem acusações mútuas sobre de quem seria responsável pela doença. Nesse vale tudo, até o prendo e arrebento da ditadura voltou a ser proposto para tirar da reta a responsabilidade pela importação do covid-19.
    15 de abril de 2020 – STF impõe revés ao governo federal ao anular, na prática, a MP do Covid-19 e o ministro da saúde estranhamente se esquece de defender o alerta do governo federal em fevereiro, pula do barco do governo e passa para o lado dos opositores.
    De lá para cá, até a disputa política sobre quem será o herói da vacina entrou no jogo.
    Não há mais como os responsáveis passarem por cima, maquiarem nem tentarem mudar os fatos, pois com tanta riqueza de detalhes, com ou sem VAR do STF a verdade ficará história do Brasil.

  3. Olá Inundado, aproveito a ocasião para lembar de outra goleada tipo, privatização 7 X 0 Brasil: Vale estatal num arrebentava barragem, depois é um tal de vila e vidas indo rio baixo em Mariana, Brumadinho e etc; Em Macapá trevas, concessionário só quer enviar as contas, manutenção, necas. BR onde as praças dos pedágios funciona 24h todos os dias, mas manutenção e ampliação, nem pensar!

  4. Deixa eu ver se entendi, prefeitos e governadores com autonomia total dada pelo STF para fazer sua gestão sob o Covid , aí os números desabam méritos para eles, aí uma suposta segunda onda surge no mundo, será? E chega no Brasil, Seraaaaaaa? Aí a Culpa é do presidente. Meu caro declara seu amor pelo Doria e fecha essa porcaria de Blog.

  5. Não vou nem pedir perdão, mas se os quadrilheiros e seus aliados dos três poderes, de esquerda centro e direita voltarem a governar o Brasil como parece iminente e eu fosse o Bolsonaro, cancelaria de imediato, o título de brasileiro dado a Deus, por desmerecimento e suspeição.

  6. Cronologia da irresponsabilidade dos políticos brasileiros no combate ao Covid-19.
    Dia 03 de fevereiro de 2020 – Governo Federal alerta para o perigo do Covid e recomenda que sejam adotadas medidas para evitar aglomerações no Brasil.
    Dia 25 de fevereiro de 2020 – Primeiro caso de Covid-19 no Brasil (turista brasileiro vindo da Itália.
    Dia 26 de fevereiro de 20202 a 02 de março de 2020 – Recorde de aglomerações no carnaval globocovideza em especial o paulista, carioca e cearense com turistas estrangeiros e nacionais distribuindo vírus pelo país todo.
    dia 09 de março de 2020 – Governo federal desdenha da irresponsabilidade dos que não levaram a sério o decreto de alerta de 03 de fevereiro e mantiveram o carnaval.
    Dia 14 de março de 2020 – Primeira morte e início das medidas de proteção com a suspensão das aulas e fechamento do comercio e indústria.
    Dia 09 de março de 2020 – Com tanta gente contaminada, o governo federal e os estaduais, municipais, legislativo, judiciário e a mídia iniciaram a politização criminosa da pandemia, mudam critérios de apuração das pesquisas, fazem acusações mútuas sobre de quem seria responsável pela doença. Nesse vale tudo, até o prendo e arrebento da ditadura voltou a ser proposto para tirar da reta a responsabilidade pela importação do covid-19.
    15 de abril de 2020 – STF impõe revés ao governo federal ao anular, na prática, a MP do Covid-19 e o ministro da saúde estranhamente se esquece de defender o alerta do governo federal em fevereiro, pula do barco do governo e passa para o lado dos opositores.
    De lá para cá, até a disputa política sobre quem será o herói da vacina entrou no jogo.
    Não há mais como os responsáveis passarem por cima, maquiarem nem tentarem mudar os fatos, pois com tanta riqueza de detalhes e com ou sem VAR do STF, a verdade ficará história do Brasil.

  7. Cronologia da irresponsabilidade dos políticos brasileiros no combate ao Covid-19.
    03 de fevereiro, alerta sobre os perigos das aglomerações.
    25 de fevereiro, primeiro caso que não foi levado a sério.
    26 de fevereiro a 2 de março, carnaval com foliões agrupados e totalmente desprotegidos.
    09 de março de 2020, indireta de quem alertou sobre a irresponsabilidade do carnaval.
    14 de março de 2020, primeira morte e reuniões de emergência para suspender aulas e fechar comercio e indústria.
    09 de março de 2020, início da campanha dos governadores e legislativo usando o jeitinho brasileiro para terceirizar a responsabilidade pela pandemia vinda no carnaval.
    15 de novembro, guerra da vacina misteriosa, sem histórico algum vinda de laboratório sem tradição farmacêutica, situado no país de ar irrespirável e o mais poluidor do mundo e para fechar com chave de ouro, é lá da cidade onde nasceu o Covid-19.

  8. O meu computador não fala, computa.
    É hora de impichar juiz do TSE que se mete em assuntos políticos e não sabe nem como fazer gestão de votos nas urnas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.