Derrota de Donald Trump é um duro recado à extrema direita; entenda por quê

Líderes extremistas vêm destruindo a imagem da direita e dos conservadores. Nos Estados Unidos, as consequências já começaram

Um já foi. Falta o outro (Foto: Brendan Smialowski/AFP)

A célebre frase “é a economia, estúpido” cunhada pelo marqueteiro democrata James Carville, que previu a vitória do então desconhecido Bill Clinton sobre um fortíssimo George Bush, em 1992, continua viva e mais que válida. Nos EUA, Brasil ou Júpiter, eleitores votam com o bolso e a barriga cheios (ou vazios).

Trump conduziu os Estados Unidos a uma retomada econômica monumental. O liberalismo é – e sempre será! – a solução para os problemas criados por estatistas, expansionistas, socialistas e outros “istas” da espécie. Livre mercado e doses cavalares de democracia são a “CoronaVac” contra o atraso e subdesenvolvimento.

Não fosse a pandemia de Covid-19, Donald Trump serviria o mundo com mais quatro anos de arrogância, brutalidade, preconceito e unilateralismo, enquanto os americanos seriam agraciados, é verdade, com mais empregos e aumento de renda. Por pior que seja um presidente (como ser humano), ele é julgado pelo que faz; não pelo que diz.

A despeito da crise econômica causada pelo novo coronavírus, Trump poderia ser reeleito.Quando seu obscurantismo, egocentrismo e ódio se somaram ao desemprego, dívidas e falta de renda dos americanos, sua derrota tornou-se inevitável. Fosse ele um cara relativamente “normal”, talvez recebesse mais quatro anos de mandato.

Bolsonaro, um limitadíssimo e obscuro político do baixíssimo clero, não reúne condições intelectuais – e morais – para administrar sequer um condomínio de três casas e seis moradores. Para piorar, cerca-se, em grande parte, de gente ainda mais desqualificada (talvez na esperança de não se sentir tão pequeno quanto é).

Por isso, resolveu emular o bufão alaranjado norte-americano: se Trump é contra o isolamento, o amigão do Queiroz será. Se trump é contra a vacina chinesa, o marido da Micheque será. Se Trump acredita na cloroquina – para os outros, claro! – o pai do Flávio Rachadinha acreditará. Faltou, contudo, ser o Trump da economia.

O Brasil chegará em 2022 em frangalhos, à beira do apocalipse econômico. Contas estouradas, dólar nas alturas, desemprego gigantesco e crescimento – se houver – ínfimo. Como eu sei? Ora, basta abrir os olhos e deixar de acreditar em Papai Noel. O mundo estará, em boa parte, assim também. Por que raios Banânia estaria melhor?

Se a economia não servirá como ativo eleitoral a Jair Bolsonaro, tampouco lhe servirá o discurso contra a corrupção. Bater no PT e nas esquerdas também não produzirá mais tanto efeito prático. Sobraria, no limite, a imagem de um político “do bem”. Um cara humano, agregador, solidário. Mas este, certamente, não é o “mito”.

Pobre, doente e cada vez mais frustrado, o eleitor brasileiro estará cansado de insultos e de discórdia. Soldado fraco não luta na guerra! Outro dia escrevi, aqui mesmo neste espaço, que políticos como Trump e Bolsonaro estão matando a direita, com esse jeito asqueroso de serem e de agirem.

Ou Bolsonaro e sua malta aliviam a ira e a boçalidade, ou o Brasil correrá o sério risco de assistir ao retorno catastrófico da esquerda ao poder. Na falta de uma opção ao centro, é bom não facilitar, como estão facilitando estes boçais extremistas. Já tivemos doses suficientes de incompetência e corrupção.

Leia mais artigos meus em: IstoÉEstado de Minas e Facebook
 
** Atenção: Este texto não reflete a opinião do Portal UAI, e é de responsabilidade exclusiva do seu autor**

8 thoughts to “Derrota de Donald Trump é um duro recado à extrema direita; entenda por quê”

  1. Pois é. Acaba de ser encontrada a solução ideal para enfrentarmos a criminalidade política e midiática.
    Num país como o nosso tomado por milhares de corruptos, quadrilhões ocupando todos níveis dos órgãos públicos os alopros, as maracutaias e a roubalheira bilionária deve mesmo ser combatida jogando flores sem dó nos criminosos.
    Uma roleta russa de pétalas de margaridas puxadas pelo STF simbolizando o mal e bem me quer cairia muito bem.
    E viva o país da Sarneylândia do passado e da Lulândia sendo ressuscitada na marra no governo da Bolsolândia.

  2. Essa destridade ou canhotagem de ultra esquerda ou direita, centro ou qualquer política baseada em pontos cardeais, que diz nada com coisa nenhuma para enganar o trouxa do eleitor.
    Resumindo: Essa conversa não passa de junção de quem não presta com quem não vale nada, sem nenhuma proposta do que realmente interessa ao país.

  3. Olá Inundado, o fato é que a inflação em Pindorama já deve estar beirando os 30% do dia primeiro de 2019 para cá. Isso é muito ruim para a patuleia, os zé ninguens de sempre. Os Bolsonaros e os milicianos serão postos atrás das grades, haverá super hiper lotação nos presídios!

  4. Baby, Baby, Baby, eu avisei !! Agora, depois de 2 anos e meio é que você percebeu que fez campanha para um lixo, que nunca apresentou nada de produtivo em 28 anos de carreia política. Mas, o discurso é : “temos que tirar o PT”. Explica aí : como vou melhorar uma coisa, piorando essa coisa. Qual a lógica desse raciocínio ? Aliás, pede a ajuda do robô Robes Mendes para te ajudar, pois tá difícil de entender a cabeça dos Bolsomions, cada vez mais arrependidos !!! Embala que o filho seu, careca !!!

  5. “Trump conduziu os Estados Unidos a uma retomada econômica monumental.”
    Em todos os anos do governo o PIB cresceu menos que a dívida pública. Assim é fácil rs
    “O liberalismo é – e sempre será! – a solução para os problemas criados por estatistas, expansionistas, socialistas e outros “istas” da espécie. Livre mercado e doses cavalares de democracia são a “CoronaVac” contra o atraso e subdesenvolvimento.”
    O liberalismo para um país como EUA ou China é a maravilha mesmo. É problema para países como o Brasil que não consegue concorrer com essas potências, é claro. Mesmo o Trump, é liberal só nos países dos outros né. Mas bem protecionista com a indústria nacional, não é mesmo?

  6. Que o Bolsonaro é um desastre na política não há dúvida, mas não sei por que jornalistas chamam o Trump e Bolsonaro de “extrema-direita”. Não faz o menor sentido.
    Direita extrema não é faltar com responsabilidades, desprezar doenças, doentes entre outras loucuras. Ora, o Bolsonaro não fez nenhuma privatização, não eliminou impostos(na verdade ele nada em dinheiro de impostos, além de furtar), não deu autonomia nenhuma ao povo, não incentivou o empreendedorismo…enfim, nada fez em termos de política de direita, quanto mais de extrema-direita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.