Irã derruba avião ucraniano e mata 176 pessoas. É um Estado-terrorista ou não

O ódio invejoso dos frustrados pelos Estados Unidos e a antipatia infantil da imprensa por Donald Trump, torna tudo mais fácil para os terroristas iranianos

Fotomontagem: Veja./Editora Abril/Google

O que já era uma hipótese bastante plausível, agora assume ares de quase certeza. Ou melhor, de certeza, sim.

A imprensa e autoridades envolvidas tomaram o maior cuidado em relação à queda do Boeing 737 ucraniano, sobre Teerã, no Irã, no que fizeram muito bem.

Seria imprudente e leviano afirmar, ainda que fossem muitas as evidências, que a aeronave fora atingida por um míssil, foguete ou algo parecido, antes que provas, digamos, mais definitivas, viessem à tona.

A negativa do governo iraniano em permitir o acesso de americanos e ucranianos nas investigações preliminares, somada à declaração de que não iriam entregar as caixas pretas imediatamente recolhidas dos destroços, era praticamente uma confissão de culpa.

Um vídeo analisado e divulgado pelo jornal The New York Times mostra claramente o momento da explosão, ainda no ar, que culminou com a queda do avião e a morte de quase 180 pessoas.

ASSISTA AO VÍDEO

A suspeita recai fortemente sobre um sistema de defesa antiaéreo russo, instalado em Teerã, que supostamente confundiu a aeronave civil com algum projetil ou avião militar, efetuando o disparo fatal que derrubou o Boeing.

A rede de televisão CBS divulgou imagens dos destroços de um míssil terra-ar chamado Tor encontrados próximo ao local do impacto, informação confirmada pelos governos do Canadá e Reino Unido (metade dos passageiros eram canadenses), após satélites terem detectado o lançamento, segundos antes.

Não esperem a assunção de culpa dos aiatolás; não esperem colaboração na elucidação dos fatos; não esperem uma declaração oficial de pesar; não esperem, em hipótese alguma, sequer um mísero pedido de desculpas ou qualquer sinal de arrependimento. Assassinos não se arrependem, jamais!

O mundo civilizado, ou melhor, as pessoas civilizadas precisam, de uma vez por todas, compreender com quem os Estados Unidos, Israel, Iraque, Líbano, Síria, Iêmen e os todos demais países, vítimas deste Estado-terrorista, estão lidando. Em verdade, com quem todos nós estamos lidando.

Esperando agora a Globo News chamar um especialista do PSOL para desqualificar o vídeo e a análise do NYT, e culpar Donald Trump pelo ‘acidente’.

Leia também: 3ª Guerra Mundial? Loucos, sim. Suicidas, não.

>>>>>>>

P.S.: Em 1988, durante a guerra Irã x Iraque, a Força Aérea dos Estados Unidos alertou um navio militar seu, que uma aeronave não identificada seguia rumo ao seu encontro. O operador do radar confundiu o sinal do avião, que era civil, com uma aeronave militar. O controlador de rádio solicitou identificação e não foi respondido (ele usou uma frequência militar). Os erros levaram ao disparo de um míssil e à morte de quase 300 pessoas, incluindo 60 crianças, que estavam a bordo do avião iraniano abatido tragicamente.

O governo americano assumiu o erro, se desculpou publicamente, indenizou em centenas de milhões de dólares os familiares das vítimas e modificou processos e procedimentos de ataque, em zonas de combate e em situação de guerra, como foi o caso.

37 comentários em “Irã derruba avião ucraniano e mata 176 pessoas. É um Estado-terrorista ou não

  1. Somente uma pessoa como o senhor, Ricardinho, para considerar a Rede Globo uma emissora de esquerda. É muita burrice mesmo. Tinha que ser reaça.

    Ricardinho, já que você não gosta de estudar mesmo, bem que poderia fazer um regime. Tá grande viu !!!!! Putz. Olha nessa idade sua é melhor não brincar não.

    1. Pois é, nê? Os” que se auto-intitulam “pogreçista” e chamam os outros de reaça são exatamente os idólatras de ditadores, corruptos e múmias do comuno -populismo como Maduro, Fidel, Lula Propina, Stálin, Chávez etc.
      Historicamente não há e não nunca houve um governo “pogreçista” que não fosse ditadura ou que tivesse no mínimo algum tipo de autoritarismo, que vão desde URSS, China, Coreia do Norte, Vietnam, Cambodja, Cuba e países da Cortina de Ferro até as Venezuelas da vida. Sempre inexoravelmente governos nos quais as liberdades de opinião, associação, expressão, de imprensa livre, de partidos de oposição, de sindicatos etc inexistem. Só nas ditaduras comunistas foram mais de 100 milhões de vidas foram ceifadas e outras dezenas de milhões foram escravizadas em campos de concentração (Gulags, Laogais etc) apenas por não pertencer à “classe eleita” ou por se opor aos seus crimes. Os crimes cometidos contra a humanidade nos regimes comunistas só encontram paralelo naqueles cometidos pelos nazistas (mesmo assim a contabilidade de mortos pelos comunistas é 5 vezes maior do que os seus irmão gêmeos heterozigotos, os nazistas).
      A história foi congelada em todos esses países: Cuba é o símbolo de um país que foi trancafiado num buraco da história por mais de 50 anos. A China Comunista, antes de se abrir ao capitalismo, se constituia de gigantesco aglomerado de 1 bilhão de miseráveis vivendo na idade média até quase o final do século XX. A URRS desabou junto com o Muro que impedia a fuga de seus escravos revelando mais um gigantesco desastre econômico/ social e humano.
      Aqui no Brasil, os “pogresçistas” protagonizaram a maior roubalheira e o maior desastre econômico, administrativo, político e moral da nossa história, através de inúmeras tentativas criminosas e aparelhamento das instituições democráticas para se perpetuar no poder ao estilo venezuela.
      Mas eles são “pogresçistas” e nós, reaças, não é mesmo?

        1. E não é “meu ministro” , porque nenhum político é “ meu”
          Eu não sou vc: não sou devoto, idólatra de ninguém, nem vivo e nem morto.
          Vai lá se agachar nas 4 patas pra seu ídolo Lula Propina.

        2. O “burraldo”, vc nao entendeu a gozacao? Precisa de melhorar o seu quociente de inteligencia que esta’ abaixo da cri’tica. Isso mostra a qualidade das escolas brasileiras.

          1. Qdo vc diz “o seu ministro..”, vc revela a sua ignorância, deixa escapar o seu lado de idólatra. Pra vcs idólatras, todo mundo tem que adorar um ídolo. Se não é aquele por quem vc se ajoelha, então é pq a pessoa tem um outro p/ chamar de seu.
            E isto não é “gozação”, evidentemente, porque não tem graça nenhuma!

    2. O blogueiro não disse que a Globo é de esquerda e eu também acho que não é. O fato dela não ser de direita não quer dizer que ela é, necessariamente, de esquerda. Mas que esta emissora e seus funcionários tem muito mais simpatia com PSOL, com causas LGBT, racismo e feminismo do que com o Bolsonaro, isto é notório e claro.

    3. O cri’tico acima, nao tem personalidade, pois usa um codinome de um magistrado brasileiro para disfarcar a sua ignorancia. Deus nos proteja desses “frutinhas”.

  2. Essa é o primeiro episódio de varios que virão. Mortes de pessoas inocentes, crianças, familias, parentes. Tudo isso causado exclusivamente por um psicopata que tem um processo de impeachment e que pra piorar portador de um micropenis. Tudo isso pra ganhar uma eleicao. Matar gente, explodir, gerar terror para os proprios cidadaos (ja pararam pra pensar nos cidadaos do pais dele que estavam de ferias pela regiao?). Com certeza confundiram o aviao com um caça e atiraram. Com certeza devem estar pedindo perdao ao deus deles. Repito aqui: nada disso (quase trezentas mortes, por enquanto) teria acontecido se nao tivessem dado poder a um CHIMPANZÉ. Isso vale para o Brasil tambem. Tenho medo do futuro de nossos filhos.

    1. Essa sua fixação doentia pelo pênis do Trump é realmente um saco (hehehe).
      Petisssssta, o lugar pra vc tratar desse seu fetiche freudiano não é aqui no Blog: procure urgentemente um psiquiatra, pois parece que a coisa é muito séria!

  3. PETERSSSSS:
    vc so fala merda cara. vc disse que o lula nao seria preso, que o apenas um por cento da vaza jato tinha sido divulgado, que o moro ia cair, que o bolsonaro nao ia ganhar, que a guerra atomica ia comecar, vc nao da uma dentro. pede pra cagar e sai de fininho.
    vc ja aprendeu a diferenca de por que e porque? e de mais e mas? e de ouver e houver????????
    kkkkkkkkk vc e ridiculo cara.

    1. Vou fazer uma denuncia aqui: Eu acho a maior sacanagem usar o nome e de outra pessoa pra comentar. Esse nao é o Bernardo! Nenhum erro de portugues (tirando “que o apenas”), Virgulas, pontos tudo no lugar? Nao é ele! que sacanagem avisem ao Bernardo que roubaram a conta dele.

  4. É possível que as investigações ainda mudem de rumo mas não entregar as caixas pretas só prova que eles estão com rabo preso. Cheguei a pensar que podia ser um atentado do próprio EEUU para culpar o Iran, mas deveria entregar a caixa preta se não tem culpa.

  5. Esse chimpanze do trump nao esta interessado em israel, democracia, guerra nao. Esse sujeito so pensa em DINHEIRO e no proprio EGO dele. Ele tem aue se auto afirmar porque a mulher dele ate outro dia estava dando mole pro premier do canada. Ele odeia o mundo e o micropenis dele. Se acabar com tudo ele nao esta nem aí.

  6. Já dizia o velho deitado que um governante deve levar ordem e progresso para seu povo.
    Só que, em vez disso, o Lula se proclamava o mensageiro da paz (desarmamento) e do amor, espécie de cupido) de surubas financeiras com dinheiro e mérito alheio.
    Criou “campeões nacionais” para legalizar a corrupção e desviar bilhões dos cofres públicos para se enriquecer a família, se promover palanques com suas piadas de boteco e se eternizar no poder enganando o otariado nacional.
    Em vez de estimular o Progresso, promoveu a famigerada “Guerra dos 16 anos” entre as classes, econômicas.
    Para isso, soprava bolinhas de sabão no conforto da miséria visando garantir popularidade e votos, enquanto mantinha o restante dos empresários no modo foda-se.
    Resultado: o analfabetismo aumentou, a mão de obra acomodou-se, o custo de vida subiu sem controle, o empresariado parou de investir, a economia perdeu competitividade, a dívida pública subiu de 700 bi para 5 trilhões, o país parou, a miséria voltou triunfante e o país foi parar na UTI e há 5 anos, ainda respira por aparelhos.
    Por muita sorte dos brasileiros, o impeachment e a Lava Jato ajudaram a interromper a tempo, essas ações diabólicas desse quadrilhão saradão que levavam o povo brasileiro ao mundo dos ditadores comunistas.
    Agora, a gente precisa ficar atento para que o governo não crie os Campeões da Religião, que no fim das contas é uma atividade econômica opcional e sujeita a riscos, como qualquer outra.
    Assim, nada justifica que receba subsídios do governo, como isenção de luz, bolsa-mantos, obras faraônicas de oração copiando as dos estádios dos tempos do Lula, TVs dos milagres e das salvações ocupando todo o horário nobre e o baralho a quatro.
    Afinal, o quadrilhão do Lula veio justamente dos campeões de comparsarias palacianas de favorecimento a parasitas malandros que oravam até para agradecer as propinas e não de esforço do trabalho, o único que traz o progresso estampado da bandeira nacional, mas que vira e mexe é pisoteada por ratazanas ou usadas suas cores para promover ou ocultar ladrões neste país.

  7. BALA PERDIDA, MÍSSIL PERDIDO E INOCENTE ABATIDO.
    Pelo que foi publicado, o Irã confirmou que o avião ucraniano foi mesmo abatido por um míssil perdido, que causou a morte de 176 pessoas.
    Enquanto isso, em apenas nove meses no Brasil, a bala perdida causou a morte de 23 e ferimento em 61 inocentes.

    1. E como sempre, mais uma vez ficará tudo por isso mesmo.
      Desde os tempos do Adão e Eva, os terráqueos usam a ideologia política e religiosa, como a forma mais cruel de dominação dos semelhantes. É assim.
      Moro, pelo jeito, vem aí mais um quadrilhão novinho em folha por aí, O dos Lobistas da Bíblia enfiados na política, que são subsidiados com generosas “oferendas” governamentais e tem impunidade previamente garantida pelo executivo, legislativo e judiciário.
      O Lobista da bíblia é uma versão requintada do ladrão vagabundo propriamente dito.

  8. Fato: “Um Boeing 727-200 que ia de Trípoli, Líbia, para o Cairo, via Benghazi, também na Líbia, foi abatido por aviões de combate israelenses sobre o deserto do Sinai. Apenas cinco dos 113 passageiros sobreviveram. Israel disse que o avião sobrevoou formações militares israelenses ao longo do Canal de Suez e sobre um campo de pouso militar no Sinai, na época ocupado por Israel. O país alegou ter derrubado o avião para impedir um possível ato de terrorismo.”

    Do jornal o Globo.

  9. Notícia de hoje: “Em tal condição, por causa de um erro humano e de maneira não intencional, o voo foi atingido”, disseram os militares. O governo se desculpou e prometeu atualizar seus sistemas para evitar futuras tragédias. Os responsáveis pelo ataque ao avião serão processados, acrescentou o comunicado.
    O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, expressou suas “profundas condolências” pelas famílias das vítimas e instou as forças armadas a “apurar prováveis deficiências e culpados no doloroso incidente”.
    “Em 3 de julho de 1988, um Airbus A300 da Iran Air que transportava 290 pessoas —entre elas, 66 crianças— foi derrubado por um míssil disparado a partir do navio de guerra americano USS Vincennes. O avião foi atingido quando sobrevoava o golfo Pérsico, pouco depois de decolar da cidade iraniana de Bandar Abbas rumo a Dubai….”
    E aí é um Estado-terrorista ou não….

  10. Já que falou em estado terrorista: “Um dos mais polêmicos ataques americanos contra civis inocentes ocorreu há exatos 24 anos, no calor da guerra entre o Irã do então aiatolá Khomeini e o Iraque do ditador Saddam Hussein, aliado de Washington.
    A tragédia ocorreu nas águas verdosas do golfo Pérsico, alguns quilômetros ao sul da cidade de Bandar Abbas, de onde o voo Iran Air 655 acabava de decolar. O destino era Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, logo ali do outro lado do golfo, num voo que leva menos de meia hora. O avião foi atingido quando ainda estava em baixa altitude, despedaçando-se sobre o estreito de Ormuz.

    Os mísseis foram disparados pelo USS Vincennes, um navio de guerra que invadira águas territoriais iranianas para perseguir lanchas de combate da República Islâmica. Eram tempos em que Washington apoiava a ditadura laica de Bagdá como forma de minar o regime islâmico de Teerã. Na frente marítima desta guerra, os EUA andavam escaldados por uma série de escaramuças no estreito de Ormuz, onde se cruzam águas de Irã, Emirados Árabes Unidos e Omã, países com perfis e interesses pra lá de divergentes.

    O capitão do USS Vincennes, William C. Rogers, diz ter ordenado os disparos contra o Airbus por ter se confundido ao achar que se tratava de um caça iraniano do tipo F-14 Tomcat prestes a atacar o navio. Rogers alega que nenhum indício permitia identificar o voo da Iran Air como civil, já que o avião estaria voando sob um perfil de identificação usado tanto por pilotos comerciais como militares. Além disso, o Airbus decolara de uma pista usada com frequência pelos F-14 Tomcat da República Islâmica.

    Militares a bordo do USS Vincennes dizem ter feito dez tentativas de contato emergencial com o comandante iraniano. Mas sete delas ocorreram na frequencia de comunicação militar, inexistente no Airbus, e três no modo emergencial civil, no qual mensagens não têm destinatário certo, podendo estar dirigidas a qualquer outro avião nas redondezas. Nenhum diálogo foi tentado pelo sistema padrão do tráfego aéreo global, pelo qual o comandante conversava normalmente _em inglês_ com torres de controle da região.

    Investigações também provaram que o avião estava em trajetória ascendente, contrariando relatos de oficiais americanos de que o aparelho estava voando para baixo, na posição clássica dos ataques aéreos.

    A diplomacia iraniana chamou o acidente de “ato bárbaro” e “atrocidade”. Teerã disse que é impossível se tratar de um erro e denunciou o padrão de dois pesos duas medidas dos EUA, que mantinham o hábito de condenar ataques cometidos por Estados contra aviões civis mas até hoje não pediram perdão ao Irã. Em 1996, a Corte Internacional de Justiça obrigou o governo americano a indenizar famílias em cerca de USD 300 mil por vítima.

    Os EUA sempre mantiveram a versão de que o incidente foi fruto de um erro causado pelo inerente estresse de uma tripulação confrontada a um cenário de guerra. O governo americano disse ter lamentado “a perda de vidas inocentes” mas nunca assumiu a responsabilidade pela tragédia, cuja repercussão acelerou o fim da guerra Irã-Iraque, meses depois. Os EUA homenagearam com pompa todos os tripulantes do USS Vincennes. O capitão Rogers ganhou até a medalha da Legião do Mérito, uma das mais importantes honrarias militares no país.

    A visão americana do ocorrido foi resumida nas palavras do então vice-presidente George Bush, em entrevista à revista Newsweek concedida em agosto de 1988: “Eu nunca pedirei desculpas pelos EUA. Nunca. Não ligo para os fatos”.

    1. TAQUEUPARIU!!!

      Já cansei de avisar que apropriação de conteúdo intelectual é crime!!!! Quer copiar e colar textos DOS OUTROS, dê crédito ao autor, caraio.

      É tão difícil assim não roubar???????

      1. Desculpe, eu coloquei aspas e não o autor. Tenho hábito de colocar o endereço da internet, mas como mais de uma vez não saiu, fiquei nas aspas, segue a fonte: SAMY ADGHIRNI
        02/07/12

  11. Ha’ tanta gente que fala baboseiras neste mundo, ate’ Deus arrepia.
    Nao sei quem e’ excessivamente vaidoso, se a GloboNews ou o PSOL sem discernimento.
    Os lambe botas do Trump estao em baixa!!!

  12. A não ser nos filmes de ficção, não se conhece nenhum governante ou líder de qualquer natureza na história recente da humanidade que decretou guerra, saiu do gabinete, vestiu uniforme de soldado, se armou e foi na frente da tropa enfrentar os inimigos.
    Só botam fardas para posar de valentes. Não faz muitos anos, teve um ministro aí que botou farda para posar de herói brasileiro na selva amazônica, como se fosse um Tarzan à paisana vestido a caráter.
    Se fosse obrigados liderar as tropas da infantaria, esses líderes cagões de regimes democráticos ou ditatoriais, pensariam cem vezes antes de tomarem essas atitudes “patrióticas ou não”, que dizimam seus semelhantes.

  13. Curioso : Quem começou a história, se não Trump ? Mandou assassinar o general. No seu enterro mais de 60 iranianos morreram num tumulto ; em seguida o Boeing é abatido. E se Trump não tivesse começado a coisa toda ? Não existe país mais belicista e terrorista , do que os EUA.

  14. “Não esperem a assunção de culpa dos aiatolás; não esperem colaboração na elucidação dos fatos; não esperem uma declaração oficial de pesar; não esperem, em hipótese alguma, sequer um mísero pedido de desculpas ou qualquer sinal de arrependimento. Assassinos não se arrependem, jamais!”.
    Então,quer dizer,que de acordo com você,não devemos esperar,EM HIPÓTESE ALGUMA,sequer um mísero pedido de desculpas?
    https://internacional/presidente-do-ira-pede-desculpas-a-zelenski-por-derrubar-aviao-11012020
    Cara,evite falar sobre Geopolítica.Continue falando sobre economia e política.Nessa área,concordo com 90 porcento do que diz.

    1. Ainda que eu te explicasse que este texto foi escrito quando o Irã negava que tivesse derrubado o avião, primeiro dizendo ter sido um problema mecânico (putz!!), depois que era “guerra psicológica dos EUA”, depois ainda que era “cientificamente impossível um míssil ter atingido o avião”, e insistido nas mentiras por TRÊS DIAS seguidos até que, diante de provas irrefutáveis, finalmente confessasse o crime, não seria necessário, salvo se você não souber a diferença entre “AIATOLÁS” e “PRESIDENTE”.

      Ou você viu e ouviu algum aiatolá se manifestar

      1. Sim,o texto foi escrito antes.Por óbvio.Entretanto,vc afirmou,categoricamente que “…em hipótese alguma pediriam desculpas”.Pois eles pediram.Mesmo que tenha sido o líder administrativo e não o líder supremo.A frase sua foi categórica.Não considerou hipóteses futuras..Mas ok,vc se referiu ao Aiatolá e não ao Presidente.E veja só o título desse texto:”Irã derruba avião Ucraniano e mata 176 pessoas.É um Estado-terrorista ou não”.Antes de fazer qualquer julgamento,é prudente aguardar as investigações.Depois de concluídas,aí sim,faça suas considerações.Senão,vai ficar parecendo que por você ser Judeu,está querendo a todo custo denegrir o Irã.
        E quando disse para evitar falar sobre Geopolítica,não estava me referindo a uma situação específica.E sim sobre todo contexto envolvendo a região do Oriente Médio.Baseado nos textos anteriores que vc escreveu sobre o assunto.
        Um exemplo:Você disse que o Irã não entraria em guerra com os EUA porque sabem que perderiam em 1 semana.O Irã não vai entrar em Guerra com os EUA por vários motivos.Não esse que vc disse.O Irã não é um Iraque,ou uma Síria não.Provavelmente o país dos Aiatolás tem o exército mais poderoso do Oriente Médio.Até mais que o de Israel.Além disso,existem muitos outros fatores que poderiam interferir a favor do Irã.Portanto,seria um conflito muito difícil e de prazo indeterminado.Lembra do Vietnã?
        Perceba,que não estou defendendo o Irã.E sim,o bom senso.Na verdade,como Agnóstico,tenho verdadeiro asco a teocracias e qualquer idéia de estado que não seja totalmente laico e totalmente democrático.
        Mas se você achar que minhas observações não tem nenhuma serventia pra você,ok,siga em frente.Isso é democracia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.