Os usurpadores: uma classe privilegiada que suga a riqueza que nós produzimos

Parlamentares americanos recebem, em média, salários 3.5 vezes superiores ao do restante da população. Espanhóis e suecos, 1.8 vez. Chilenos e mexicanos, quase 10 vezes. Brasileiros? 16 vezes

Imagem: Google

Há duas classes de cidadãos no Brasil: usurpados e usurpadores. A primeira é composta de gente como eu e você, leitor amigo, que não recebe absolutamente nada do Estado e deixa (de barato!) 40% do dinheiro que produz em suas mãos.

Aquela que compra um carro e paga dois. Que sorve bebida nacional por preço de importada. Que banca as próprias saúde, segurança e educação, mesmo já tendo pagado para tanto, e que nem luz encontra nas ruas (esburacadas).

A segunda é a classe dos financiados por nós. Aqueles que vivem do dinheiro que o Estado nos retira. Esta classe é mais complexa. Se na primeira estamos todos no mesmo barco, na segunda há subclasses, há distinções. Explico.

Existem milhares de funcionários públicos espalhados pelo País, que de fato trabalham e recebem uma ninharia. Este batalhão está quase tão fo, ops!, lascado quanto nós. São professores (não os universitários!!), enfermeiros, garis, faxineiros, policiais etc…

No meio do caminho, funcionários públicos (municipais, estaduais e federais) que trabalham e têm o seu valor, porém recebem bons salários e benefícios adequados. Estes são igualmente privilegiados, é claro, mas fazem por merecer. Ao menos existem.

Na ponta da usura, os donos do poder. As castas do Executivo, Legislativo e Judiciário. Os bezerros-mamões que destroem a sociedade. Os fomentadores da burocracia, corrupção, ineficiência e miséria. A escória da sociedade. Os vampiros.

Ao lado destes, os tradicionais apaniguados. Os sócios dos donos do poder. Corruptos ativos e passivos, corporativistas de toda sorte, monopolistas e oligopolistas, cartorários, lobistas, nacionalistas, estadistas e… petistas (escapou, hehe).

Um exército pequeno, mas devastador. Poucos milhares que escravizam duas centenas de milhões. Uma gente vil e cruel, encarnada em figuras históricas como Lula, Calheiros, Mendes, Batista, Maluf, Sarney e tantos outros.

Usurpadores não só do nosso dinheiro e suor, mas da nossa saúde mental, da nossa (falta) de lazer, do sossego que não vem, da paz de espírito que se foi. Usurpadores do nosso presente e do futuro dos nossos filhos. Tumores incuráveis.

Malditos sejam! Amém.

Leia mais.

 

19 thoughts to “Os usurpadores: uma classe privilegiada que suga a riqueza que nós produzimos”

    1. Caraca!! Continua nervosinha?? Tô começando a ficar com medo. Cê tá parecendo aqueles paranóicos obcecados. Daqui a pouco tentará me matar a facadas. Que meda!!

    2. Fica calmo Jaspion, o PT já é passado igual o filme do Jaspion, mais velho que nota de 1 real. Lula, por exemplo, é presente do passado mais do que imperfeito e sem futuro nenhum. Você conhece esse tempo do verbo? Se não conhece, pergunta pro Cidrac.

  1. ÊPA, FUI MAL. Não li tudo. Pensei que você estava falando só de parlamentares, porque outro dia você falou do aumento absurdo do judiciário. Agora, tira o PT dessa aí blogueiro. Pare com esta obsessão. Você vai adoecer cara. Engraçado é que você não inclui nenhum tucano em sua lista. São todos “anjos de candura”, santos, não é mesmo? Tô fora dessa aí sua. Retiro o que acabei de dizer.

  2. Lamentável um assunto tão sério deveria ser tratado da mesma formar, e não ser usado da denegrir um partido ou outro, uma vez que tudo é farinha do mesmo saco, não faço apologia nenhuma ao ParTido em questão. Como milhares de brasileiros este ParTido também mim indigna, mas daí atacar somente o mesmo é no mínimo desonesto, porque como já disse são todos. Sem regras ou exceções em todos os partidos políticos deste País tem corrupto. Como esperar honestidade (no sentido amplo da palavra de não por afinidade) deles se nós mesmos não somos. Quando queremos realmente formar opiniões temos que ter responsabilidade nas atitudes e ser imparcial senão vira massa de manobra. Escrever besteira tem outros canais para isso.

    1. Calma, Sérgio. Como diz o ditado: se eu soubesse que a mula é brava, não puxaria o rabo.

      Talvez você não seja leito assíduo do blog, por isso não entendeu a citação ao PT.

  3. Na verdade,vivemos um feudalismo camuflado.
    O Rei.
    A Corte…Estes privilegiados citados.Vampiros do corpo.
    O Clero…Dízimos,isenções,etc.Vampiros da alma.
    Os Servos…Todos nós.A Infantaria de todas as guerras.
    OBS:tem também os puxa-sacos(os limpadores das latrinas,carregadores de fezes,etc),ou seja,professores de universidades federais,seus alunos lobotomizados,sindicalistas,etc…

  4. Você esqueceu dos empresários e seus subsídios, do perdão de dívidas dos grandes empresários, da sonegação de impostos de todos eles. Isso dá por baixo 700 bi por ano.

  5. Decreto dos petralhas, depois do assalto à Nação: hoje 13 de Novembro:
    “Dia dos Pobres!”
    ¨¨
    Mudaram os rumos do Brasil, e dizem que foi o destino.
    Uma desculpa tola para o fracasso.
    Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento.

  6. Como sempre, nos textos desse blog, a verdade é escancarada. Mas, essa situação pode mudar a partir de agora. Quem sabe né! Temos uma nova chance. O Brasil está sitiado pela crime organizado, mas não estou falando só de petebas, mordomos de vampiros, meninos com ventiladores ligados dentro de casa e pilantreis da vida não. Estou falando de comando vermelho, primeiro comando da capital e demais associações criminosas. São milhares espalhados pelo país inteiro e já podem sim, ser considerados grupos terroristas, tentaram tomar o poder nas eleições. Essa briga não é só do Bolsonaro não.

  7. Ricardo,

    Bom conteúdo.
    Mas o povo tem se tecado a respeito de muito do que você postou.
    Essa campanha de 2018, foi uma das mais repletas de
    manifestações que já vi.
    Tanto é que Bolsonaro ganhou de um petista.
    Dilma, Suplicy e outros nomes bem conhecidos do PT, perderam.
    Não vamos ser tão pessimistas. Vamos considerar, em certa dosagem de
    bom-senso, a metade cheia, não apenas  a vazia.
    Sim, devemos notar a metade vazia, para refletir. Mas o povo tem
    se desentrelado da burrice e agarrando-se ao uso
    do que está funcional de sua massa cinzenta.
    Mas te compreendo a impaciência. Até ferro quebra.

    Concordo também em sua parcialidade. Esse Blog é seu diário, pelo o que
    deduzo e você o usa para externar seus pensamentos e esvaziar a alma
    dos sufocantes sentimentos de indignação, impotência e, sobretudo,
    melancólica percepção em saber que
    o povo brasileiro não se toca, ou demora a se tocar do óbvio e lute pelos seus direitos garantidos pelo o que restou de nossa fragmentada democracia.
    Agradeço o espaço por deixar que eu também externe minha opinião.
    Um abraço.

  8. – Sou um pequeno empresário e tenho um sócio(Estado Brasileiro). Esse meu sócio, toooodo mês vai à empresa pra receber a parte dele. Ele não me ajuda, não trabalha, porém toooodo mês sagrado passa lá e, sempre digo à ele: Mas sócio, eu preciso pagar aluguel da loja, aluguel do depósito, luz, água, contabilidade, funcionários,.condomínio, Internet, pagar os fornecedores, agora 13o.salário, férias e outros. Aí eu peço: Será que você poderia fazer sua “retirada” no próximo mês, pois, eu não vou poder receber nada, não tenho como fazê-lo devido às vendas da loja só estar caindo. Aí ele diz: Pagar tudo isso aí sempre foi problema seu…Eu quero o meu e você se vira com isso aí. Resumo: Esse é o Estado Brasileiro, não faz nada e leva o dele todo mês. Moral da história….fechei as portas da empresa.

    1. Olá Vander, eu tenho gastura com certos depoimentos tão simplista como o teu. O Estado não produz a riqueza e aqui pra nós a tributação em Pindorama é baixa. O grave mesmo é o volume da sonegação. Ai sim é onde reside um dos vários e graves entraves. Ocorre, porém, que a maioria da população é formada por desavisados que ficam a se deliciarem com assunto de triplex, sítio, pedalinhos que funcionam como cortinas de fumaça. Quase chegam ao orgasmo. Distraem-se com o aparente sem relevância e deixa passar o que importa, mas que esta oculto. É o velho coar mosquito e engolir hipopótamo.
      Vide esse texto de Sêneca datado do ano cinquenta antes de Cristo.
      O orçamento nacional deve ser equilibrado. As dívidas devem ser reduzidas, a arrogância das autoridades deve ser moderada e controlada. Os pagamentos a governos estrangeiros devem ser reduzidos se a nação não quiser ir à falência. As pessoas devem, novamente, aprender a trabalhar, em vez de viver por conta pública.

      Cícero

  9. Verdadeiramente declaramos a republica..mas não abandonamos a monarquia: os amigos do poder, as castas, a oligarquia. Isso se faz urgente nesse país. Declarar a república definitivamente e extirpar, na carne os hábitos e costumes da monarquia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.