#EleNão também para Ciro Gomes e Fernando Haddad. Os ‘democratas’ topam?

A campanha contra si, que vem sofrendo o candidato Jair Bolsonaro, é algo verdadeiramente inédito na história política recente do Brasil

Isso é que é democracia, né? (Foto: Divulgação/LulaTwitter)

Não vou me ater ao mérito, se justa ou injusta, nem tampouco farei aqui o papel de defensor ou acusador do deputado e ex-capitão do exército.

Minha questão é outra: é como tantos artistas, políticos, cantores, jornalistas, etc enxergam apenas “uma das” chamadas ameaças à democracia.

Será que há alguma dúvida, dentre eles, de que Fernando Haddad é o laranja de um presidiário condenado por corrupção e lavagem de dinheiro?

Não seria tal condição (real, e não uma hipótese apenas) mais grave ainda que as declarações amalucadas de Jair Bolsonaro e seu vice?

O partido do Mensalão e do Petrolão, que denigre o judiciário brasileiro, que prega sangue nas ruas, que emporcalha o Brasil no exterior é menos perigoso?

Será que entre os tantos que assinam manifestos e aderem a hashtags contra Bolsonaro, ninguém vê problema algum no comportamento de Ciro Gomes?

Excluindo-se as toscas declarações a respeito de homossexualidade etc, não há um só dado concreto que aponte o tal risco democrático que Bolsonaro representa.

Ao contrário, por outro lado, com declarações ainda mais graves e ameaçadoras (censura, por exemplo), aparece Fernando Haddad.

Palavrões, ofensas sexuais e até mesmo agressão física são alguns dos “atributos” mais mostrados recentemente por Ciro Gomes.

Afinal, que primazia é esta que gozam estes dois reais representantes do autoritarismo, crime organizado e cultura, aí, sim, do ódio?

Por que não há nenhum manifesto desta gente toda, preocupada apenas com Bolsonaro, em desfavor de dois candidatos ainda mais violentos?

Por que não há comoção com Haddad ungido de dentro de uma cela ou com Ciro chamando toda a região sul do país de nazista?

Bolsonaro, por certo, merece, sim, grande parte da rejeição que goza. Mas por que raios Ciro Gomes e Fernando Haddad não?

Essa seletividade e relativização da classe artística e jornalística com candidatos de esquerda serve de mais combustível para a atual radicalização e polarização.

É insuportável, para quem sabe somar dois com dois e é intelectualmente honesto, assistir à este espetáculo de hipocrisia e imoralidade.

Eu não sou eleitor de Bolsonaro. O considero um despreparado completo, mas não enxergo meio traço de ameaça à democracia nele.

Eu estou eleitor de Bolsonaro, e um dos motivos é, aí sim, enxergar ameaças reais à democracia em um laranja de criminoso ou um lunático descontrolado.

Acreditem: a perseguição seletiva à Jair Bolsonaro poderá até impedir sua eleição, mas estará anos-luz de evitar o pior para o Brasil.

É pena que esta gente (que persegue qualquer um que não seja de esquerda) jamais pague a conta por um país pobre e corrupto.

Eles preferem jogar a merda no ventilador e deixar os miseráveis com o ônus da corrupção, do aparelhamento do Estado e da política de compadrio.

Depois é só correr para o abraço e aparecer na tela da Globo, vestido de branco e pedindo paz, um país mais justo, sem corrupção, blá, blá, blá…

Como? Apoiando candidatos comprometidos com quadrilhas comprovadamente criminosas? Escondendo os ataques de fúria de um psicopata?

Sempre disse: o lulopetismo produziu Bolsonaro e a imprensa o transformou no “mito”. Agora, muito provavelmente, esta perseguição toda irá elegê-lo presidente da República.

Quem pariu Mateus que o embale!

Leia mais.

50 comentários em “#EleNão também para Ciro Gomes e Fernando Haddad. Os ‘democratas’ topam?

  1. “Não enxergo meio traço de ameaça à democracia”. Basta uma busca simples no google. Há vídeos em que ele diz que as coisas só vão mudar quando fechar o Congresso. Em outro vídeo, ele diz que o erro da ditadura foi “torturar, e não matar”. No mesmo vídeo, ele diz “eu sou a favor da tortura”. Em vídeo publicado na semana passada, ele diz “vou governar para as maiorias. As minorias tem que se curvar às maiorias. Ou elas se curvam ou desaparecem”. Se isso não é ameaça á democracia, ou que seria? Tratar o Golpe de 64 como Revolução? Ah, isso ele já faz tb…

  2. Caro Ricardo, bom dia! Uma vez um amigo me perguntou como eu fundamentaria o meu voto. Diz a ele que seria nas propostas, atitudes e discursos do candidato e na minha ideologia. Bolsonaro perde em todas. Se excluirmos as falas e deixarmos só as propostas, ele ainda perde. Já o meu amigo me disse que o voto é anti Petista. Por quê? Segundo ele é o partido mais corrupto que o país já teve. Mostrei a ele que o PP é o partido campeão de indiciados na Lava Jato e até outro dia mesmo tinha Bolsonaro em seus quadros. Infelizmente, são várias quadrilhas…

  3. Mito é o safado do lula que conseguiu, através da lábia e MENTIRA, convencer toda a esquerda (otaria e trouxa) que ele foi condenado e preso por ser vítima de perseguição política, pois todas as dezenas de provas materiais e testemunhais foram inventadas. Que a condenação que sofreu na primeira, na segunda e na terceira instâncias foram farsas e que os outros 6 ou 7 inquéritos (piores que o que ele foi condenado por mais de 12 anos de prisão) são invenções da direita burguesa. Esse sim merece meu desrespeito!

    1. Olá Alex, não é de hoje, aliás, Esopo, desde a Grécia antiga, nos legou a fábula do lobo que avançou no carneirinho e cravou-lhe os dentes mesmo depois de argumentos irrefutáveis deste. No mesmo sentido, no começo da década dos 2000, os EUA e puxas sacos invadiram o Iraque, pisotearam seu povo, mataram sem principal governante e gostosamente açambarcaram o ouro negro, um óleo fedorento, chamado petróleo. Qual o pretexto? Armas químicas, atômicas. Provas? N-E-N-H-U-M-A! Restou, então, o maior crime contra a humanidade no pós guerra. Simples assim. Não se admire, em poucos anos os abusos de hoje serão desvelados e entenderás a atrocidade sofrida por Lulinha Paz e Amor, sua mulher e de quebra a vilania contra o povo brasileiro.

  4. Putz! Essas duas múmias paralíticas, cujas rugas já tomaram-lhes não só a pele como os cérebros, simbolizam com perfeição a decrepitude, o retrocesso que representam as ideologias e os dogmas comuno-marxistas-gramscistas.
    Que coisa velha e asquerosa!

  5. Blogueiro!
    Ainda não percebeu o que acontece, não é?
    Lula é para você um presidiário e chefe de quadrilha, mas para metade da população é um herói.
    Haddad é o representante deste herói e de seu projeto político.
    Ciro é um cara avançado e nem ele e nem Haddad são comparáveis com o seu “candidato”, Capitão.
    Foi a perseguição primeiro à Dilma, depois à Lula que fizeram dele essa potência eleitoral.
    Ah, não se esqueça, posições como as suas também ajudam Lula.
    Por fim, se não está satisfeito com o Ele Não! organize o seu Ele Sim!
    Quem sabe já não começa com o seu grande número de seguidores.
    Tente.

  6. Ótimo texto, Ricardo.
    Chega a ser irritante o quanto os artistas e a mídia podre são hipócritas. Falam de moral mas defendem um ladrão. Condenam discurso de ódio mas são eles mesmos que o fazem. Cada vez mais tenho certeza que a maioria dos que querem a caveira de Bolsonaro, são exatamente aqueles que ganham com um Brasil governado por corruptos. Ninguém quer largar o osso. Ninguém quer que o esquema acabe.
    Dia 7, 17

  7. O tom invariavelmente agressivo e cínico das opinões aqui publicadas bem como as respostas sempre grosseiras que o blogueiro dá explicam por si só por qué o movimento #elenão continua crescendo. Alguém que lê esse blog, mesmo que esporadicamente, tinha alguma dúvida de em quem o blogueiro irá ( segundo ele próprio) votar? Boas eleições para todos nós!

  8. Muito consciente seu ponto de vista. Nesse momento do estado democrático de direito em que passa o Brasil, percebemos os antigos revolucionários defendendo um status quo. Isso é muito preocupante. O poder pelo poder desacredita na mudança e na alternância de poder. Como diria Einstein, não se pode sair de um estado de crise, utilizando o mesmo pensamento que a gerou!

  9. Na minha opinião o lula foi sim o melhor presidente que o brasil teve, lula, nao a dilma, o azar dele é que a corrupção foi descoberta no governo dele, e passou ilesas nos demais, não irei votar no haddad no primeiro turno, não voto em bolsonaro com esses pensamentos nacionalista e extremistas, mas infelizmente se no segundo turno for ele e haddad, terei que votar no haddad, pelo menos contra ele poderemos protestar….ao contrario do borçalnaro que vai mandar meter bala.

  10. “É insuportável, para quem sabe somar dois com dois e é intelectualmente honesto, assistir à este espetáculo de hipocrisia e imoralidade.”
    Nossa dura realidade…

  11. Nasci em 1950. Acompanhei com interesse, esperança, algumas vezes com pesar, os variados movimentos políticos: a ameaça comunista a que se seguiu a intervenção militar de 64, as “diretas já”, a ascensão do PT. Em muitos momentos, a esperança era a tônica. Fiz campanha para o Lula em sua primeira vitória. O que se viu depois foi desastroso… Depois de 14 anos no poder, o PT se encontra exaurido, seu discurso desgastado, seu conceito de democracia desvirtuado na ideia “ou pensa como nós ou ameaça a democracia”. Não há autocrítica, a culpa é dos outros, se colocam como vítimas. Segregaram, impuseram suas crenças aos menos favorecidos, compraram a vontade popular com pequenos “agrados”. De forma imatura, como adolescentes rebeldes, não sabem obedecer a uma ordem do Judiciário. E agora querem nos fazer acreditar que tudo de errado neste país é por culpa do Temer, aliás vice daquela senhora que agora se lembrou ter nascido em Minas Gerais… Estamos no buraco e o PT insiste em nos empurrar mais para o fundo…

    1. Comentário tão lúcido, que chegou ao ponto de não vermos nenhum mimimi dos militontos de plantão, questionando suas palavras.

      Pensa nisso, Cidrac e cia….

      Somos brasileiros e patriotas !

  12. Boa tarde Ricardo e leitores. Eu não sou favorável ao candidato Bolsonaro, porém hoje ele é o líder nas pesquisas e se for eleito, será o presidente de todos , de quem o elegeu e de quem se opôs. Da mesma forma que o Haddad ou o Ciro podem chegar lá e serem eleitos. A democracia tem esse lado duro pra quem perde, principalmente com a polarização de hoje. De qualquer forma o presidente eleito vai ter uma grande parcela de resistência por parte do povo, seja Bolsonaro, ou Haddad. Isso pode ser bom pois o sistema democrático precisa de uma oposição forte. Em tese garante mais cobrança, mais fiscalização, etc. O Haddad utiliza muito o nome do Lula pra receber a famosa “transferência” de votos, mas tem a sua própria personalidade e autonomia. É inconcebível pensar que alguém que esteja preso vá dar instruções pra outra pessoa sobre como governar o país. O Haddad vai governar alinhado com as suas ideias e as ideias do seu partido, caso eleito. Por último, acho interessante que agora muita gente use o termo “estar” pra apoiar Bolsonaro. Ao invés de dizer que são Bolsonaro, dizem que estão Bolsonaro. Me parece uma tentativa envergonhada de assumir o candidato que apoiam. Acho que a grande maioria gostaria de ter melhores opções, mas precisamos tomar uma posição. Mas, discussões shakespereanas a parte (ser ou estar), eu gosto da ideia de transitoriedade e de quase fragilidade que o termo imprime, pois de fato, as coisas são assim, não é? Hoje você “está” Bolsonaro, hoje o Lula “está” preso. Amanhã pode ser outro dia. E seguiremos;

  13. “A maior desgraça da democracia” p/t, é que ela traz à tona a força numérica dos idiotas, que são a maioria da humanidade”.
    (Nelson Rodrigues).,
    .
    17 Jair Bolsonaro. ELE SIM!

  14. Blogueiro, percebo, a essas alturas, que está batendo um desespero enorme em você, frente ao quadro indiscutível de que vai dar Haddad/Lulinha na cabeça. Repito: vá pescar cara! Sábado, dia 29, vem aí, com a mulherada nas ruas, talvez tirando sutiã e até calcinha, prá mostrar que quem manda mesmo são elas, e gritando, num coro só: “ELE NÃO”. “FORA BOLSONARO”. E, aí, cara, virão as últimas pesquisas prá seu total desespero, confirmando-se, no dia 07.10, finalmente, o PENTA!

  15. Concordo com boa parte do que vc escreveu.
    Agora, essa frase aqui “Excluindo-se as toscas declarações a respeito de homossexualidade etc, não há um só dado concreto que aponte o tal risco democrático que Bolsonaro representa.” não dá para engolir.
    Basta lembrar ele dizendo que “dobraria o numero de ministros do STF”. Quem fez algo semelhante foi Chavez na Venezuela. A Constituinte de “notáveis” que seu vice pensou. E tem muita coisa.
    Eu já estou em contentando com pouca coisa: que o presidente eleito cumpra seu mandato; que tenhamos um ministro da fazenda que “arrume a casinha”.
    Se acontecer isso, já me dou por satisfeito, porque a previsão é de anos ainda mais difíceis.

  16. Vamos lançar a # Lula pode:
    Mentir para o povo Brasileiro
    Governar o Brasil bêbado
    Ter amante no Palácio do Planalto
    Chamar os moradores de Pelotas de viados
    Roubar o Brasil com seus filhos, o PT, MDB, Centrão e os nanicos de esquerda
    Ameaçar botar fogo no Brasil
    Pode ser racista, facista, misógino
    Pode ficar livre, pois afinal Lula é Deus para sua seita

  17. Em tempo, blogueiro: acaba de sair nova pesquisa Globope e o Haddad/Lulinha cresceu mais ainda, enquanto o Boçalnaro ficou no mesmo lugar, com tendência a BAIXA, uma vez que a sua rejeição voltou a crescer… Tudo conforme minhas previsões AQUI neste seu espaço. Tem mais: não duvidem que ainda pode dar Haddad/Lulinha no primeiro turno. Acho um pouco difícil, mas não duvido, sabem por quê? O tão decantado “voto útil”, vai ser, por incrível que pareça, exatamente para o melhor Ministro da Educação que o Brasil já teve.

  18. A pergunta é: o que se pode fazer? A campanha dos atores indicados pelo redator da coluna contra o candidato Jair Bolsonaro é massacrante mesmo. Qualquer pessoa com racionalidade comprova isso, independentemente de votar no Haddad. Mas isso não chega nem aos pés de todo ataque histórico que já se fez ao Lula. Campanha que continua pesada ainda.
    Assim, a campanha contra o Bolsonaro não é para eleger o Haddad, mas sim o Geraldo.
    Aí volta à pergunta: o que fazer se a campanha toda não beneficia os candidato do Estadão, O Globo, etc.(poderia ser dito “grande mídia”)? O que tem Lula com isso? O que tem Lula a ver, se as pesquisas indicam que 72% das pessoas não votam no candidato que FHC indica? E 92% no que Temer indica?
    Qualquer pessoa com um pouco de conhecimento sabe que Lula poderia ter aprovado novo mandato para ele em 2010, quando estava com 84% de aprovação e não o fez
    Detalhe: estudei os mapas das eleições desde 1994. Foi basicamente o mesmo em todas as eleições seguintes. Foi o mesmo povo que elegeu FHC em duas eleições, praticamente com mesma configuração regional de votos.
    Então quer dizer que o povo ficou burro de uma hora para outra?
    É a racionalidade que define o voto. O povo sabe onde o calo lhe aperta.
    Ainda acredito que o Alckmin vai para o segundo turno, mesmo não votando nele.
    Lembra que eu avisei: Dória, Huck, Meireles, Almoedo, Alckmin e, finalmente, Bolsonaro poderia ir às cucuias com o apoio do colunista. É esperar para ver.

  19. Ricardo, bom dia.

    Outro dia eu li em um dos seus comentários sobre um vereador aqui de BH que está fazendo um ótimo trabalho na câmera, qual é mesmo o nome dele?

    Um abraço

    Raimundo Assis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.