Mais um assalto à “caneta armada” em curso

Outorga onerosa, imposto disfarçado, desapropriação, confisco… deem o nome que quiserem. Para mim, trata-se de roubo mesmo

Chega de sermos assaltados por políticos!

Temos dois tipos de ladrões neste país: o estatal e o privado. Um nos assalta à mão armada, com violência. O outro com suas canetas. Um veste-se mal e é grosseiro. O outro usa paletó e palavras suaves. Ambos são chupins do esforço, trabalho e dinheiro alheios.

Já não basta aos governos surrupiarem 40% da nossa renda. Não lhes basta não nos devolverem porcaria alguma de serviço. Não basta nos humilhar e nos tratar como cães sarnentos. Não basta, a prefeitos como Alexandre Kalil ou vereadores como Catatau, ambos de Belo Horizonte, dizerem que:  “estou me lixando para o que pensam” e “eles têm mais é de se ferrar“,  respectivamente, aos cidadãos do Município.

Prefeito e vereadores agora querem mais. Muito mais! Simplesmente a metade do patrimônio imobiliário dos belo-horizontinos. Sim, meus caros. Você que possui um lote ou uma casa que se prepare: verá seu bem, oriundo de herança ou fruto do próprio suor, perder metade do valor. A diferença irá diretamente para os bolsos daqueles que vivem às nossas custas.

A nova Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de BH prevê uma tunga sem igual. Elaborada por Márcio Lacerda foi desengavetada por Kalil, e prevê cortar pela metade o potencial construtivo de um terreno. Assim, qualquer imóvel apto a “servir de edificação”, perderá a metade do seu valor. Quer recuperar? Simples. Pague à prefeitura e ela lhe restitui seu direito anterior.

O impacto social será tremendo! Famílias que mantêm a tradição de investir em imóveis, como forma de aposentadoria, por exemplo, perderão 50% da poupança. E pouco importa a classe social da vítima. Imóveis caros ou baratos, em bairros nobres ou não, pertencentes a pobres ou mesmo a milionários serão objeto do roubo.

Você verá o Prefeito e Vereadores dizerem que o dinheiro será usado em hospitais, escolas e blá blá blá. Conversa fiada, como sempre! Será usado para manter os próprios cargos e salários em dia. As próprias benesses, como os jatinhos milionários que o prefeito usa em suas viagens.

O comércio sofrerá perdas irreparáveis e o desemprego irá aumentar. Desde 2010, apenas na grande BH, mais de 120 mil postos de trabalho foram fechados. A construção civil, a maior impactada, contribuiu com quase a metade das demissões: 55.942. Se esta lei passar, o setor quebra definitivamente!

A indústria perdeu 15 mil postos e o comércio mais de 5 mil. Adivinhem, agora, qual setor foi o menos impactado pelas demissões? Acertou quem respondeu Administração Pública. Entre os mais de 120 demitidos, apenas 2 mil eram funcionários públicos.

É sempre assim, meus caros. Os governos não cabem em si mesmos. Gastam mal, nos roubam e concedem a si próprios salários estratosféricos e benefícios inimagináveis. Depois espetam a conta em nosso lombo e ainda juram que é para o nosso próprio bem.

Você aí, que como eu, não possui imóvel ou comércio em Belo Horizonte, não pense que não será afetado, pois será, sim, e muito:

Verá corredores inteiros pela cidade — como vários que já existem — abandonados, depredados, pichados e servindo como lixeira ou moradia de rua, pois os novos investimentos migrarão para o entorno da cidade, sobretudo Nova Lima, Lagoa Santa, Neves, etc.

Aliás, será que tem políticos “carregados” de imóveis e terrenos nestas regiões? Em nome próprio ou de terceiros?

Fica aí a pergunta como encerramento deste post. Voltarei ainda a este tema .

Leia mais.

27 comentários em “Mais um assalto à “caneta armada” em curso

  1. O único candidato que toca no assunto de corte de privilégios políticos, redução da máquina pública e desburocratização para empreendedores gerarem empregos, é o João Amoedo do partido Novo.

    Esse assunto é um tabu para os outros candidatos… Ninguém quer acabar com a mamata… pelo contrário, querem aumenta-la…

    Vou de João Amoedo!!!

    1. o imposto iptu de bh ja é um absurdo vai levar muita gente a sair de bh você um lote como eu tenho no bairro castelo que comprei com muito suor em 1.989 não estou aquentando pagar os impostos dele vem os fiscauzinhos da prefeitura com qualquer matinho de 1/2 metro te notifica dando prazo de 15 dias para capinar , limpar e outros bichos mais e se atrasar um dia ja vem a multa 2.500,00 e vai dobrando fora as correçoes anuais de juros de cartão de credito mais 40 % de correção anual.lote que poderia valer 1.000.000,00 cai pela metade porque vem este plano diretor fudido rebaixando o coeficiente de 1.7 para um 1.0 onde poderia construir 7 andares so pode 3 e quem fica no prejuiso é o sofrido proprietário e ele que que se foda e agora para aumentar a renda destes cambadas arranja este roubo de outorga onerosa que é uma vergonha você pagando impostos exorbitantes vê seu imóvel na mão da prefeitura como se fosse ela que lhe deu.a resposta vai começar nas eleições e este Márcio Lacerda que tem cara de Nero vai tomar sabe onde adivinha

  2. Eles nos enganam com palavras, as mesmas que você usa para supervalorizar seu texto. Isso afeta os que tem imóveis, não afeta os que não tem nem onde morar ou que tem um único imóvel como moradia, afeta os especuladores imobiliários, afeta os recebedores de heranças, que no Brasil diferente de vários países, não sofrem nenhuma taxação. Os vereadores e políticos são os de sempre, legislam para se locupletarem. O resto que você acrescentou e “viagem na maionese”.

    1. Deixa de ser ignorante meu caro. Estude primeiro antes de relinchar. A descrição do imposto segue no fim do comentário, meu caro idiota. Sua inveja para com quem ganhou dinheiro trabalhando e investe em imóveis para construção é tão desprezível quanto sua falta de massa cefálica. A construção civil gera muita renda para a cidade/país. O “coitadinho” que só tem um “único imóvel como moradia” ( odeio repetir suas asneiras ) pode ser um trabalhador da construção civil, já pensou nisso? Ou um corretor de imóveis? Ou trabalhar no comércio / revenda de material de construção?? Quem sabe o tadinho não trabalha numa fábrica de vergalhão para construção civil? Oh coitado! Pode perder o emprego, pois sacos de estrume como você pensam que tudo que tem sucesso faz parte de um esquema especulatório. O trabalho não conta para jumentos como vocÊ. FAz um favorzinho aqui pro titio vai???
      MORRE.
      decrição do imposto:
      O Imposto sobre Transmissão “Causa Mortis” e Doação (ITCMD) é um imposto brasileiro de competência dos Estados e do Distrito Federal, que incide quando da transmissão não onerosa de bens ou direitos, tal como ocorre na herança (causa mortis) ou na doação (inter-vivos).

      1. Correto. Em meu caso..um (impostinho) ITCD de R$90.000,00. Mínimo…pouco…afinal temos um imóvel construido pelos meus pais a 50 anos atras e que já contribuiu com a cidade por 50 anos de IPTU(hoje R$560,00 mes), Então merecemos perder todo o valor financeiro do único patrimonio da familia em nome dos que não tem onde morar ou dos que ocupam terrenos alheios, ou quem sabe das milhares de igrejas que não pagam IPTU… Vivemos num pais onde ter patrimônio familiar é crime, ter lucro é crime, ser empreendedor é crime, gerar empregos é crime e o estado é o maior inimigo de quem gera riqueza consumindo ou pagando impostos.

    2. Que visão curta das coisas. Essa lei pune quem trabalhou, gerou riqueza e construiu um patrimônio. É lamentável ser lesado de mais jeito pelo Estado. E ainda tem gente que apoia. Mas quem apoia é justamente aquele que sabe que não terá a menor capacidade de construir algo de útil na vida. Ou então, aquele que obtém ganhos de forma desonesta.

    3. Quem não tem imóvel será muito afetado, pois a oferta vai cada vez mais diminuir e os preços, por consequência, vão aumentar. Ainda bem que tenho um apto à venda em BH. Essa lei vai valorizá-lo sem parar. Azar dos pobres.

  3. Como uma bateria de carro, nesta vida, tudo tem seu lado positivo e seu lado negativo. A onda de destruição das casas e prol de pombais vai ser arrefecida. Num terreno onde poderia ter um prédio com 60 carros na garagem, terá apenas uma casa com 2 ou 3 veículos. Tbm vou poder comprar uma casa pelo valor de uma casa, e não pelo valor de quantos apartamentos poderiam ser construídos no lugar da casa. Hoje ficou racionalmente proibitivo morar numa casa, sabendo q se você jogá-la no chão valorizará seu patrimônio. O trânsito tbm agradece. Pra melhorar de vez, só se a gasolina e o álcool passar pra 15 reais o litro. Aí o trânsito vai ficar ótimo!!

  4. Deixa de ser ignorante meu caro. Estude primeiro antes de relinchar. A descrição do imposto segue no fim do comentário, meu caro idiota. Sua inveja para com quem ganhou dinheiro trabalhando e investe em imóveis para construção é tão desprezível quanto sua falta de massa cefálica. A construção civil gera muita renda para a cidade/país. O “coitadinho” que só tem um “único imóvel como moradia” ( odeio repetir suas asneiras ) pode ser um trabalhador da construção civil, já pensou nisso? Ou um corretor de imóveis? Ou trabalhar no comércio / revenda de material de construção?? Quem sabe o tadinho não trabalha numa fábrica de vergalhão para construção civil? Oh coitado! Pode perder o emprego, pois sacos de estrume como você pensam que tudo que tem sucesso faz parte de um esquema especulatório. O trabalho não conta para jumentos como vocÊ. FAz um favorzinho aqui pro titio vai???
    MORRE.
    decrição do imposto:
    O Imposto sobre Transmissão “Causa Mortis” e Doação (ITCMD) é um imposto brasileiro de competência dos Estados e do Distrito Federal, que incide quando da transmissão não onerosa de bens ou direitos, tal como ocorre na herança (causa mortis) ou na doação (inter-viv

  5. O sujeito que deixa herança trabalhou, fez sacrifícios e pagou todos os impostos quando da aquisição do bem. Porque os herdeiros tem que se ferrar?

  6. afeta os recebedores de herança?
    deixa eu ver se entendi.
    Eu trabalho, formo um patrimônio com o meu suor, sem ajuda de ninguém, nem do Estado, of course, e, quando chegar a minha hora de partir, meu filho não pode receber o meu patrimônio? Quem tem que receber? O Estado? os Bolsistas?
    Esse país tá uma merda e só vai piorar. Ainda bem que trabalho para ir embora daqui.
    Que fiquem os bolsistas que adoram exigir tudo, menos trabalho.

  7. Ricardo,
    O mercado imobiliário tem atuado de forma a construir imóveis com metragem cada vez menor por causa desse problema e, com isso, para lucrar aumenta de forma contínua o preço (eu escrevi PREÇO, não valor, que é bem diferente, pois ninguém mais sabe quanto VALE um imóvel) para compensar os seus lucros. Mas tem gente que opta por pagar estes preços altos, aqueles que não podem abrir mão de se submeter a isso e aqueles que não param para pensar o quanto isto está errado. Paralelamente, profissionais desse mercado, como corretores, incorporadores etc. continuam dizendo para todos que imóvel valoriza, pensando nas suas comissões e não pensando nas consequências, o resto é sempre culpa da crise. Quem puder, more de aluguel e invista a grana da compra do imóvel em aplicações financeiras do momento.

  8. KKKKKKK. Ainda bem que não tenho tantos imóveis, nem estou vendendo. E nem estou morrendo. E meus filhos trabalharam, e trabalham, possuindo, do próprio suor, seus bens. Ensinei a pescar. Prá que ficar preocupado com herança? O que ficar prá eles é lucro!

  9. Bom, em primeiro lugar, BH não está inovando na Lei… a outorga onerosa e outros tantos instrumentos de intervenção urbana foram aprovados em 2001 pela Lei Federal n.º 10.257 de 10 de julho de 2001, conhecida como Estatuto da Cidade, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Seu objetivo é regular, juntamente o com o Plano Diretor, colocado constitucionalmente como o “instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana” o exercício da função social da propriedade urbana previsto no artigo 182 da CF/88, cujo objetivo é “ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem- estar de seus habitantes”. Essa necessidade de q se faça o adequado aproveitamento, garante na CF/88 ao Poder Público aplicação de instrumentos como o parcelamento ou edificação compulsórios, imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo e desapropriação. E antes q vc diga q isto é coisa de Brasil caminhando para o comunismo, grandes capitais do mundo como Londres e Barcelona dentre outras estão adotando medidas contra a especulação desenfreada. Segue alguns links

  10. O autor do blog se engana quanto á matematica da outorga onerosa. Segundo a proposta, toda a cidade terá seu potencial construtivo reduzido a 1 e a prefeitura e seus inteligentíssimos técnicos capacitados irresponsáveis ( porque eles vâo e os prejuízos que causam ficam) definem em que área da cidade o potencial construtivo poderá ser maior que 1 e, segundo esses socialistinhas de fundo de quintal, assim controlando o adensamento popular, aumentando aqui e diminuindo ali. O mercado que se dane. Sendo assim, o valor dos imóveis poderá ser reduzido muito acima dos 40%, já que empreendedores do setor imobiliário pagarão muito menos ao proprietário, tendo que pagar á prefeitura o potencial construtivo que seu projeto determine. A PBH simplesmente usurpa, toma, subtrai e passa para o direito dela o valor financeiro do patrimonio de milhares de famílias. É simples: se pagar á prefeitura, pode. Se pagar aos donos dos imóveis, não pode. Mudam os nomes para taxa, imposto, etc etc, como se só isso justificasse tal aberração de administradores públicos de quinto mundo. Com certeza, vereadores , prefeito e técnicos responsáveis por tal roubo terão muitos…muitos inimigos políticos e pessoais ferrenhos e perigosos se tal alteração entrar em vigor. Inclusive eu.

  11. Pequena dica: que tal uma pesquisa mínima na internet para ver quanto é o imposto de transmissão de bens em outros países. Pouparia até o esforço de alguns em se mudar.

    1. aproveite a pesquisa e veja também outros índices destes países, como IDH, PIB, renda per capita, etc. Ajudaria no esforço de quem quer se mudar

      1. E olha que na Suécia tal posto inexiste. A questão é ficar dizendo que o imposto no Brasil é alto. Eu também acho muito. Mas, inocente que sou, suponho que se faca comparação com o que se considera baixo.

  12. “A construção civil, a maior impactada, contribuiu com quase a metade das demissões: 55.942. Se esta lei passar, o setor quebra definitivamente!”

    Considerando que o prefeito é empresário exatamente do setor da Construção Civil, você não vê uma contradição no fato do próprio Kalil, como você disse, ter desengavetado a proposta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.