Quando a riqueza torna-se refém da pobreza

Somente a riqueza distribui, ainda que de forma desigual, riqueza. À pobreza resta, ainda que de forma igualitária, distribuir… pobreza

Um poço de estupidez (Foto: Google Images)

Algumas certezas são irrefutáveis, imutáveis. O mundo é redondo e pronto. A lei da gravidade é irreversível. A Jabuticaba é nativa do Brasil e não se fala mais nisso. Da mesma forma, somente a riqueza pode gerar e distribuir riqueza. Não inventaram outro modo. E  aqueles que pregam o contrário, que demonizam os ricos, deveriam no mínimo apresentar uma alternativa.

Com Ciro Gomes na vitrine, voltou à moda a clivagem de classes: os ricos não pagam impostos, exploram nosso país através da cobrança de juros e por aí vai. São eles os responsáveis pela má distribuição da renda e pela desigualdade social. Neste último caso, sob a ótica desta gente, faz todo sentido, afinal são defensores da pobreza generalizada, como ocorre em absolutamente todos os países socialistas do mundo.

Há dois tipos de riqueza: aquela advinda do trabalho duro e honesto; do empreendedorismo e da coragem empresarial; do trabalho realizado em equipe e respeito por toda a cadeia produtiva. Os maiores bilionários do mundo, que contribuem para o progresso da humanidade,  praticam tais premissas. Exemplos: Elon Musk, Jeff Bezos, Jorge Paulo Lemann, Antônio Seabra…

O outro tipo de riqueza é vil. Formada por más práticas empresariais, corrupção, opressão dos povos, conluios governamentais, autocracias, ditaduras, etc. Alguns bilionários russos e chineses são exemplos crassos. No Brasil, a família Odebrecht e os irmãos Batista são ícones desta má riqueza. Em menor ordem de grandeza — e não menos nefasta — há os  Lula da Silva  e tantos outros do mundo político.

Infelizmente, por populismo, ideologia ou crença religiosa, figuras líderes em seus meios — os tais formadores de opinião — jamais separam o joio do trigo e investem seus discursos fáceis e ideias retrógradas contra a riqueza e os ricos (como se de fato, aliás, acreditassem nisto e vivessem, eles próprios, na mais absoluta miséria). Neste caso, miséria mesmo, só a moral e intelectual.

Vivemos num país onde 70% da população é analfabeta ou analfabeta funcional.  O discurso de demonização da riqueza é música para os ouvidos de milhões de “sem-nada”.  Ensinar aos mais carentes quem são os verdadeiros responsáveis por suas mazelas (os políticos, governantes, altos funcionários públicos, maus empresários, etc.), equivaleria a atirar no próprio pé, daí inventa-se um inimigo genérico (ricos e riqueza).

Pois bem, meu caros. O reino dos céus não é dos pobres, não. Tampouco dos ricos. Se pertence a alguém, só descobriremos ao chegarmos lá. Boas escolas, bons hospitais, ruas limpas e asfaltadas, segurança e tudo mais que gostamos só existe quando se paga. E o meio de pagamento chama-se dinheiro, a representação física da troca entre bens produzidos e serviços prestados e o desejo de possuí-los.

Quanto mais produzimos e consumimos, mais circulamos dinheiro. Circulando dinheiro, geramos riqueza e prosperidade. Esse é o ciclo econômico perfeito! Foi criado pelo homem moderno, mas infelizmente deturpado por dois tipos de gente: os preguiçosos ou incompetentes ao extremo e os oportunistas, que vivem justamente do fracasso deste ciclo virtuoso: políticos, governantes, etc.

Sem riqueza não há comida farta e barata. Não há remédios, exames e cirurgias que prolongam nossas vidas. Não há limpeza, higiene pessoal e vestuário. Não há TV, cinema, internet, celular e computador. Não há carro, moto, ônibus, avião e caminhão. Sem riqueza não há nem energia elétrica! Demonizar os ricos e ameaçá-los, como fazem as esquerdas, é o melhor caminho para miséria e selvageria — vide nossa pobre vizinha, Venezuela.

Leia mais.

47 thoughts to “Quando a riqueza torna-se refém da pobreza”

  1. Exatamente isso: riqueza não brota em árvores
    Para se criar riqueza, é preciso se criar empregos/oportunidades produtivas. Para isso são necessários investimentos em atividades produtivas, o que requer a existência de investidores (público e privado), ambiente favorável a investimentos e mão de obra qualificada em diversos níveis necessários.
    Investimento Público:
    O estado brasileiro, em níveis federal, estadual e municipal, está quebrado incapacitado até para fazer frente às despesas correntes (principalmente em nível federal, com um déficit em torno de 150 bilhões/ano, graças à desgraçada administração lula/dilma).
    Investimento Privado:
    Quem é o doido que vai investir num país sem regras claras (legislação ultrapassada, regras que mudam da noite p/ o dia etc.), instável econômica/política/socialmente, com infraestrutura inapropriada e cara e, principalmente, onde predomina uma visão estúpida e primitiva de aversão ao capitalismo, ao empreendimento, aos negócios (algo como um tabus de raízes ideológico-religiosas).
    O Brasil precisa urgentemente modernizar as suas leis trabalhistas, previdenciárias, tributárias etc, trazê-las para o século XXI, à luz da razão e do que se pratica nos países desenvolvidos (nos 13 malfadados anos do populismo cleptocrata do PT não se fez nenhuma reforma concreta, substancial). É preciso também investir em educação, pesquisa e tecnologia. Além disso, é fundamental racionalizar o papel emperrador, o peso e a voracidade tributária do Estado na economia.
    Por fim, quer saber de uma coisa? Isso é quase impossível de se realizar dado a um profundo atraso e ignorância de uma parcela considerável de nosso povo (principalmente essa elite de : políticos, jornalistas, artistas, professores, formadores de opinião etc.).

  2. TUDO O QUE NÃO PRECISAMOS AGORA QUE ESTAMOS A BEIRA DO PRECIPÍCIO, É DE MAIS UM POPULISTA.
    A incompetência e a irresponsável farra populista com que lula/dilma/mantega trataram as contas públicas deixaram o País nesta profunda crise econômica, política e social. A situação muito grave; e isto não é uma questão de ponto de vista, de achismo etc. É um fato, uma realidade: como equacionar a dívida pública de 4 trilhões e as necessidade prementes de investimento em infraestrutura, saúde, saneamento, educação etc, além de fazer frente às despesas correntes (inchadíssimas pelos malditos govs lula/dilma)? Se antes tínhamos um superávit primário anual que nos permitia rolar os juros de uma dívida pública de menos de 1 trilhão, como faremos agora com um déficit anual de mais de 150 bilhões? A perspectiva é de calote; e isto é o pior desastre que nos poderia acontecer.
    Esta é a grande bomba atômica que vai estourar no colo do próximo governo: como resolver as graves questões sociais, o desemprego, num quadro de iminente falência do Estado (em níveis federal, estadual e municipal), de uma carga tributária sufocando os setores produtivos, de instabilidade política, de empresas e consumidores endividados até o pescoço etc.???
    E AQUI CHEGAMOS AO PONTO CRUCIAL: O PRÓXIMO GOVERNANTE VAI TER QUE ENCARAR A SITUAÇÃO DE FRENTE, VAI TER QUE SER UM ESTADISTA; É ISTO OU O INFERNO.
    E ESSE PERFEITO IMBECIL DO CIRO GOMES É EXATAMENTE O TIPO DE POPULISTA DE QUE PRECISAMOS PARA APERTAR O BOTÃO DESTA BOMBA ATÔMICA MADE IN VENEZUELA.
    BUUUUUUUMMMMMMMMMMM.

  3. Ricardinho você tem alma de pé rapado . É o típico sujeito nojento que só serve para babar ovo de gente rica.

    Nossa Ricardinho, vai rezar. Eu sei que deve ter passado muitas dificuldades financeiras na vida, mas a vida não é só dinheiro não.

    Os maiores bilionários do mundo, que contribuem para o progresso da humanidade, praticam tais premissas. Exemplos: Elon Musk, Jeff Bezos, Jorge Paulo Lemann, Antônio Seabra…

    Ooooooooo Ricardinho

    Jorge Paulo Lemann, tem a política de diminuir custo, não paga nem papel higiênico para os funcionários e por está razão, já foi condenado pela Justiça do trabalho.

    Além deste fato repugnante, também foi condenado pelo CADE por venda casada.

    Ricardinho, apesar de aparentar bem mais do que os 51 anos, não sabe nada da vida.

    Qual é o sentido da sua vida???????

    Falta leitura, espiritualidade, vivência e cultura mesmo.

        1. João, não há espaço para ter opinião onde no cérebro falta raciocínio lógico, leitura, espiritualidade, vivência e cultura!
          Assim a máquina funciona sem ter ninguém no comando.

  4. Exatamente Ricardo.!
    Os partidos de esquerda do Brasil, PT, PC do B e outras quadrilhas, querem que sempre haja pobreza, caso contrário, os seus discursos deixam de atingir os seus objetivo nefastos.
    Pra essa gente, os empresários são considerados inimigos do Brasil.
    Os empresários correm todos os riscos, pagam uma imensidão de impostos, taxas e contribuições sociais, empregam as pessoas, tomam processos trabalhistas na justiça e, na maioria das vezes, são sentenciados a pagarem indenizações a aproveitadores, preguiçosos e vagabundos que querem ganhar dinheiro fácil.
    Modernidade, crescimento e desenvolvimento social só são atingidos quando há um ambiente propício para as empresas produzirem, governo eficiente, leis e políticos voltados para o crescimento da nação como um todo e não apenas aos menos favorecidos.
    Quando as empresas estão bem, o trabalhador só fica pobre porque já nasceu pobre de alma ou porque nasceu doente e não tem como se manter e, neste caso, o Estado deve sim amparar.

    1. Porque os admiro (os bons, claro, conforme descrevi). Porque consigo compreender que só através deles, pessoas medíocres como eu e você, podemos crescer profissional e financeiramente, e assim alcançarmos uma boa qualidade de vida. Porque não desconto minha frustração, de não ter os bens materiais que gostaria, no sucesso dos outros. Porque não acho que é obrigação dos ricos pagar as minhas contas. Porque não creio que seja justo eu ficar coçando as bagoças, enquanto outros dão um duro danado, e ao final dividir o resultado. Porque se um dia eu for um deles — repito, os bons — terei o maior orgulho em ter chegado lá, ao invés de ter passado a vida revoltado e os xingando na internet.

      Entendeu, João?

  5. Pela tributação das riquezas! distribuiu lucros? não repartiu com os funcionários? tributa a distribuição de lucros!!!!
    Não gosta dos programas sociais? distribui melhor as rendas!!!

    1. “distribuiu lucros? não repartiu com os funcionários? tributa a distribuição de lucros!!!!”

      E os prejuízos, Mazinho? Também devem ser repartidos ou os empresários que se virem?

      1. quando da prejuízo não distribui pra ninguém!!! E se descobrir que forjou prejuízo, tipico dos caloteiros pra não pagar tributos e distribuir pros funcionários: CADEIA!!!

  6. Desfazer de uma opinião fazendo chacota de um erro de português demonstra infantilidade e despreparo do colunista.
    Independente da opinião do colega leitor, humilhar e tripudiar em cima de um simples erro de grafia revela destempero e covardia.

    A sinceridade pela sinceridade é apenas desrespeito.

    1. Os ricos geram tanta riqueza que 06 homens brasileiros acumulam toda a riqueza de cem milhões de brasileiros. Fala bobagem não, meu caro. Aproveite seu espaço na mídia para postar coisa que preste. Os empresários, quando podem, sugam tanto o trabalhador, quanto o governo. Acorda pra cuspir.

  7. Riqueza p/ mim é minha família. Claro que você isso não tem valor. Esperar o que de uma pessoa que diz que o galo vem em primeiro lugar na vida.

    1. Para você, por exemplo, que só consegue escrever após ter se alfabetizado em uma escola (carteiras, quadros-negros, energia elétrica, merenda, material escolar, etc) após ter trabalhado e ganhado dinheiro suficiente para, além de manter-se vivo, comprar um celular (ou computador)…

      Que tal ficar sem emprego? Ele é garantido por alguém mais rico que você. Que tal ficar sem hospital, médico, exames e remédios? Tudo isso é garantido por gente mais rica que você.

      Assim como, ao comer seu pastel com caldo de cana no centro da cidade, seu dinheiro (sua riqueza, ainda que diminuta) estará sendo distribuída ao balconista, ao lavador de pratos e assim por diante.

  8. Rico gera riqueza para os ricos, meu caro. Que eu saiba não tem rico gerando riqueza para fazer distribuição igualitária de renda, não. Eles geram para acumular. Pare de atacar o Ciro e apresente possibilidade melhor.

    1. “Quanto mais produzimos e consumimos, mais circulamos dinheiro. Circulando dinheiro, geramos riqueza e prosperidade. Esse é o ciclo econômico perfeito! Foi criado pelo homem moderno, mas infelizmente deturpado por dois tipos de gente: os preguiçosos ou incompetentes ao extremo e os oportunistas, que vivem justamente do fracasso deste ciclo virtuoso”

      Escolha aí o seu perfil: preguiçoso, incompetente ou oportunista?

    2. Frustrados… Todos vocês. Foram doutrinados pela esquerda de que ninguém pode ter mais que o outro. Seis homens tem a maior riqueza do Brasil.. E daí? O que eles fizeram de proibido? Com que base, vocês idiotas dizem que eles são exploradores de trabalhadores?Mas qual então é o modelo que vocês querem? O João não me respondeu.. As pessoas precisam trabalhar para gerar renda. Sem o empresário para oferecer emprego, quem o faria?O estado???? Tudo seria estatal? Como numa fazenda hippie??Nem em Cuba é assim meu amigo. . E porque a esquerda não corrigiu este “problema” nos 15 anos de governo? Digo porque: eles também são ricos! E muito ricos!
      Vão trabalhar e conquistar suas coisas. Não tentem dividir o que o outro conquistou.
      VAgabundos!

  9. Errado. É o contrário. Pobres produzem ricos. Sempre foi assim. Inclusive na escravidão. Tá na hora de socializar isso. Que exista ricos mas sem massacrar pobres e classe média pra isso.

  10. Há vários exemplos de pobres, também de espírito, que criaram riqueza explorando a pobreza. Rico é o estado brasileiro que enriquece aos ricos. A proposta do Ciro visa ‘enriquecer’ os verdadeiros merecedores de toda esta riqueza que é o Brasil. Chega da pobreza ser refém da riqueza. Que tal?

  11. Discurso de pró-rico. Hoje os empresários tem lucros exorbitantes sobre a mão-de-obra explorada por salários de fome. Conheço casos de empresas que tem dois funcionários e um patrão, o salário dos funcionários é mil reais e o lucro do patrão, lucro não giro, é 20 mil reais. Não seria incentivar a produção de riqueza se ele ficasse com 10 mil e pagasse 5 mil para cada funcionário. Ainda seria vantajoso. Mas a tendência é acumular capital e explorar. Sim meu caro, a pobreza é culpa dos ricos! Mão de obra melhor remunerada tem maior poder de compra e faz a economia girar. Acumular, é limitar a circulação do dinheiro e portanto, aumentar a pobreza e a concentração de renda.

    1. Nossa… SILVIO, esta foi a MAIOR estupidez que eu já li neste espaço. Meus parabéns! Você foi eleito o ASNO do ano. A empresa tem custo seu imbecil. Luz, agua, telefone, etc. A empresa paga impostos, muitos dos quais, antes de vendê-los. O funcionario , que recebe 1000 reais, custa 2.500 para o patrão. Vai estudar seu JUMENTO! O empresário precisa de capital de giro. De estoques. E se ainda sim ele tem um lucro de 20 mil, mérito dele por ter formatado um negócio assim. Duvido que você divide uma bala com alguém… Agora, pra ganhar 5 mil, tem que se qualificar! Tem que ralar, estudar. Trabalhar. E se não está satisfeito, que vá trabalhar em outro lugar. Pergunta por ASNO do João onde, pq ele quer acabar com os donos de empresas. aCUMULAR É LIMITAR A CIRCULAÇÃO DO DINHEIRO… Pérola! O cara gasta também seu babaca! Ele compra, viaja, come, empresta…
      Uma pergunta: Se der prejuízo, eles vão dividir também? ? ? E mais uma vez, parabéns!

    2. Cara, como vc é inteligente, hein?
      Vamos lá:
      1) Se ele pagar salário de 5 mil, com os encargos sociais cada empregado custaria aprox. 10.100,00. Como são 2, a folha ficaria em R$ 20.200,00. Aí sobraria 1.800,00 sobre o qual ele ainda teria que pagar imposto.
      2) E se o faturamento caísse, como ele faria? E se desse prejuízo? Tudo isso são coisas muito comuns. Ele que se f(*), né, gênio?
      3) Os empregados, que recebem salário de 1.000,00, entraram p/ a empresa à forca, o dono botou uma arma na cabeça deles obrigando-os a trabalhar lá? Se, não é o caso, então, eles podem pedir demissão e procurar um emprego c/ salário de 5.000,00, que vão achar fácil, pois se eles merecem é porque caras devem ser fodões no que fazem.

      1. Sabe Robes,
        o empregado não tem a menor noção dos gastos do empregador e nem como uma empresa funciona, aí dá ‘nisso’!

        Silvio,
        não ganho 20 mil mas pensar que este ganho líquido representa riqueza é muita pobreza!
        Já afirmei aqui várias vezes:
        brasileiro é tão pobre que não tem a menor noção do que é ser rico.

    1. Não discordo desde que demonstre o quanto os ricos pagam de impostos e quanto deveriam pagar.
      Pode usar como exemplo uma fábrica de automóveis, uma ‘lojas americanas'(exemplo), Silvio Santos, ou qualquer pessoa ou empresa que tenha grande renda.

  12. É preciso ver a avaliação dos cientistas políticos. Consenso geral: Ciro foi bem sucedido no Roda Viva. E ele realmente foi. Provavelmente, o melhor até agora, com o discurso mais sólido. O discurso de Ciro não é anti-empresariado. Pelo contrário, mostrou dados de que suas duas gestões no Ceará (Município e Estado) terminaram com superavit. Isso é um bom sinal e é verdadeiro. Basta conversar com algum conhecido de lá. Gostam dele. A relação com os professores no Ceará é também muito boa e elogiada pela classe. Ponto positivo. O grande problema do Ciro ainda é um certo tradicionalismo que ele não consegue disfarçar. Por trás de todo tradicionalismo, há um radicalismo escondido. Foi isso que elegeu Collor. Afinal o que é a “tradicional família mineira”, velha conhecida nossa, e na qual estamos, senão um núcleo familiar fortemente preconceituoso? Qual o cenário em Minas? Aécio já perde em intenção de voto no interior do Estado. E perdeu para Dilma, na presidência, na Grande BH. Parece carta fora do baralho no Senado em 2019. Dilma, por incrível que pareça, vem crescendo no ambiente universitário e entre os servidores públicos. Particularmente, tenho certeza que a memória do brasileiro é curta. Mas, enfim, como senadora não irá causar maiores problemas. Melhor seria Patrus Ananias, aliás, um dos poucos petistas, ao lado de Suplicy, que tem o meu voto para qualquer cargo. Mas, Patrus se aposentou da política. Governo de Minas: aí reside o maior problema. Lacerda é mais do mesmo. Fez a reforma de uma Praça da Savassi que só fez quebrar grandes empresários. Foi graças a essa “revitalização” que, nós mineiros verdadeiros e tradicionais, ficamos sem nossa AGÊNCIA STATUS – parada obrigatória em nossas manhãs de domingo, para um café e um jornal. Anastasia declarou aos mais próximos seu receio em concorrer dessa vez. Está preocupado com uma possível derrota. Não queria, foi convencido a candidatar. Chega tarde à fase pré-eleitoral, quando todos os outros candidatos já estavam com seus planejamentos prontos. Está inseguro e isso não é bom. PImentel vem forte (Anastasia sabe disso) e conta com o apoio de todo o Sindicato dos Professores, dos Sindicatos de classe de várias categorias de trabalhadores, da maioria dos servidores públicos (municipais, estaduais e federais) e ainda da maior parte da população universitária da Grande BH, que faz diferença política em MG – leia-se UFMG e PUC – grandes públicos. Muitos comemorarão, outros se queixarão, mas a probabilidade de ter Pimentel é mais um mandato é grande. Melhor nos acostumarmos. Não era minha primeira opção, mas ele saiu na frente dos demais quando iniciou o discurso muito oportuno e convincente de oposição às “temeridades” de Temer e suas malfadadas e fracassadas pseudo-reformas (ou “deformas”) trabalhista e da previdência. No fim das contas, é o melhor discurso “pré-campanha” até agora. Ninguém ATUALMENTE quer ter vilipendiado seu patrimônio, sua qualificação profissional e sua aposentadoria. Ainda mais nesses tempos de inflação negada. Quanto ao Estado, pelo menos Pimentel não cometeu o mesmo erro de Aécio (quando elevou à dívida de Minas para o espaço SIDERAL, com seus projetos faraônicos de restaurar o desajeitado Aeroporto de Confins, proibir vôos na Pampulha, a não ser os dele e de seu círculo, e criar a “Cidade Administrativa”, destinada a se tornar museu um dia). Meu candidato ao governo de Minas é Alexandre Kalil. Para quando vier.

  13. Dizer que riqueza gera riqueza pode até ser correto, agora precisa ver é para quem gera riqueza… Amigo, para o Brasil essa conversa é falácia pura temos a grande maioria de empresários que não estão nem aí para o trabalhador. Pagam mal, muito aquém do que poderiam e os trabalhadores que se lasquem. E aí vem aquela conversa mole de que os trabalhadores não são qualificados por isso ganham mal aqui. Pois bem, tenho um filho que está no Canadá Há aproximadamente 1 ano, arrumou emprego com 15 dias que lá estava. trabalha como vigia em empresa de vigilância, fala um inglês fluente, porém só tem segundo grau, ganha 3000,00 dólares canadenses, vive extremamente bem com 1400,00 i poupa o restante. Precisa dizer mais me poupe Vc.

    1. Fale para o filhote fazer um curso técnico e o salário dobrará. Com a grana, aconselhe-o a pagar uma boa faculdade e ganhará quatro vezes mais. Do contrário, passará anos como vigia, economizará um bocado e voltará para o Brasil para tentar abrir um negócio. Para o quê? Para… enriquecer! Luizão, acredite, todo mundo quer ser rico. Difícil é fazer sua parte

      1. Caro Ricardo, agradeço a atenção da resposta, mas o que quis expressar foi a minha indignação com a condição a que submetem os brasileiros, quando dei o exemplo de meu filho, o objetivo era exatamente que fosse observado a diferença que existe entre países de primeiro mundo e o Brasil, citei o exemplo dele exatamente por ele ser completamente desqualificado em termos profissionais, apesar da pouca idade a experiência adquirida aqui foi apenas como menor aprendiz, entretanto note sua situação em termos de rendimento e lá um jovem vive muito bem com o salário citado, se continuasse aqui seria um pobre coitado a mais. Para um pai, nunca é bom estar distante, entretanto é isto que o Brasil oferece aos jovens, lá tendo certeza de sua competência, vai dar continuidade aos estudos, construirá um bom futuro e será feliz.

  14. O blogueiro confunde geração de riqueza com concentração de renda. Por que não se fala em impostos progressivos? Quem ganha mais, paga mais. Por que o Jorge Paulo Leeman, o mais rico do Brasil, paga o mesmo imposto que o mendigo que você chuta na rua ao comprar um quilo de feijão?

    O problema do Brasil é patrão rico e empresa pobre.

    PS. por favor não venha com respostas agressivas, tipo complexo de pobreza, pois trabalho numa multinacional e moro na zona sul.

    1. Nossa!! Trabalha numa multinacional e mora na zona sul? Que ser superior, não é verdade? Pena que imagina que mendigos servem para ser chutados. Não me admira o pensamento tosco

      1. Pelo seus textos, é você que deve ter vontade, pela sua aversão às classes mais desfavorecidas. Vejo que a provocação por minha condição valeu a pena. Você provou do próprio veneno que destila com seus pensamentos elitistas.

  15. Os esquerdistas só conseguem enxergar do emprego para frente. Quem gerou, quem investiu e mantem, pra eles não existe e quando lembram dos patrões estes são demonizados como fascistas, coxinhas, golpistas, fantoches do imperialismo americano entre outras tantas baboseiras. Este pessoal é doente.

  16. Esss Ciro é (vai), ser outro câncer maligno pro país. Se for pro segundo turno, sei não. Aliás, ele, Marina. E tão com pinta mesmo de fazerem frente ao direitista. Eu, mero classe média esmagada, pagador de impostos, não vejo c bom olhos a classe alta dessse país, que se enquadra no ” meu pirão primeiro”. Acho q o assunto abrange a espirirualidade. É o ser humano q tem q ser analisado. Ha pobres e ricos bons e maus. Ganância e egoísmo existem nesse nosso planeta. E são uma baita de inqualidades..Parabéns pelo blog Ricardo (gera boas discussões – de alguns..)

  17. Vamos lá: nem tanto ao céu, nem tanto ao mar. De um lado, culturalmente, boa parte de nós, brasileiros, prefere justificar a “menor condição” de prosperidade econômica (e sócio-cultural) com a política social e econômica “desastrosa” de nossos governantes (seja ela de direita, centro ou esquerda – independentemente). Outra parte – menor – vai ao extremo… deixa até de comer para investir no seu desenvolvimento profissional, como sugerido – o que, ao meu ver, é correto e se consubstancia na única forma de prosperidade, no atual cenário no qual vivemos. Por outro lado, é VERDADE SIM a ausência de incentivos e programas sérios que estimulem o aprendizado, a cultura e a educação – e que possam, ao longo dos anos, aumentar esta segunda parte de cidadãos, que está disposta, de fato, a investir no seu próprio talento. Esses incentivos e programas deveriam sim ser proporcionados pelo Governo e pelo Empresariado sério. O primeiro, porque é papel do governo administrar e bem distribuir os impostos pagos pela Sociedade, o que não ocorre; o segundo, porque o Empresariado seria um dos beneficiados com a mão de obra melhor qualificada. Indo diretamente ao ponto, não há como não elogiar, vangloriar, aplaudir etc. etc. o empresariado SÉRIO, os quais, apesar da falta de uma política séria de desenvolvimento econômico, conseguem sobreviver no cenário atual. Obviamente, estou falando do empresariado sério, que não é corrupto, que respeita os direitos do trabalhador e que se preocupa com o bem estar social de seus empregados, fornecedores e clientes – imagino que seja desta parcela de empresários que o blogueiro está dizendo. Neste contexto – lógico, quanto mais rico e quanto mais riquezas gerar, melhor!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.