Se não “dá Ibope” não serve

Anônimos, não filiados, não militantes, filho novinho demais, enfim… gente que não interessa à propaganda de esquerda

Pais do menino Benjamin, órfãos dos Direitos Humanos da esquerda

Há uma matéria no O Globo, que resume muito bem no que o país se transformou, após décadas de governos socialistas e da onipresença intimidatória do pensamento politicamente correto de esquerda, falso como nota de três reais.

Um garotinho de nome Benjamin foi alvejado na cabeça durante a troca de tiros entre traficantes em um morro carioca. Com apenas um aninho e sete meses, não resistiu e veio à óbito.  Sim, meus caros. Um molequinho com menos de dois anos de vida.

É claro que não ouvimos nenhuma palavra a respeito, de qualquer grupo defensor dos  “direitos humanos”. Estão todos mais preocupados em fazer proselitismo de esquerda sobre o cadáver da vereadora morta. Também não assistiremos a um JN inteiro sobre o assunto, é claro.

O pai do menino, com a simplicidade de pensamento que sua vida lhe conferiu, não compreende como o Estado pode ser tão omisso numa hora destas. Ninguém lhe procurou, nem mesmo uma assistente social. Para piorar, está desempregado e não tem dinheiro para o sepultamento.

Por outro lado, caso vocês não saibam, apenas para exemplificar a triste diferença do tratamento destinado às vítimas da violência, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) emplacou uma lei que garante vale transporte às famílias dos presos nos dias de visita.

O pai do garotinho, Fábio Antônio da Silva, gesseiro com 38 anos,  resumiu bem o que parece ser o pensamento das autoridades, das ONGS, dos Direitos Humanos, do PSOL, PT e afins, quando um cadáver não pode ser utilizado politicamente ou não se trata de um militante notório:

“…Meu filho só tinha 1 ano e 7 meses. Ninguém fala nada. É como se fosse um lixo.” 

Não, Fábio! Seu filho não era lixo, não. Lixo são as pessoas que mataram seu garoto. São políticos e autoridades corruptos. São os juízes coniventes, os promotores a serviço de partidos políticos, os policiais corruptos (não a Polícia!) e todos aqueles que poderiam fazer diferente.

Lixo, Fábio — e já encerro apresentando pêsames por sua perda irreparável — são aqueles que apenas se preocupam com os algozes,  mas jamais… com as vítimas.  Simplesmente por elas não empunharem uma bandeira vermelha.

Que você encontre conforto e seu filho paz.

Leiam também.

19 thoughts to “Se não “dá Ibope” não serve”

    1. opa!!!! teve um pesadelo comigo??? o viciadinho no blog me xingou às 4:26 da manhã?? vá ser ricardo dependente assim lá na tonga da mironga, viu!!

    1. Sério, Jonas. Já saiu o laudo pericial? Foi a polícia que matou a moça? Na boa, te recomendo fortemente, em caso de apuros, jamais chamar a polícia então, viu?

      1. “Reclama da polícia, depois liga 190”

        Se está recebendo salário com o dinheiro dos meus impostos, eu reclamo mesmo.
        E se precisar chamo mesmo, não estou pedindo favor, estou pagando.

  1. Ninguém merece morrer , principalmente da forma como foi a vereadora. Entretanto, eu nunca vi tanto “urubu em busca de holofote” em cima do cadáver, como foi agora. O fato é, que todos que foram para as ruas gritar “Marielle Presente!”, não sabiam quem ela era até a sua morte. Muitos que foram, o fizeram para fazer ato político. O PSOL nunca esteve tão feliz. Sim, FELIZ. Só que os anônimos continuam morrendo, pelos mesmos assassinos que mataram a vereadora. Seja a banda podre da polícia, sejam os traficantes, sejam os corruptos… Eles continuam morrendo. . . Entretanto, a mesma vereadora, era contra a intervenção! Como se o Rio fosse bom, antes da medida! Atacou junto com os “artistas do cachimbo” a ação tomada pelo Governo Federal. Gostaria de saber, se a medida fosse adotada pelo PT ou PSOL, se o desfecho seria diferente. . . Também adoraria saber qual seria a opinião do Caetano e seu Bonde Da Maconha se os mesmos morassem dentro de uma favela ocupada pelo Trafico/Milícia. Será que ele cantaria pra o exército: “Onde está você agora…?”

  2. OS “ARJUMENTOS”

    Já reparam a enorme diferença qualitativa entre os comentários daqueles que são críticos aos populismos/esquerdiotismos/cleptogovernismos e os da massa de manobra bovinamente submissa aos seus ídolos, crenças e igrejas políticas.
    Uma característica indissociável do idiota é a falta de argumentos para contestar as críticas aos seus ídolos, às suas crenças dogmáticas, às suas seitas. As críticas, contestações aos seus ídolos são como golpes de faca nas suas ilusões. Imposibilitado de argumentar, pela sua incultura e ignorância, o idiota só tem como defesa a agressão à pessoa do crítico e a repetição, como papagaios de clichês, bordões, de “ARJUMENTOS” do tipo: “fascista/direitinha/ golpista”, “chupa, Ricardo”, “careca”, “mentiroso”, “e o Aécio, não vai falar nada”, etc e tal.
    Não há como não rir disso, mas ao mesmo tempo é muito triste ver a ignorância tão cruamente exposta de uma parcela de nosso povo. Se isso é o retrato de nosso povo, então está explicado porque estamos entre os piores países do mundo em termos de educação e porque elegemos os lulas, as dilmas, os sarneys, os renans, os cunhas, os cabrals, os temer, os malufs da vida.

  3. Meus parabéns pela matéria, define bem a situação atual do Brasil. O que é assustador é a omissão ou até mesmo a conivência de certos órgãos, como é o caso também da imprensa.

  4. Será que, se o pessoal que diz “bandido bom é bandido morto” vestir uma camiseta com esse eslogan, subir os morros e ocupar as favelas com esse discurso, a violência não acaba nesses locais?

  5. IEGO MAINARDI estava inspiradíssimo quando escreveu: O BRASIL NÃO TEM PARTIDO DE DIREITA, DE ESQUERDA, DE NADA, TEM UM BANDO DE SALAFRÁRIOS QUE SE REÚNEM PRA ROUBAR JUNTOS.

    Por traz de todas as mazelas citadas neste interessante artigo e nos bons comentários dos leitores está o mais devastador de todos os vírus: O VÍRUS DA DESONESTIDADE que contaminou mais de 95% da população brasileira de todas as classes sociais e níveis educacionais!

    Este VÍRUS é, sem dúvida alguma, o mais terrível de todos e faz parte da nossa tradição neocolonialista CLEPTOCRATA, ESCRAVAGISTA, EXTRATIVISTA e PARASITÁRIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.