Clube Atlético Bolivariano

Talvez o presidente do Galo e o atual treinador prefiram mudar o Atlético para a Venezuela. Por lá seriam mais felizes

Ex-treinador em atividade e aspirante a Hugo Chávez

Conheço pouco o novo presidente do Galo. Estivemos juntos  (profissionalmente e socialmente) algumas vezes, e só. Sempre me causou ótima impressão e confiança. Quando eleito fiquei muito feliz, pois conheço sua capacidade intelectual e liderança. Logo na primeira entrevista coletiva, fiquei ainda mais contente. Sérgio Sette Câmara fez questão de dizer claramente que, sob o seu comando, responsabilidade e extrema legalidade serão regra, jamais exceção.

Também conheço pouco o repórter esportivo Léo Gomide, da Rádio Inconfidência de BH, uma das mais antigas e tradicionais de Minas. Temos amigos em comum e nos vimos duas ou três vezes. O escuto apenas nas entrevistas coletivas, nada mais. Como ouvinte, o considero um repórter bem prolixo. Quase chatinho. Mas suas colocações, via de regra, espelham o que refletiu o jogo.

Oswaldo de Oliveira, o técnico do Atlético, me parece um ex-treinador em atividade. Intuo que, apenas por consideração ao seu trabalho do ano passado, quando resgatou o time da fronteira do rebaixamento, foi mantido no comando da equipe. Atitude, aliás, certa forma louvável. Gratidão é uma das minhas qualidades, e respeito quem costuma ser grato. Mas é fato que o treinador é pra lá de sofrível e não reúne a menor capacidade para dirigir um time como o do Galo.

Os três personagens são protagonistas de uma das mais tristes histórias do Atlético. Ontem, após a partida contra um time acreano, de forma inaceitável, o treinador partiu com extrema virulência — e violência! — contra o repórter. O motivo? Autoritarismo, arrogância e raiva (de ser exposto à própria incompetência). Leo Gomide, com aquele seu “jeitinho canseira” de perguntar, despertou a ira de quem se sabe incapaz, mas reconhece-se como o oposto.

Muito bem. O que fez hoje o presidente do Clube, Sério Sette Câmara? Demitiu o treinador que, vestido com o uniforme de umas das maiores instituições esportivas do mundo,  emporcalhou a imagem do clube que preside? Não, meus caros. Simplesmente ele optou por tirar o sofá da sala (aquela piada do marido traído, que manda jogar fora o sofá onde a esposa transa com o amante, mas continua casado com a infiel). Proibiu o repórter de frequentar a Cidade do Galo! Na boa, não sei se estou com mais vergonha do Oswaldo ou do Sérgio.

Agindo assim, o presidente do Galo: 1) Endossa o comportamento desequilibrado do treinador; 2) Chancela o péssimo trabalho da comissão técnica — o que não é surpresa; 3) Afeta de maneira irreversível a carreira — e o sustento — de um profissional que não fez nada de errado (ser chato ou incompetente não é crime); 4) Reafirma, perante a comunidade esportiva internacional, que o Clube Atlético Mineiro é contra a liberdade de opinião, contra a liberdade de imprensa e não admite críticas, ainda que diante de uma realidade sofrível.

Leia mais.

70 comentários em “Clube Atlético Bolivariano

  1. Acho que o Oswaldo foi grosso. Mas as palavras desse jornalista apenas estão aqui, não pelo que ele acha ou pensa, mas apenas por corporativismo. Não só ele. Em todas as profissões é a mesma coisa.

    1. Para você ver como a burrice é algo execrável. Não sou jornalista, nunca fui. Sou empresário desde os 18 anos de idade. O que escrevo reflete o que penso, nunca o que os outros esperam que eu escreva. Mas vá explicar isso para alguém da sua espécie, né

      1. Essa é uma dúvida que tenho, como o cara pode ser empresário e passar o dia todo escrevendo na internet ? Sempre ouvi dizer que empresário trabalha muito e não tem tempo para nada…Pode me dizer o que a sua empresa produz sr. empresário ?
        Outra coisa, o clube não é público, então na propriedade privada deles entra quem eles quiserem, não é assim na sua “empresa”.
        E quem não estiver satisfeito é só ir torce para outro time, ninguém é obrigado a torcer pelo atlético.

    2. Não tem condição de ser técnico no séc. XXI – Comunicação, inteligência emocional, empatia, educação, ética e habilidade estão no início, meio e fim do trabalho, Isto não é mais qualidade; é obrigação. Quem não assumir isto, está fora de liderar qualquer profissão. Um Oswaldo, um Kalil, um outro lá que esbravejou com jogadores… Estão querendo fazer mesmo uma Venezuela. Com peão e na várzea funciona, mas em capital, não. A filosofia de comando e liderança no Atlético é do século XIX. Ele chamou a imprensa para briga, foi burro. Não fica mais 90 dias no Clube,

  2. Infelizmente a verdade é que a atitude é de um técnico pequeno, quando alguém de pulso de verdade (Kalil tanto pai quanto o filho) assumiu o comando. Depois disto não teve mais comando. Sou atleticano sim, de ir ao estádio, levantar bandeira, tocar na torcida e outras coisas mais. Analisando sem clubismo, é a nossa triste verdade, por mais que isso doa. Por enquanto é o que deve ser dito, apesar de não querermos e relutarmos até a morte para ouvir. E, para piorar, enquanto não houverem homens vestindo aquele manto alvinegro, tanto no comando, quanto no campo vamos amargar tristes derrotas para nós mesmos atleticanos.

  3. Boa tarde,
    Por que vocês não trocam o nome dessa coluna de “opinião sem medo” por “privada aberta”?
    Só de entrar no site e ver os títulos das reportagens dessa coluna, dá vontade de dar descarga.

  4. Se o treinador nao aceita critica, tá na hora de repensar na carreira, talvez consegue vaga de astronauta, o jornalismo de MG nao pode levar barato de qualquer um não, ops o cara ainda disse a famosa frase VOCE NAO SABE COM QUEM ESTA FALANDO, pelo amor dos meus filhinhos, ninguem sabe e ninguem quer saber.

  5. O Oswaldo de Oliveira já mostrou que tem hombridade o bastante para reconhecer seu erro, e pedir desculpas.
    Agora…quero saber se o tal jornalista vai ter hombridade de assumir que o xingou, e mais, se os tais meios de comunicação, que são tão imparciais, e estão defendendo um lado, sem nem mencionar que o Oswaldo foi xingado primeiro, terão a hombridade de reconhecer que estão falando muita besteira.

    Porque o fato do Oswaldo ter tido uma reação desproporcional não isenta o fato do jornalista ter premeditadamente o xingado, prestando atenção para desligar seu aparelho de gravação antes de o fazê-lo.

    Nossa imprensa imparcial como sempre… desde que os prejudicados sejam sempre os outros!

    1. Felipe, permita-me discordar de você — e não sou jornalista, hein!!

      O Oswaldo não se desculpou; ele se justificou.

      Segundo, temos de separar o episódio em “antes e depois” do pau quebrar. Antes, o repórter começou a perguntar e já foi interrompido agressivamente. Oswaldo chegou ao cúmulo de lhe dizer como deveria fazer a pergunta!! Lhe disse o que deveria e não deveria fazer no exercício da própria profissão!!! Isto é inaceitável, Felipe! Depois, se houve mesmo o xingamento, ainda que uma pessoa equilibrada — e que representa um clube como o Atlético — devesse manter a postura e o equilíbrio, até posso compreender a atitude do treinador. Mas repito: antes do suposto xingamento a coisa já era absurda.

      Pense nisto, ok?, antes de entrar nesta pilha boba de imprensa imparcial, etc..

      Abrs

        1. não é coluna; é apenas um blog qualquer de opinião. a minha!

          ah, inicio a frase como eu quiser, sacou? é a vantagem de ser o dono da bola, hehehe

      1. Caro Ricardo,
        Discordo de você. O Oswaldo se desculpou sim. Assisti à entrevista dele ao vivo na ESPN e ele, mais de uma vez, se desculpou. Disse que se excedeu. Mas ele reiterou que foi xingado sim pelo repórter. O fato de o Oswaldo não estar fazendo um bom trabalho – e eu concordo com isso como atleticano – não dá direito ao repórter de xinga-lo. E, convenhamos, não conheço outro episódio deste tipo do Oswaldo. Não gosto dele como treinador, mas merece respeito. Essa defesa veemente ao repórter, por grande parte da imprensa, me soa como um corporativismo. E isso eu detesto. Resumindo: acho que tem muito mimimi aí, já deu. Continuo lendo sua coluna. Um abraço.

    2. Bem idiota este comentario. Primeiro que quem começou a ser agressivo foi o senhor que sempre foi auxiliar tecnico. Ninguem viu o jornalista xingar e se tivesse xingado seria em resposta ao jeito agressivo que foi tratado.

  6. SOU CRUZEIRENSE FANÁTICO , MAS ESTE SENHOR OSVALDO DE OLIVEIRA , DEVERIA SER SUMARIAMENTE DEMITIDO POR ACHAR QUE AQUI EM MINAS GERAIS PODE AGREDIR E PEITAR REPÓRTERES E A INSTITUIÇÃO RADIO INCONFIDENCIA , E A POSTURA DO ATLÉTICO EM DAR RESPALDO A ESTE TREINADOR É MAIS VERGONHOSO AINDA , ASSIM COMO A IMPRENSA MINEIRA QUE DEVERIA EM SOLIDARIEDADE NEM PISAR NO CENTRO DE TREINAMENTO DO ATLETICO , ESTE ATAQUE É SOBRETUDO AOS PROFISSIONAIS DE IMPRENSA DE MINAS GERAIS , AQUI NÃO MEU SENHOR , AQUI É MINAS GERAIS , VAI CANTAR DE ” GALO ” EM OUTRAS BANDAS

    1. Concordo. Acho que deveria haver um boicote de toda imprensa até que o Clube Atlético Mineiro se retrate com o repórter, senão com a instituição Rádio Inconfidência. O reporter pode até ser “chatinho” mas, não dá o direito a ninguém de agredi-lo por estar fazendo o seu trabalho.

  7. Uma única ressalva. O evento vai alavancar a carreira do repórter. E será merecido. A torcida toda reconhece o trabalho do cara. E pra torcida do Galo reconhecer isso é porque o cara é realmente bom. Não há torcida mais chata que a nossa.

    1. Não é assim, não, xará!! Infelizmente a história recente prova o contrário. Belo Horizonte é uma cidade média, não possui grandes alternativas e apenas três clubes.

      Tudo isso é muito triste!!! Tomara que o presidente — que é um cara do bem — demita o Oswaldo e peça desculpas ao rapaz. o Atlético é muito maior que isso

  8. Ricardo, um time cuja torcida e alguns cronistas torcedores defendem lula e dilma, com um ex-presidente prefeito e apoiado pela esquerda, certamente deveria se mudar para a venezuela, com certeza tende ao limbo, como toda a esquerda.

      1. UAI Ricardo, perdeu o foco?
        Vou refrescar a sua memória:
        1. Parte da torcida do Galo entoou cânticos a favor de lula e dilma, eu estava lá ouvi e vi os slogans Fora Temer que essa mesma torcida manifestou;
        2. Eduardo Ávila e Fred Melo Paiva, manifestaram isso, apoio a lula e dilma, inclusive em suas colunas e com Fora Temer;
        3. Kalil, o ex-presidente e atual prefeito de BH, foi eleito com aliança de esquerda;
        Esse é o meu último comentário, certamente Ricardo, você perdeu a minha credibilidade.
        Boa sorte.

        1. Meu Deus!!! Quanta bobagem!

          Por exemplo: eu estava no estádio no dia em que Dilma mandou o tal “Bessias” entregar o termo de posse fajuto ao Lula. Sabe o que eu ouvi de 20 mil pessoas: “ei, Lula, vai tomar no cu”. E daí? O que isto tem a ver?

          Eduardo Ávila e Fred Melo Paiva representam os mais de 8 milhões de atleticanos? Lula representa a torcida do Corinthians?

          Kalil é prefeito por causa dos votos atleticanos apenas? Eu votei no João Leite.

          Sobre ser seu último comentário, fique à vontade.

          Boa sorte também!

    1. Gustavo, quando o repórter xingou o Oswaldo — se é que xingou mesmo — a coisa já havia ido pro saco. E por culpa exclusiva do treinador, que desde o começo, quando interrompeu o rapaz, partiu de forma inaceitável contra alguém que de forma respeitosa exercia sua profissão.

      Abrs

  9. Ricardo, gostaria de lhe dar os parabéns. Sempre uma análise franca e correta independente qual seja o assunto. Sobre o futebol tenho visto cada vez o Atlético mais distante do povo e de sua torcida. Hoje não temos mais contato com a Instituição. Ninguém pode ir ao CT, pelo motivo que ficou isolado e pelo fato de negarem a entrada de qualquer pessoa que tenha a petulância de ir lá conhecer. Pra se ter ideia da coisa é vendida a visitação trocando pontos do galo na veia. E agora vejam, a Presidência está se isolando de repórteres que não sejam favoráveis aos planos deles. A pessoa não pode tecer nenhum comentário ou ter um pensamento diferente que é chamado no mínimo de corneteiro. É a ditadura do Clube Atlético Mineiro. Deixou de ser um clube popular e para o povo pra ser um clube impopular e contra o povo. CAM cada vez mais distante do seu torcedor.

  10. O velho truque do cara que chega em casa de madrugada bêbado e para não ser xingado começa a quebrar tudo para amedrontar a família, esse Oxxxxxxwaldo é ixxxxxxperto pacas nie? Agora quero ver o que a imprensa esportiva mineira vai falar do assunto, vamos ver agora onde está a idoneidade e isenção de certos meios de comunicação.

  11. Hahahah … meu amigo, comparação completamente descabida. O Galo não é autoridade política-jurídica constituída ou muito menos pessoa jurídica de direito público.

    Clube de futebol é pessoa jurídica de direito privado. Entra lá quem a direção PERMITIR o acesso, o contrário que seria “venezuelizar” os direitos e deveres dos cidadãos e do patrimônio. FIM!

      1. Pois é, e ainda por cima “editou” o comentário que postei, né ?! Mas está aí clamando por “liberdade” contra a censura e autoritarismo… fulanizando definições sobre direito e garantias por causa de um episódio bobo.

        Turma do “espectro vermelho” também não faz diferente, o negócio é tratar as coisas conforme a conveniência, todos loucos, quanto mais relativizar e banalizar , “melhor !”

        “Democrático” que dá gosto ….. #PNCF

        1. se o seu comentário continha ofensas pesadas ou babaquices de futebol, seguramente foi editado. Lugar de briguinha de torcedor é lá no Superesportes

  12. Sabe o que acontece? É que hoje em dia o politicamente correto tomou conta de quase todos os setores de nossa sociedade.
    A pergunta de verdade dói.
    Uma posição contundente de uma determinado tema, dói.
    Dizer que gosta ou não gosta, disso ou daquilo é ser chato.
    O que o repórter fez foi, simplesmente, falar ao técnico em questão, em forma de pergunta, que seu time está horrível, ou seja, o repórter, apenas, falou a verdade mas, como o próprio técnico disse no meio da confusão foi: “você pensa que está falando com quem”.
    O Brasil está chato e parte do mundo, também.
    O politicamente correto se tornou uma das piores pragas contemporâneas. Quer um exemplo melhor do que o tal Lulinha Paz e Amor. Com esse papinho de politicamente correto, nos arruinou. É o lobo que foi colocado dentro do galinheiro com a conversinha mole e deu no que deu.

  13. O Leo Gomide prestou um grande serviço ao Galo.Mostrou que um time que pretende ser campeão de alguma coisa,não pode se contentar com um empate pífio,e uma classificação conseguida na sorte.Bola na trave,defesas do Vitor,e oportunidades perdidas pelos adversários.O Galo precisa ter um pouco mais de humildade e aceitar as criticas como construtivas,consertar os erros que permanece desde 2016.

    1. Mourão, me permita aderir a tua crítica. Acho, apenas, que os erros não começam em 2016. Falta gerenciamento, pois, como sabido não teremos êxito sem o mínimo de profissionalismo. Até hoje sinto desconforto pela forma que o Levir teve de sair na última passagem pelo LINDÃO, também conhecido como GALO. Aquilo foi um desrespeito imperdoável a um técnico que esteve totalmente equilibrado e responsável nas sugestões de contratações e na forma de o time jogar.
      Ano passado foi uma lástima com um bom plantel! Então, para não me alongar deixo meu pitaco.

      1. Grato pela atenção ao meu comentário.O seu também foi muito oportuno,e realmente o Galo precisa de mudanças profundas se quiser almejar alguma coisa.

  14. Sinceramente tento me colocar no lugar do repórter. Ele estava entre seus colegas de profissão e de certa forma foi humilhado pela forma com que o técnico do Atlético o impediu de fazer seu trabalho. Percebi também que os outros profissionais de imprensa em nenhum momento fizeram qualquer intervenção de forma a auxiliar o rapaz. Independe do fato de ter havido ou não o xingamento, a atitude do ex-treinador em atividade foi totalmente lamentável. Espero que a instituição Clube Atlético Mineiro repense sua atitude. E quanto ao técnico, que se aposente ou vá pescar.

  15. Numa Equipe de futebol os erros e acertos que contribuem para o sucesso e/ou insucesso, sempre surgem de cima para baixo.
    Nunca vi um grande time ganhar títulos com péssimo comando e “maus comandados”.
    O presidente do Galo acabou de assumir o posto e demonstra ser competente.
    Com o caixa limitado trouxe “jogadores medianos” e manteve o técnico por não poder investir mais.
    Agora… como é possível um técnico mediano dar padrão e desenvolver bom trabalho com atletas “meia-boca”? Muito difícil, senão impossível!
    Léo Gomide, exercendo sua profissão, expôs a indignação e revolta de todos os Atleticanos; mas até o momento, apenas ele quem pagou o pato.
    O presidente do Galo errou feio ao proibir que o jornalista tenha acesso ao CT.

  16. Os setoristas do Galo poderiam, ao menos, considerar que o seu trabalho lá pode ser prejudicado por ver e falar sobre a incapacidade de quem quer que seja. Então, o melhor a fazer é esperar do lado de fora (na rodovia, mesmo), até terem a certeza de que são livres para trabalhar e ter opinião.
    Uma coisa é o direito dos funcionários do CAM terem opinião. Outra coisa é censurar a opinião de quem está cobrindo os assuntos do futebol para alguns milhares de torcedores.
    E mais, o O.O. pode ter mais de 40 anos no futebol, mas é incompetente. Além do mais, o Marin também tem! Hahaha!
    Fora, carioca mascarado! Aqui não é quintal de segunda.

  17. Nunca fui contra a liberdade de imprensa e etc mas tem cada repórter sem noção que se esforça ao máximo pra tentar irritar as pessoas e quando encontram um cara que revida (não interessa o tipo de revide) daí acontece isso.

    Os repórteres deviam ter mais cuidado pois mais “Oswaldos” da vida por aí não aceitam desaforos e se o cara (repórter) gosta de “bater” mas não aceita a volta (apanhar) e fica se escondendo atrás do “liberdade de imprensa” deveria pensar em mudar de profissão.

    O Ricardo, fala do Lula, do PT, da esquerda de quem você quiser mas do Galo não porr…. rsrsrs…

    Respeita o Galo caramba. Depois não vai poder reclamar. hehehehe

    Abraço.

    1. Concordo contigo Guilherme, me parece que já havia um histórico de animosidade entre eles e o repórter “sem noção” aproveitou o nervosismo do técnico, deu para ver pela transmissão da TV que ele estava bem irritado, para provocar mais um pouco. Parece que conseguiu o que queria, tirá-lo do sério.
      A resposta do Atlético talvez não tenha sido a melhor, mas compará-la ao bolivarianismo e pegar pesado demais.

  18. Liberdade de imprensa tem limites, o repórter usou de ironia e sarcasmo, como comumente já vinha fazendo, para fazer uma pergunta. Que foi tendenciosa e imparcial. O que é de praxe na pior imprensa do mundo – a brasileira – totalmente antiética e imoral. Levou o que mereceu e foi pouco. Um entrevista coletiva é feita de perguntas objetivas e o treinador responder o que foi perguntado, e o torcedor que tire suas conclusões. Se o repórter que dar opinião que ele faça em outro momento, foi jogar para a torcida e se ferrou. Bem feito.

  19. A perceber pelo texto, o blogger estava lá e presenciou o ocorrido. Se eventualmente não estava, é recomendável ver o outro lado do fato. Todo fato tem duas interpretações. Por isso uma fonte neutra evita opiniões equivocadas. A mais afoita opinião, que é a da massa desinformada, é sempre a mais truculenta. Assim, vamos evitar as conclusões juvenis e encarar os fatos como eles são. Não como querem que seja. Um jornalista da Radio Super estava no local entrevistando também o técnico do clube. Ele presenciou o palavrão dirigido pelo repórter mineiro ao técnico, dito em voz baixa para não ser reproduzido pelos microfones. As imagens mostram o técnico já se acalmando enquanto respondia a um outro repórter. Quando, de súbito, indignou-se e avançou em direção ao repórter da Itatiaia. Não aparece na imagem nenhum punho em riste para agredir fisicamente o repórter mineiro. Para muitos que estavam lá, o técnico defendeu sua honra. A imprensa mineira, a exemplo do que já ocorreu com outros técnicos, vez ou outra, se excede. Os Donos da Bola, em Minas, tinha tudo para ser um excelente programa desportivo. Os colegas jornalistas do blogger disseram que o programa se excedeu e a presidência da emissora podou as asas. A imprensa é essencial a qualquer estado democrático. A boa imprensa. A má imprensa é criadora de confusão. Se os próprios colegas de trabalho do repórter que se assustou ontem com a reação do técnico, que estavam no local, não o “seguraram” é sinal que ele realmente fez algo para merecer a reação. Como escreveu um outro blogger hoje “quem fala o que quer, ouve o que não quer”. Esse técnico não leva desaforo para casa e, se realmente, foi tratado com baixeza, nada mais fez do que defender sua honra. Aliás, é o mesmo que o blogger faz aqui de vez em quando ao defender sua dignidade dos xingadores de plantão. Nessa, não estou com a imprensa. Parabéns ao técnico pela coragem e defesa de sua dignidade. Não gosto de futebol, e nem tenho time. Não sigo por esse caminho.

    1. Prezado, o “blogger” não estava lá, mas possui olhos e ouvidos. O vídeo está disponível por aí.

      O jornalista da Rádio Super chama-se Roberto Abras. Não prima por ser combativo. Além do mais, estava usando fones de ouvido. Como poderia ter ouvido algo?

      Ainda assim, caso o repórter tenha mesmo xingado o treinador, não se espera de alguém que representa um clube desta grandeza tamanho desequilíbrio emocional. Ou espera-se?

      Eu Ricardo não represento ninguém nem nada. No máximo a mim mesmo, hehe. Por isso posso devolver à vontade os coices que recebo. Se isso prejudica alguma imagem, no máximo é a minha própria, entendeu? Por isto não me canso de repetir que o Portal UAI, que gentilmente me hospeda em seu site, não possui qualquer vinculo com minhas opiniões.

      Por fim, ainda que eu aceite a reação do treinador após o suposto xingamento, pergunto: a antes disto? E quando, logo de cara, interrompeu o rapaz e lhe chamou de mal intencionado, etc? E quando, de forma bisonha, quis ensinar ao repórter como fazer a pergunta, ou melhor, como queria que fosse lhe feita a pergunta? Na boa, Alfredo, na minha opinião — respeitando obviamente a sua — este sujeito já deveria ter sido demitido e o presidente do Galo ter pedido desculpas públicas ao rapaz.

      Abrs

  20. Muito me dói eu que fui ao estádio desde criança ver com meus 57 anos o Galo ser jogado ás traças por uma diretoria pífia e sem noção , que entrega o Galo que é uma instituição acima de ser um time de futebol , na mão de um técnico completamente incompetente e claramente desequilibrado .
    Basta rever as decisões de escalação e de substituições dele , além do fato da discussão com o jornalista para ver isso .
    Como afirmei em outro comentário , parem de comprar jogador porque tem bastante e contratem um técnico que saiba fazer eles jogarem .
    Não vamos esperar comprometer o ano todo para tomar uma atitude .

      1. Viu como tu é um maniqueísta? E continua nessa novilingua idiotiZada da mídia direitista ”
        :bolivariano, Venezuela, Cuba, vermelho, etc….é muita pobreza intelectual pra um sujeito só. ..

  21. Nenhum jornalista ou qq outro profissional é ONISCENTE, ONIPOTENTE E onipresente….
    Isso que deu acabar com a necessidade de estudar para ser jornalista…

    1. Bem, pela sua lógica, Gustavo franco, um dos melhores economistas do mundo, não pode escrever em jornais. Faustão não pode apresentar um programa de TV. Casa Grande não pode comentar jogo de futebol. É isso mesmo?

  22. Gostaria muito de ver tanta indignação com os jogadores que não jogaram nada. Queria velo puto de raiva com sua própria atitude, prostrado a beira do campo e esperando o pior. Queria velo nervoso com a diretoria que só lhe deu sobras e trocas baratas. Mas ele foi grosso com quem lhe disse a verdade. Há muito, os setoristas são pucha sacos, falam e perguntam somente o que o técnico e diretoria querem ouvir, pela proximidade e o medo de retalhações desse tipo.

  23. parem de cobrir esse time de suga sangue ate terem um técnico que entenda de futebol e presidente honre nosso time pedindo desculpas e deixe o jornalista fazer seu trabalho se ele este carioca esta tão preocupado com Botafogo que va para la treinar e nem abra essa boca para se referir ao nosso galooooo

  24. O blogueiro … você cortou meu texto!
    Quer dizer … adulteração não é coisa só de esquerda hein! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Em prol de interesses particulares … vamos dar uma mexidinha na coisa né…

    E Brasiiilll …

    1. mesma resposta que a outro: se o seu comentário continha ofensas pesadas ou babaquices de futebol, seguramente foi editado. Lugar de briguinha de torcedor é lá no Superesportes

      1. E veja se não vai fraldar de novo: Publique aí esta minha tréplica!

        Nota do blogueiro: Eu publicaria, se não houvesse esta frase final. Sabe por quê? Porque quem decide o que ou não publicar sou eu, bobinho, não você. A ti só cabe me ler, comentar e esperar que lhe dê alguma atenção. Triste, né, este seu papel? (Ricardo)

  25. Prezado Ricardo, como um leitor do seu blog que concorda com quase 100% das suas ideias, me senti da obrigação de comentar. Não é de hoje que esse jornalista vem tumultuando a vida dos profissionais do Atlético. Ambos estão errados, claro, mas perceba que só o Oswaldo teve a grandeza de se desculpar. Esse jornalista, que acha que sabe tudo; que acha que pode criticar tudo; que acha que tem o direito de cobrar como um torcedor de arquibancada e esquece que está com um microfone na mão; já há muito tempo vem esculhambando o trabalho alheio dentro do CAM, sem o menor bom senso e equilíbrio. Tanto que o Oswaldo disse durante a entrevista que estava tendo toda calma do mundo com ele, mas ele teimou insistindo além do limite em sua mania obsessiva de “analisar”, antes de “perguntar”. O Oswaldo não é a primeira vítima dele, os técnicos e as diretorias passadas também sofreram na mão deste ‘profissional’. A regra é simples, respeite e será respeitado. Ou você acha que a estourada pós-entrevista foi de graça? Não foi a toa que os outros profissionais de mídia ficaram ao lado do Oswaldo. Penso que a diretoria do clube está certíssima. Uma coisa é o cara ir no blog dele criticar, analisar, etc, outra coisa é trabalhar lá dentro, e todo santo dia ficar criticando, espezinhando nas esntrevistas, muitas vezes sem motivo, o trabalho dos outros. E depois de uma entrevista, mandar o entrevistado p/ aquele lugar? Francamente, ninguém tem sangue de barata. Se fosse no meu trabalho eu teria feito a mesma coisa, ora! Pra toda ação, há uma reação, e foi isso que vimos ontem. Quem vê só a entrevista, acha que foi de graça, mas a inconveniência desse cidadão já vinha passando dos limites há tempos. E sair xingando o entrevistado foi demais. Estou com o Oswaldo e a diretoria nessa. Quer ser respeitado? Respeite.

  26. Não li a matéria pelos motivos que descrevo abaixo:
    Sou um atleticano completamente ‘desligado'(me lembro vagamente do time com Reinaldo) e acho que futebol é uma das maiores desgraças do Brasil!
    Tenho tv por assinatura com todos os canais de esporte e NÃO assisto nenhum!!!!

    Enquanto vc ‘toma distraído’ assistindo no campo ou na tv, os políticos fazem algo pra te fu.ê!
    Acordem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.